Diciona

Distrito Federal conquista terceiro título do Campeonato Nacional da OAB

Notícias - Diversos - Quarta-feira, 16 de Novembro de 2005

Prevaleceu a dedicação de um trabalho de dois meses que priorizou o preparo físico. A avaliação é do técnico da equipe dos advogados de Brasília, ex-goleiro do Fluminense e Seleção Brasileira, João Victor, ao comentar a conquista do 3o título no IV Campeonato Brasileiro de Futebol da OAB, realizado entre os dias 10 e 14, em Cuiabá. Na partida principal, disputada na noite de segunda-feira (14), no estádio José Fagelli, o Verdão, o DF bateu o Espírito Santo com único gol marcado por Rômulo, ainda no primeiro tempo. O troféu foi entregue em uma churrascaria de Cuiabá, durante jnatar de confratenização.

“Sei das dificuldades de jogar em Cuiabá devido a alta temperatura e priorizei o prepario físico com alguns coletivos. Mesmo porque a equipe joga junto há muito tempo. Por isso venceu o nosso trabalho”, disse Paulo Victor, que teve passagem pelo Operário de Várzea Grande (MT) antes de se sagrar goleiro conhecido pelos brasileiros.

Depois de empatar na abertura da competição com o Paraná em 5x5, o DF venceu o Goiás por 1 x 0. Em Seguida, derrotou os anfitriões, OAB-MT, numa goleada de 6 x 2. Já o ES perdeu para Minas Gerais por 3 x 1, venceu MT por 3 x 2 e ganhou do Paraná por pênaltis, após empate de 2 x 2. No jogo de fundo, o MT que defendia seu primeiro título, perdeu de 5 x 4 para o Paraná.

Desde o início o DF era tido como favorito. Com entrosamento, os advogados de Brasília imprimiram ritmo forte sobre os capixabas que erravam passes e se mantinham na retranca. Logo aos 10 minutos, Rômulo marcou de bola parada numa cobrança de falta perfeita sem chances para o goleiro do Espírito Santo.

Sentido a superioridade dos brasilienses, o técnico do Espírito Santo, Paulo Paixão, alertou para marcação forte sobre os principais jogadores de Paulo Victor, o que ajudou os capixabas a retomar o comando do jogo e partir para o tudo ou nada. Foram várias chances desperdiçadas pelos erros de passes e chutes sem direção contra o gol do DF.

Veio o segundo tempo e depois de Paulo Paixão pedir garra para sua equipe, o ES voltou mais decidido, porém, passados os primeiros 20 minutos era visível o cansaço de alguns jogadores que não conseguiam acompanhar a bola. A essa altura só o empate interessava aos capixabas que levariam o jogo para prorrogação e caso persistisse o resultado, o campeonato seria decidido nos pênaltis.

Mas a noite era mesmo dos advogados de Brasília, que recuaram e seguraram o placar até o apito final.

No próximo, ano, a OAB estuda a realização da VII edição da competição em Goiânia (GO).






Todos os direitos reservados

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização

Política de Privacidade | Editorial | Contato