Cancelamento de protesto em cartório deve ser feito pelo devedor

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 19 de setembro de 2005

Em casos de protesto, se a relação jurídica entre as partes não for de consumo, o cancelamento do registro no cartório competente deve ser feita pelo devedor. A conclusão é da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, que não conheceu do recurso do Posto Oscar Pereira Ltda. contra a Companhia Ultragaz S/A, do Rio Grande do Sul.

O posto mantinha com a Ultragaz contrato de compra e venda de gás liquefeito de petróleo (GLP), quando entrou na Justiça com ação ordinária de rescisão contratual, com pedido de antecipação de tutela. Foram apontados, então, onze títulos a protesto em 27 de outubro de 2000 pela Ultragaz. Posteriormente, foi celebrado um acordo para o pagamento do débito, tendo sido emitidos dois cheques pelo autor: um para pagamento imediato e o outro para desconto em três dias, quando recebeu da Ultragaz documento que lhe dava plena e geral quitação da dívida.

Na ação, o Posto afirmou que, apesar da quitação do débito, a Ultragaz não retirou os apontamentos do protesto, o que levou o posto a sustar o desconto dos cheques, fato que levou as partes à renegociação da dívida. Não tendo sido cumprida novamente a obrigação da companhia de dar baixa nos protestos (só o fez em relação a uma das duplicatas), o Posto pediu o cancelamento dos protestos, bem como a condenação da ré ao pagamento das indenizações de ordem material e moral.

Em primeira instância foi deferida a liminar para determinar o cancelamento dos protestos. A sentença julgou procedente em parte o pedido para condenar a empresa ao pagamento da quantia de R$ 6.603,60, acrescida de correção monetária pela variação do IGP-M desde o ajuizamento da ação, juros de mora de 6% ao ano a fluir da citação, assim como a proceder ao cancelamento dos protestos.

As duas partes apelaram. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) deu provimento à apelação da Ultragaz, entendendo caber ao devedor a diligência para o cancelamento do protesto. "Não atacada a legalidade do protesto tirado, não pode ser o credor responsabilizado pela manutenção do registro perante o cartório competente". Para o TJRS, não foi praticado ilícito que gerasse a obrigação de indenizar.

No recurso para o STJ, o Posto alegou que, tendo as partes firmado acordo para pagamento da dívida e obrigando-se a ré a retirar os títulos do protesto, bem como fornecer as respectivas cartas de anuência, não se pode considerar como atribuição do autor, ainda mais quando caracterizadas a omissão e o descaso da ré, após passados mais de quatro meses da quitação da dívida.

A Quarta Turma não conheceu do recurso. "Para verificar-se se, de fato, a recorrida se omitiu ou não no dever de cancelar os protestos relativos às dez duplicatas remanescentes, imperioso é o revolvimento do conjunto fático-probatório, circunstância que não se compatibiliza com a natureza do recurso especial", considerou o ministro Barros Monteiro, relator do recurso, ao votar.

Invocando decisão da Terceira Turma sobre o assunto, o ministro transcreveu voto da ministra Nancy Andrighi. "Se a relação jurídica existente entre as partes não é de consumo e o protesto foi realizado em exercício regular de direito (protesto devido), o posterior pagamento do título pelo devedor, diretamente ao credor, não retira o ônus daquele em proceder ao cancelamento do registro junto ao cartório competente", disse a ministra. "Isso posto, não conheço do recuso", concluiu o ministro Barros Monteiro.

Matérias relacionadas

STJ aumenta indenização a estudante vitimada por tiro em agência do BB

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, aumentou a reparação moral a ser paga pelo Banco do Brasil S/A à...

Cabe ação contra sentença deferitória de re-ratificação de registro imobiliário

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que julgou procedente ação rescisória para re-ratificação de registro...

Mantida no TST multa por descumprimento de efetivo mínimo em greve

A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho manteve a multa imposta ao Sindicato dos Trabalhadores na...

Invalidada escritura que quita contrato de trabalho de 29 anos

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou inválida escritura pública lavrada em cartório de registro civil, na qual se quitam todos...

Sem justificativa, advogado não pode ser impedido de retirar processo

Para a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o advogado não pode ser...

Justiça do Trabalho é competente para cobrar multa de trânsito

As multas de trânsito que o empregado recebe no exercício de suas funções, podem ser cobradas pelo empregador na Justiça do Trabalho. Este é o...

Qualificar empregado como sócio é fraude e crime

A empresa que qualifica indevidamente seu empregado como sócio com intuito de burlar a legislação trabalhista, pratica fraude que pode ser...

Testemunho em outro processo serve como prova de mentira

Para a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o depoimento do trabalhador em...

Concedido habeas corpus a aposentado em Minas Gerais

A Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais concedeu o pedido de habeas corpus movido pelo aposentado José Hahilton Lages,...

Companhia Energética condenada a indenizar por morte de pedreiro

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerias condenou a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) ao pagamento de...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade