Prestadoras de serviço devem contribuir para Sesc e Senac

Julgados - Direito Comercial - Sábado, 13 de agosto de 2005

As empresas de prestação de serviços estão incluídas entre aquelas que devem recolher, obrigatoriamente, contribuição para o Serviço Social do Comércio (Sesc) e Serviço Nacional de Aprendizagem (Senac), uma vez que estão enquadradas no plano sindical da Confederação Nacional do Comércio.

Essa decisão, da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), foi mantida pelo presidente do tribunal, ministro Edson Vidigal, ao negar pedido do Hospital Santa Genoveva para levar a questão à apreciação do Supremo Tribunal Federal (STF).

O ministro Edson Vidigal não admitiu o recurso extraordinário do Hospital Santa Genoveva Ltda. contra o Instituto Nacional de Seguro Social –INSS. A alegação do hospital é que a decisão ofende a Constituição Federal, pois viola os princípios da igualdade e da isonomia tributária, sustentando que, em uma mesma situação, haverá contribuintes beneficiados por não serem exigidas deles as contribuições destinadas ao Sesc e ao Senac e outros não favorecidos, muito embora se encontrem na mesma condição. Isso ocorre, segundo o hospital, em virtude dos diferentes entendimentos das Turmas do STJ sobre o tema.

O presidente do STJ considera, contudo, que a intenção do recurso esbarra no entendimento previsto pelas Súmulas nº 282 do STF, segundo a qual é ´inadmissível o recurso extraordinário, quando não ventilada, na decisão recorrida, a questão federal suscitada`; e pela Súmula nº 356 também do STF: ´O ponto omisso da decisão, sobre o qual não foram opostos embargos declaratórios, não pode ser objeto de recurso extraordinário, por faltar o requisito do pré-questionamento`.

Conforme a decisão do ministro Vidigal, a orientação do STF é ´no sentido de não admitir, em recurso extraordinário, alegação de violação indireta da Constituição Federal, por má interpretação ou aplicação e mesmo inobservância de normas infraconstitucionais`. Portanto a pretensão reflete mero inconformismo com o entendimento adotado pelo STJ, motivo insuficiente para autorizar o recurso.

Matérias relacionadas

Serviço de habilitação de celular é isento de ICMS

A Telma Celular ganhou a disputa com o Estado do Maranhão, que questionava a legalidade da cobrança de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e...

Limitação de compras de produto em promoção não caracteriza dano moral

O fato de o supermercado limitar a aquisição por consumidor a determinada quantidade de produtos em promoção não configura dano moral. O...

Negada liminar a Edson Cholbi do Nascimento, ex-goleiro do Santos

O ministro Hamilton Carvalhido, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu o pedido de liminar para o ex-goleiro do Santos...

Empregada acusada de furtar R$ 22 ganha indenização de R$ 16 mil

A 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região decidiu que o empregador que acusa o empregado de furto e não prova, exerce de forma...

Garantida incidência de horas extras no repouso remunerado

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, em julgamento unânime, assegurou a um ex-empregado da Construtora Queiroz Galvão S/A a...

Juros de mora incidem sobre massa falida

A legislação assegura a incidência dos juros moratórios até a data da decretação da falência da empresa. Sob esse entendimento do ministro...

Prescrição não atinge direito à anotação na carteira

O pedido de anotação do vínculo de emprego na Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS, reconhecido em decisão judicial, não está...

Execução da pena é condicionada ao trânsito em julgado da sentença

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu o pedido de habeas-corpus em favor de Reginaldo Alves de Queiroz para determinar a...

Alteração da base de incidência da Cofins e PIS deve ser julgada pelo STF

É matéria constitucional e de competência do Supremo Tribunal Federal (STF) a questão sobre a alteração da base de cálculo da Cofins e do PIS...

Se bem tiver valor ínfimo, não pode ser penhorado segundo aparelho de TV

Sendo o valor dos bens penhorados francamente irrisório em relação ao total da dívida, sem qualquer significação maior, objetiva, para a...

Temas relacionados

Julgados

Direito Comercial

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade