Loja está proibida de vender baralhos que simula marca conhecida

Julgados - Direito Civil - Quinta-feira, 6 de outubro de 2005

Uma loja de brinquedos e armarinhos está proibida de comercializar o baralho de marca "Royal" que não tenham sido fabricados pela empresa detentora da titularidade da marca. Caso a loja descumpra essa decisão, dada pelo juiz Antônio Carlos de Oliveira Bispo, da 22ª Vara Cível de Belo Horizonte, terá que arcar com uma multa diária de R$ 500,00.

De acordo com os autos, uma empresa informou ser titular, no Brasil, da marca "Royal", associada ao baralho. Assim, alega possuir os direitos de propriedade e de exclusividade de uso dessa marca em todo o território nacional. Segundo ela, esses direitos, em conformidade com dispositivos legais, implicam na proibição da reprodução ou imitação de marca alheia. Apesar disso, uma loja de Belo Horizonte vem comercializando o produto.

Segundo a empresa titular da marca registrada, a comercialização de produtos "piratas", como o que vem sendo praticado pela loja, acarreta prejuízo financeiro para a empresa e diminuição de sua capacidade produtiva.

A loja relatou que "não há como auferir qual baralho é falso ou legítimo". Mas, segundo o juiz, documentos provam a existência de dois "tipos" de cartas de baralho, "diferenças essas facilmente percebidas pelas marcas d´água, cor de embalagem e até a qualidade dos plásticos usados na confecção são distintas". Outro documento prova a titularidade da marca pertencente à empresa. Para o juiz, essas provas são suficientes para apontar a culpa da loja, ficando evidente a falsificação. "Tendo em vista o direito de propriedade da empresa, deve ser atendido o pedido de paralisação da venda", explica.

Porém, não há provas de que a loja tenha fabricado o baralho dessa marca ou de outra, o que torna improcedente o pedido para proibir o fabrico, imitação ou reprodução.

O pedido de indenização não foi concedido, pois não foi provado que a loja agiu de má-fé na compra dos baralhos, e a indenização não pode ser calculada em mera suposição.

Matérias relacionadas

Editora de lista telefônica condenada por violar direito autoral

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma editora responsável pela publicação de lista telefônica de endereços...

Utilização de gravação de voz sem autorização gera indenização

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma operadora de TV a cabo a indenizar um assistente de vendas, por ter usado...

Atraso de salário dá direito a indenização por danos materiais

O empregador que atrasa com freqüência o pagamento dos salários do empregado, deve indenizá-lo por seus prejuízos materiais e morais. Com base...

Zezé di Camargo é condenado em danos morais por plagiar parte de música

A 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou Mirosmar José de Campos, mais conhecido como...

Negado habeas-corpus a médico que exercia ilegalmente a medicina

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o habeas-corpus que pedia o trancamento da ação penal, por ausência de justa causa,...

Isenção de entidades filantrópicas não abrange ICMS de energia e telefone

A imunidade tributária assegurada na Constituição Federal às entidades filantrópicas e sem fins lucrativos não alcança o método de formação...

Nulo processo para cancelar venda de bem se não citar ex-marido

Se o ex-cônjuge figurou no pré-contrato e na escritura como vendedor, a sua não-participação na ação judicial na qual se busca anular compra e...

Acusado de furto ao Banco Central em Fortaleza continuará preso

Um dos presos acusados pelo furto à sede do Banco Central em Fortaleza (CE), José Charles Machado de Morais, teve pedido de liberdade negado pelo...

Pagamento bancário de condomínio não comprova parcelas anteriores

Compete ao condômino comprovar o pagamento da parcela tida como não paga, até porque a sistemática de cobrança pela rede bancária, cujas...

Trâmite de ação entre banco e sindicatos é garantido pelo TST

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou à primeira instância trabalhista de Minas Gerais que examine ação de consignação...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade