Sul América indenizará paciente que teve internação hospitalar recusada

Julgados - Dano Moral - Quarta-feira, 7 de dezembro de 2005

Um paciente do Rio de Janeiro que teve recusada a autorização para internação hospitalar de emergência pela Sul América Aetna Seguros e Previdência receberá R$ 20 mil como indenização por dano moral. A seguradora alegou, à época, não estar cumprido o prazo de carência para o atendimento. A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) atendeu ao recurso apresentado pelo paciente para rever decisão de segunda instância que havia afastado o dano moral por se tratar de interpretação de cláusula contratual.

Otávio Albuquerque Ritter dos Santos havia sido internado de urgência, num quadro clínico grave, com diagnóstico de mononucleose e pneumonia bacteriana, mas, três dias depois de ter enviado à seguradora o pedido de autorização de internação, recebeu comunicação de recusa sob a alegação de que o prazo de carência para intervenção e procedimentos em pneumologia e infectologia não estava cumprido.

Alega não ser aplicável a referida cláusula do contrato ao procedimento ao qual estava sendo submetido e ser ela nula frente ao Código de Defesa do Consumidor (CDC). Em primeira instância, a ação foi julgada procedente e reconheceu que a cláusula era abusiva por impor carência para internação de emergência. A Sul América foi condenada ao pagamento das despesas resultantes da internação (danos materiais) e à compensação pelos danos morais no valor de 200 salários mínimos.

A seguradora apelou ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ/RJ), que reduziu a indenização por danos morais para cem salários mínimos, reconhecendo que a limitação que não se acha redigida em destaque viola o CDC. No entanto a decisão não foi unânime, e a seguradora apelou novamente quanto à ocorrência de danos morais (por meio de embargos infringentes). A contestação foi aceita, excluindo-se da condenação a indenização, mas mantendo a condenação pelos danos materiais. Segundo o acórdão dos embargos, se a discussão se restringe à interpretação de cláusula de contrato, não é possível a reparação por dano moral.

O paciente recorreu, então, ao STJ, alegando que o acórdão que afastou o dever da empresa de indenizá-lo pelos danos morais violou o Código Civil de 1916 (artigo 159) e o CDC (artigo 6º, inciso VI). Invocou ainda a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo que entendeu ser causa de danos morais a recusa de autorização para a internação de segurado, o que caracterizaria dissídio jurisprudencial.

A relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi, presidente da Terceira Turma, admitiu revisão da causa por este último aspecto. A ministra destacou que o acórdão da apelação entendeu ser abusiva a cláusula que impunha a carência e, por isso, ser ilícita a recusa da internação. Da mesma forma no acórdão dos embargos, a abusividade da cláusula e a ilicitude da recusa não foram afastadas, ainda que o dano moral não tenha sido reconhecido, o que, ao ver da relatora, é uma contradição.

Dessa forma, seguindo precedentes da Terceira Turma, a ministra Nancy ressaltou que a recusa indevida à cobertura pleiteada pelo segurado em si justifica a indenização por danos morais, já que agrava a situação de aflição psicológica e de angústia no espírito do segurado/paciente. O valor da reparação foi fixado em R$ 20 mil. A decisão foi unânime.

Matérias relacionadas

Apropriação indevida de R$ 84,25 gera demissão por justa causa

A apropriação, para uso particular, de dinheiro confiado pelo empregador para o pagamento de tributos, levou a empresa Disppan Distribuidora de...

Revista de empregado em frente a estranhos ocasiona dano moral

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho confirmou, em decisão unânime, a prerrogativa da Justiça do Trabalho para o julgamento de ação...

Denúncia contra juiz que suspendeu audiência para almoço é rejeitada

O Tribunal Superior do Trabalho rejeitou pedido da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará para apuração de denúncia de conduta...

Anulado veto discriminatório para pagamento de seguro

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma seguradora a pagar à filha da proprietária de uma casa de...

Intimação irregular sobre juntada de documentos gera anulação de Júri

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul anulou o julgamento do psicólogo Rogério Ivo Stoffel pelo Tribunal do Júri,...

Materiais fornecidos pelo prestador de serviço não estão sujeitos a ISS

Em obras hidráulicas e semelhantes, bem como na conservação e reparação de edifícios, estradas e pontes, em hipótese alguma o material...

Pedreiro com 23 Kg de maconha alega que droga era para consumo próprio

O juiz substituto Fabiano da Silva, lotado na 2ª Vara da Comarca de Caçador, em Santa Catarina, condenou o pedreiro Claudiomiro Fogaça Antunes a...

Reconhecer erro não elimina dano moral

O reconhecimento da irregularidade praticada e a reintegração do empregado – demitido injustamente – não afastam o dano moral causado por ato...

Violência doméstica contra a mulher pode ser combatida com mais rigor

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) analisa, entre outras propostas, o Projeto de Lei 4559/04, do Poder Executivo, que cria...

Armazenamento de combustível em prédio gera periculosidade

Os empregados que atuam em edifício onde a empresa armazena inflamável têm direito ao pagamento do adicional de periculosidade, previsto na...

Temas relacionados

Julgados

Dano Moral

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade