Fornecimento de luz deve ser mantido em casa de menino com hidrocefalia

Julgados - Direito Civil - Terça-feira, 1 de novembro de 2005

A Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) deve proceder à ligação e manter o serviço de energia elétrica na residência de menino de 4 anos de idade que sofre de hidrocefalia. A determinação foi dada em antecipação de tutela, na Comarca de Pelotas, concedida em Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público e confirmada pela 21ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.

A CEEE interpôs recurso no Tribunal, alegando que a família mudou-se em janeiro de 2005 e requereu a ligação de luz. A solicitação foi atendida pela empresa que, entretanto, estipulou prazo para que fossem realizadas adaptações na rede para um novo padrão, o que não ocorreu, levando ao corte do fornecimento. Insurgiu-se também contra a atuação do MP, sustentando ser parte ilegítima para promover a demanda.

Ao votar pela manutenção da decisão de 1° Grau, o relator do recurso, Desembargador Francisco José Moesch, acentuou que “o corte no fornecimento de energia elétrica, como forma de compelir o usuário a providenciar a adequação das instalações, é meio que, constituindo verdadeira sanção, submete a constrangimento o consumidor.”

Salientou que o pai do garoto mantém o pagamento da luz em dia e que em momento algum se negou a fazer as adaptações exigidas, que não foram feitas por falta de recursos. Censurou o procedimento da CEEE que, mesmo ciente da delicada situação, efetuou abruptamente o corte da luz, sem comunicar o consumidor ou buscar solução plausível para o caso.

Referiu o Desembargador Moesch que a energia elétrica, serviço de utilidade pública, é bem essencial, indispensável à vida e saúde das pessoas. No caso em questão, o garoto necessita de cuidados especiais 24 horas por dia, tem crises convulsivas, toma medicação de 4 em 4 horas e a fralda precisa ser trocada, inclusive à noite. “Diante de tal quadro, desnecessário tecer-se maiores comentários a respeito da necessidade da família dispor da energia elétrica para dar atendimento ao infante, especialmente durante a noite.”

“A saúde é direito social prestacional, conseqüentemente, sua defesa incumbe ao Ministério Público, e a presente ação é medida necessária para sua garantia”, acentuou o Desembargador Moesch. O magistrado invocou o art. 127, da Constituição Federal, que atribui ao MP a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Citou também o Estatuto da Criança e do Adolescente, que estabelece prioridade para os direitos das crianças e jovens, cabendo sua promoção e fiscalização ao MP.

Acompanharam o voto os Desembargadores Marco Aurélio Heinz e Liselena Schifino Robles Ribeiro.

Matérias relacionadas

Afastada condenação da Volkswagen devido a cláusula nula em contrato

A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, afastou da condenação da Volkswagen Serviços Ltda. a restituição em...

Filhas não podem receber pelo pai em ação contra sua ex-mulher

Negado a filhas receber pelo pai, já falecido, indenização de metade do aluguel do imóvel de uso comum, habitado por sua ex-mulher. A...

Estudante não tem direito de prorrogar até os 24 anos pensão por morte

Estudante universitário não tem direito à prorrogação do benefício de pensão por morte do responsável até os 24 anos. A decisão é da...

Estágio em órgão público não gera vínculo de emprego

O vínculo mantido entre estagiário e empresa pública não pode ser considerado como relação de emprego, sob pena de afronta ao dispositivo...

Garantida indenização a trabalhadora demitida durante gravidez

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, em decisão unânime, garantiu a uma trabalhadora gaúcha o pagamento de indenização...

Companheira de aposentado garante complementação de pensão

A SPTrans – São Paulo Transporte S.A. não obteve êxito em mais um recurso para se desobrigar do pagamento de complementação de pensão a...

Motorista e proprietário de veículo indenizam vendedora por acidente

A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais deferiu o pedido de indenização, por danos morais, de uma vendedora, em razão das...

Multa é anulada pelo Justiça por falta de notificação

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou a sentença que anulou a multa aplicada a D.J.S. por ele não ter sido...

Igreja evangélica deverá devolver imóvel ocupado indevidamente

Os proprietários de um conjunto habitacional de Ribeirão das Neves, região metropolitana de Belo Horizonte, tiveram confirmada a determinação...

Sem provas não há dano moral, decide Justiça Trabalhista de São Paulo

Para a configuração do dano moral é preciso provar que a ação, ou omissão, do empregador causou grande constrangimento ao empregado. Com base...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade