Falsa declaração de pobreza leva à perda de assistência gratuita

Julgados - Direito Processual Trabalhista - Domingo, 17 de julho de 2005

Um ex-representante comercial da Xerox do Brasil teve negado o pedido de assistência judiciária gratuita por falsa declaração de pobreza.

O Tribunal Regional do Trabalho de Goiás negou o pedido depois de a empresa apresentar provas de que ele atestou, falsamente, estar desempregado, sem renda mensal. A decisão foi mantida com o não-provimento do recurso (agravo de instrumento) pela Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho.

O ex-representante comercial entrou com ação na Justiça do Trabalho para pedir o reconhecimento de vínculo de emprego com a Xerox do Brasil. A primeira instância julgou improcedente o pedido, por considerar comprovada a existência de contrato de representação comercial entre as partes, e condenou o autor da ação ao pagamento de R$ 300,00 de custas judiciais.

Ele recorreu contra a sentença e, com a apresentação de declaração de pobreza, pediu ao TRT assistência judiciária gratuita. A Xerox trouxe ao processo prova de que, ao contrário do que havia declarado, o ex-representante comercial estava empregado.

O relator do agravo de instrumento, juiz convocado do TST Walmir Oliveira da Costa, rejeitou a alegação de que essa prova foi apresentada fora do prazo. O TRT, afirmou, aplicou a Lei nº 1.060/50 que autoriza a parte contrária a requerer, ´em qualquer fase` do processo, a revogação dos benefícios da justiça gratuita, ´desde que prove a inexistência ou o desaparecimento dos requisitos essenciais à sua concessão`.

Para o TRT, foi tardia a alegação do ex-representante comercial de que a renda mensal dele o impedia de demandar em juízo sem o benefício da gratuidade, em razão da comprovada conduta desleal.

A lei assegura assistência judiciária gratuita a quem recebe salário igual ou inferior ao dobro do salário mínimo e também ao trabalhador de maior salário, ´uma vez provado que sua situação econômica não lhe permite demandar, sem prejuízo do sustento ou da família`. No caso, entretanto, o TRT concluiu que ´esse dispositivo não serve de guarida à parte que não expõe com verdade os fatos em juízo`.

Com o pedido de assistência judiciária negado, o recurso contra sentença que rejeitou o vínculo de emprego com a Xerox não foi conhecido pelo Tribunal Regional porque a parte deixou de recolher as custas processuais.

Matérias relacionadas

Justiça do Trabalho julga regime jurídico municipal celetista

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho declarou a competência da Justiça do Trabalho para julgar demandas de empregados regidos por...

Projeto obriga empresas a contratarem pedagogo

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5530/05, que obriga empresas que possuam 50 ou mais funcionários a contratarem um pedagogo para a área de...

Multada parte que recorreu com intenção de protelar processo

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou incabível recurso (embargos de declaração) em que a parte deixou de fazer o recolhimento de...

Juiz não pode aumentar valor da causa de ofício

A Subseção de Dissídios Individuais 2 (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu o valor da causa de um grupo de servidores da...

Proprietário consegue liminar para impedir posse do Incra sobre sua terra

O produtor rural Francisco Alves Linhares Netto obteve liminar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para impedir a posse do Instituto Nacional de...

Pode-se evitar inclusão em cadastro de devedor sem pagamento da caução

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, concedeu liminar em favor da empresa Amapá do Sul Indústria da...

Presos têm negado pedido de julgamento na comarca onde foram abordados

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal indeferiu o pedido feito por Ana Cárita Leme em favor de Orlando Nunes de...

Negada liminar antes do julgamento de habeas-corpus em instância inferior

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, negou duas liminares pedidas em ações de habeas-corpus a duas pessoas...

Posto de combustíveis pode ser despejado por não pagar aluguel

Está mantida a decisão que indeferiu pedido para declarar a nulidade de notificação de despejo da Stop Point Combustíveis Ltda., de...

Satirizada em caricatura, vendedora ganha indenização de R$ 11 mil

Para os juízes da 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), a humilhação do empregado é meio ilícito de incentivo às...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Trabalhista

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade