Pena mínima para crime de receptação pode aumentar

Notícias - Direito Penal - Quinta-feira, 13 de outubro de 2005

O Projeto de Lei 5925/05, do deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), aumenta a pena mínima de reclusão de um para dois anos prevista para o crime de receptação. A pena máxima permanece sendo de quatro anos.

O crime de receptação é assim definido pelo Código Penal (art. 180): “Adquirir, receber, transportar, conduzir ou ocultar, em proveito próprio ou alheio, coisa que sabe ser produto de crime, ou influir para que terceiro, de boa-fé, a adquira, receba ou oculte”.

De acordo com o deputado, a doutrina antiga do Direito Penal considerava a receptação crime de menor gravidade do que o crime antecedente (furto ou roubo). O motivo é que, à época, os crimes de receptação tinham em grande parte a característica de delito ocasional e, muitas vezes, o adquirente comprava o bem ignorando sua origem ilícita.

Com o passar do tempo, lembra o parlamentar, os crimes de receptação deixaram de ser ocasionais, já que os criminosos se organizaram e passaram a planejar os delitos. "Os malfeitores têm se utilizado de terceiros para a prática do crime, ficando o verdadeiro criminoso, o autor intelectual, na sombra, só aparecendo quando a operação se concretiza com sucesso", afirma.

Thame ressalta que crianças e adolescentes são recrutados para a ação criminosa e recebem um mínimo pela atividade. "Em muitos casos, nada recebem e perdem mesmo a vida – ou na ação criminosa ou pelas mãos do próprio receptador mandante", alerta o parlamentar.

A proposta tramita em conjunto com o Projeto de Lei 779/95, do deputado Couraci Sobrinho (PFL-SP), que também aumenta a pena por receptação, mas por um período maior, de quatro a dez anos. Os textos aguardam votação em Plenário.

Matérias relacionadas

Rotulagem de transgênicos para exportação pode ser obrigatória

As embalagens dos produtos importados ou para exportação que contenham organismos geneticamente modificados (OGMs) deverão conter informação...

Disciplina sobre educação sexual pode ser opcional

O Projeto de Lei 5918/05, do deputado Elimar Máximo Damasceno (Prona-SP), permite que alunos se recusem a freqüentar aulas de educação sexual nas...

Judiciário vai demitir 200 parentes de magistrados no Piauí

O presidente do Tribunal de Justiça do Piaui, desembargador João Batista Machado, afirmou que está na fase final de levantamento sobre o nepotismo...

Projeto amplia direitos de consumidores inadimplentes

As empresas poderão ser proibidas de enviar o nome de consumidores inadimplentes para os cadastros de restrição ao crédito caso seja aprovado o...

Transexual operado pode ser proibido de mudar de nome

O transexual que passar por uma cirurgia de troca de sexo pode ser proibido de mudar seu prenome se for aprovado o Projeto de Lei 5872/05, do...

Projeto altera 188 artigos do Código Civil

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 6960/02, do deputado Ricardo Fiuza (PP-PE), que modifica 188 artigos do Código Civil, que entrou em vigor em...

Uso de cotas de reserva florestal pode ser regulamentado

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5876/05, do deputado Luciano Castro (PL-RR), que regulamenta a utilização da Cota de Reserva Florestal (CRFs),...

Renegociação de dívida municipal com INSS em análise na Câmara

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5897/05, do deputado Bismarck Maia (PSDB-CE), que possibilita aos municípios parcelar as dívidas com o Instituto...

Proposta limita reeleição em cargos do Legislativo

A reeleição no Poder Legislativo poderá ser limitada a um único período subseqüente ao mandato, assim como ocorre nos cargos de presidente da...

Espera por atendimento em telefônicas pode ser gratuita

O tempo de espera telefônica por atendimento das prestadoras de serviço de telefonia poderá não ser cobrado. A proposta (PL 5864/05) foi...

Temas relacionados

Notícias

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade