Locatário é responsável pela adequação do imóvel para fins comerciais

Julgados - Direito Civil - Quinta-feira, 25 de agosto de 2005

O locatário deve buscar a rescisão contratual diante da impossibilidade de explorar atividade comercial em virtude da não-adequação do imóvel aos sistemas de prevenção contra incêndio e saídas de emergência. Esse foi o entendimento da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) para negar provimento à apelação de locatário que buscava indenização por danos morais e materiais e para dar provimento ao recurso dos locadores.

Sentença de 1º Grau julgou parcialmente procedente o pedido do locatário, condenando os locadores ao pagamento de indenização, fixada em R$ 3 mil. Dessa decisão, o locatário interpôs recurso. Referiu que, quando da interdição, realizou todas as obras de adequação do prédio, liberando o seu uso. No entanto, assegurou que seu negócio, uma casa noturna, ficou 20 dias parado, o que lhe causou enorme prejuízo. A obrigação de adequar o imóvel é do proprietário, ressalta. Postulou dano moral, já que foi enganado pelos apelados, que agiram de má-fé, ao alugar prédio interditado.

Os proprietários também interpuseram recurso. Asseveraram que a sentença merece reforma no que diz respeito à condenação ao pagamento de indenização dos danos materiais imposta a eles. Para eles, não há prova de omissão e o locatário tinha ciência da interdição antes de firmar o contrato.

“É verdade que o locador deve entregar o imóvel em condições de servir ao uso a que se destina e garantir durante o tempo da locação o uso pacífico do imóvel. Todavia, também não é menos verdade que ao locatário-comerciante, cumpre cercar-se das cautelas necessárias antes de optar por determinado imóvel”, destacou o Desembargador Claudir Fidelis Faccenda, relator do recurso no Tribunal de Justiça. Salientou que dentre as obrigações do locador, segundo o artigo 22 da lei inquilinária, não está a obrigação de obter alvará junto aos órgãos públicos para regulamentar a atividade do locatário.

O magistrado manifestou que, se o imóvel não possuía condições de uso, deveria o locatário buscar a rescisão imediata do contrato e fazer a devolução do imóvel. “Assim, não vejo, no caso em exame, como condenar os locadores ao pagamento de prejuízos que não deram causa, principalmente porque a instalação de equipamentos de segurança era uma responsabilidade imediata de quem estava explorando comercialmente o local.”

Acompanharam o voto do relator os Desembargadores Paulo Augusto Monte Lopes e Helena Ruppenthal Cunha. O acórdão consta da edição de nº 244 da Revista de Jurisprudência do Tribunal de Justiça de julho/2005. Para acessar a íntegra da decisão, clique aqui.

Matérias relacionadas

Partilha de bens não inclui créditos trabalhistas

Eventuais créditos advindos de indenização trabalhista, ainda que tenham sido originados durante o casamento, não devem ser incluídos na...

Inconstitucional lei que dispensava autorização para corte de árvores públicas

A Lei que suprimiu o dispositivo legal que proibia cortes e podas de árvores públicas, sem autorização do Município, é inconstitucional. Esta...

Servidores públicos estão sujeitos a punições de sindicâncias

Sindicância é considerada instrumento legal para basear aplicação de sanções disciplinares a servidores públicos municipais de Porto Alegre....

Seguradora deve pagar por invalidez decorrente de acidente com moto-serra

Não havendo prova da alegada premeditação, a seguradora tem o dever de indenizar o sinistro. Com esse entendimento, a 6ª Câmara Cível do...

Bem é penhorável, mesmo após separação

O bem adquirido por um dos ex-cônjuges, mesmo depois da separação, pode ser penhorado para cobrança de dívida contraída durante o...

Familiares de presidiário morto na cela vão receber pensão do Estado

O Estado do Rio Grande do Sul deverá pagar pensão e indenização por dano moral à viúva e filhos de preso morto em 24/2/01, aos 24 anos de...

INSS pode ser representado por advogado credenciado

A representação do INSS em ações judiciais deve ser exercida por procuradores de seu quadro de pessoal e, na falta destes, por advogados...

Negado adicional de insalubridade a telefonista

A Telemar Norte Leste S/A foi dispensada de pagar adicional de insalubridade a uma telefonista que, na primeira e segunda instâncias da Justiça do...

Acolhido recurso de madeireira que adota intervalo de 4 horas

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho acolheu recurso de uma empresa madeireira do Amazonas e declarou a validade do intervalo de quatro...

Mãe e filhos acusados de apedrejar e matar homem continuarão presos

Três pessoas acusadas de homicídio depois de terem esfaqueado e apedrejado um homem em Valparaíso de Goiás, entorno de Brasília, continuarão...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade