Prazos recursais não podem ser dilatados por mútuo consenso das partes

Julgados - Direito Processual Civil - Quinta-feira, 4 de agosto de 2005

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que não conheceu de apelação interposta pela empresa Ancor Revestimentos Anticorrosivos Ltda. devido à intempestividade. Para o relator, ministro Aldir Passarinho Junior, os prazos recursais não podem ser dilatados por mútuo consenso das partes, visto que a norma processual a respeito da sua extensão é extinta.

A empresa recorreu ao STJ alegando que existem quatro ações entre ela e a Empresa Brasileira de Reparos Navais S/A – Renave (ordinária, de anulação de contrato, execução, revocatória e protesto judicial), em que se acham, conforme cada uma delas, ora no pólo ativo ora no passivo. E que esses feitos foram apensados e correram conjuntamente; que as sentenças proferidas foram publicadas em épocas diferentes, sendo que a ordinária ocorreu em 14/7/1993, a da revocatória em 16/7/1993 e a do protesto em 21/7/1993.

Sustentaram que os advogados compareceram ao cartório para retirar os autos para recorrer, mas tal não era possível porque as publicações das sentenças do protesto e da execução estavam pendentes. As partes, então, para não se prejudicarem mutuamente, estabeleceram acordo em petição conjunta para que fossem concedidos prazos sucessivos, a começar pela empresa.

O requerimento foi atendido pelo juízo singular. O deferimento ocorreu em 26/7/1993, e o recurso foi apresentado em 3/8/1993. A Ancor salientou, assim, que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro desconsiderou essas circunstâncias, contrariando os artigos 181, 182 e 506 do Código de Processo Civil.

O ministro Aldir Passarinho Junior ressaltou que, no caso, o pedido de prorrogação e sucessividade do prazo foi feito, segundo o diz a própria Ancor, no dia da publicação da última sentença (a da ação de protesto), em 21/7/1993, portanto depois de iniciado o prazo de apelação alusiva à decisão proferida na ação anulatória de contrato, que ocorrera em 14/7/1993.

´Portanto, o prazo já estava em curso há uma semana e, pior, a decisão do juízo singular, que deferiu o requerimento das partes, deu-se em 26/7/1993, quando já transcorrido quase por inteiro, o lapso recursal, sem que fosse propriamente alegado ou identificado obstáculo judicial à sua fluição, apenas transação de conveniência entre os ilustres advogados das partes, para que se tornasse prazo sucessivo`, afirmou o ministro.

Matérias relacionadas

Sindicato e Advogados devem indenização por dano moral a ex-funcionário

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) manteve a decisão do Juízo de São Leopoldo que concedeu indenização...

Multas pendentes em discussão impedem licenciamento de veículo

O licenciamento de veículo está condicionado ao prévio pagamento de multas de trânsito pendentes, conforme prevê o Código de Trânsito...

Ponto Frio é condenada por negativar indevidamente nome no SPC

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio, por unanimidade, rejeitou recurso interposto pela Ponto Frio e manteve a condenação do...

Anistiado político ainda pode reclamar emprego e promoções

O trabalhador que foi demitido em razão de perseguição política durante o regime de exceção, ainda pode entrar com processo trabalhista pedindo...

Concedida tutela antecipada ´ex officio` em verbas rescisórias

O juiz Roberto Vieira de Almeida Rezende, titular da 5ª Vara do Trabalho de Santos (SP), determinou que a MB Express Serviços e Transportes Ltda...

Receita desmonta quadrilha que fraudava o Imposto de Renda

A Polícia Federal e a Receita Federal desmontaram ontem um esquema de fraudes no pagamento de restituições do Imposto de Renda da Pessoa Física...

Julgada inconstitucional Medida Provisória que trata de prazo processual

A sessão do Pleno do Tribunal Superior do Trabalho declarou a inconstitucionalidade do artigo quarto da Medida Provisória 2.180-35/2001 que ampliou...

Reserva de vaga a deficiente físico não garante prioridade em nomeação

A reserva de vaga para deficientes físicos em concursos públicos não pressupõe prioridade de chamada. Foi com esse entendimento que a 4ª Câmara...

Policiais Civis de Joinville condenados a mais de 20 anos de prisão

O juiz João Marcos Buch, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Joinville, prolatou sentença condenatória contra os policiais civis Júlio...

Dissabores normais do cotidiano não são indenizáveis

A 4ª Turma de Recursos de Criciúma, em Santa Catarina, confirmou decisão do juiz Luiz Fernando Boller, titular do Juizado Especial Cível da...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade