Descumprir ordem por falta de recursos não caracteriza depositário infiel

Julgados - Direito Processual Civil - Segunda-feira, 1 de agosto de 2005

A caracterização do depositário infiel exige prova inequívoca de alienação dos bens constritos, o que não se equipara ao descumprimento da ordem de remoção dos bens por falta de recursos financeiros. Com esse entendimento, a Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) desconstituiu o mandato de prisão contra sócio de empresa sul-mato-grossense.

Em uma ação de execução movida contra a empresa de comercialização de cereais para a quitação de uma dívida de R$ 3.168,45, foram penhorados uma máquina de ensacamento de cereais, um arquivo de aço e uma escrivaninha. O acusado, na qualidade de sócio, assumiu a obrigação de depositário judicial.

Quando requerida pela Fazenda exeqüente a remoção dos bens penhorados para o depósito judicial para posterior adjudicação, foi expedido mandado para que o depositário fizesse a remoção dos bens. Mas a ordem foi descumprida, sendo decretada a prisão civil do depositário.

O empresário apresentou habeas-corpus no tribunal local, oportunidade em que se propôs a pagar parceladamente o débito, mas o pedido foi indeferido. Segundo o TJ, ´não se configura constrangimento ilegal o ato do juízo cível que determina a prisão do paciente em face de ser ele o depositário dos bens por cuja guarda se responsabilizara, e mediante afirmação de que iria depositar os bens em juízo, deixa de cumprir ordem judicial que lhe exige a apresentação destes ou a satisfação de valor equivalente`.

A decisão levou o recurso ao STJ, no qual o empresário argumenta que a decisão do TJ violou os princípios do contraditório e da ampla defesa. Assevera não ter imposto qualquer obstáculo ou resistência para inibir a tomada dos bens penhorados, e que somente não providenciou a remoção ordenada por não dispor de condições mecânicas e financeiras para fazê-lo. Assinala que, por perceber renda familiar de R$ 450,00 por mês, só poderia efetuar o pagamento do débito de forma parcelada. Diz, ainda, que os bens penhorados permaneceram na sede da empresa, local em que estavam quando da efetivação da constrição.

Ao apreciar o pedido, o relator do recurso no STJ, ministro Luiz Fux, destacou que a caracterização do depositário infiel exige prova inequívoca de alienação dos bens constritos, o que não se equipara ao descumprimento da ordem de remoção dos bens por falta de recursos financeiros. Além do mais, ressaltou o ministro, a impossibilidade de remoção do bem constrito descaracteriza a infidelidade, requisito essencial à prisão do depositário judicial.

No caso – afirma o ministro – ´o depositário dos bens constritos, com o objetivo de adimplir débito de R$ 3.168,45, percebe mensalmente a importância de R$ 450,00, o que revela fato notório da impossibilidade da remoção dos bens ao depósito judicial`. E conclui: ´constando que o depositário pretendia pagar parceladamente a dívida, revela-se ausente o dolo que caracteriza o atentado à seriedade da jurisdição`.

Matérias relacionadas

Acordo de separação que tem mácula é válido mesmo sem homologação

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu validar um acordo entre ex-cônjuges em processo de separação. A transação ainda...

Mantido contrato de fornecimento de merenda escolar para município paulista

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que garantiu o contrato de fornecimento de alimentação escolar entre o...

Liminar impede vigência de lei sobre estacionamentos de shopping no Rio

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento ao agravo regimental interposto pelo Estado do Rio de Janeiro para suspender...

Na Justiça, trabalhador pode receber até 30 anos de FGTS

De acordo com os juízes da 9ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o trabalhador que tem a relação de emprego...

Piano não é bem de família e pode ser penhorado

Para os juízes da 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), piano meia-cauda não é bem indispensável à família e,...

Mantida decisão que permite corte de energia de município fluminense

Confirmado pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ): o município de Rio Claro, no Estado do Rio de Janeiro, terá que pagar à...

Recusa em fazer o exame de DNA não constitui prova da paternidade

A simples recusa do investigado em submeter-se ao exame de DNA não exonera a investigante do ônus de provar os fatos constitutivos de seu direito....

Imóvel comprado antes e registrado depois do casamento não se comunica

O imóvel adquirido antes do casamento por um dos cônjuges, mas registrado no cartório de imóveis somente durante o matrimônio não se comunica...

Chega ao STJ recurso sobre a responsabilidade civil por abandono paterno

Pela primeira vez, serão debatidas no Superior Tribunal de Justiça (STJ) questões como se o papel dos pais se limita ao dever de sustento, se...

Empresários do setor de soja defendem o cumprimento de contratos

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, recebeu em audiência nesta terça-feira, 2, empresários do setor de...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade