Netos podem reivindicar serem reconhecidos como herdeiros pelo avô

Julgados - Direito de Família - Quarta-feira, 31 de agosto de 2005

Netos têm legitimidade para entrar na Justiça com ação objetivando o reconhecimento da relação parental com o avô. A conclusão, por maioria, é da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que julgou improcedente ação rescisória proposta por R.A.T., do Rio Grande do Sul. "Se o direito é personalíssimo do filho investigar o pai, também o é em relação ao avô", considerou o ministro Aldir Passarinho Junior, relator do caso. "A relação parental não se extingue com uma geração, na linha ascendente ou descendente. É contínua", acrescentou.

Após o falecimento do avô, F.M.T., em 24 de maio de 1980, os herdeiros netos, representados pelo pai, J.B.T., filho de F.M.T., promoveram a abertura do processo de inventário e partilha de bens. Segundo a defesa, foram surpreendidos com a intervenção de A. M. L e dois irmãos deste, pedindo habilitação sob alegação de serem também herdeiros netos do mesmo F.M.T., pois descendiam de A.L.B., filho natural do avô de uma relação de concubinato.

Depois de percorridas todas as instâncias do Judiciário, a Terceira Turma do STJ, julgando um recurso especial, reconheceu o direito dos netos à ação. "Conquanto sabido ser a investigação de paternidade do artigo 363 do Código Civil ação personalíssima, admissível a ação declaratória para que diga o Judiciário existir ou não a relação material de parentesco com o suposto avô que, como testemunha, firmou na certidão de nascimento dos autores a declaração que fizera seu pai ser este, em verdade seu avô, caminho que lhes apontara o Supremo Tribunal Federal quando, excluídos do inventário, julgou o recurso que interpuseram", afirmou o ministro Waldemar Zveiter, hoje aposentado, na ocasião.

Na ação rescisória, os filhos de J.B.T. alegaram que o artigo 363 do Código Civil anterior limita a investigação de paternidade à iniciativa exclusiva do filho, por ser direito personalíssimo, e não de seus descendentes, pelo que não poderiam os autores postular tal reconhecimento em relação ao suposto avô, Flaubiano. Invocaram, também, o Estatuto da Criança e do Adolescente, alegando que o ECA consagra tal direito personalíssimo, e a Lei n. 7.841, de 17.10.1989, que, embora haja revogado o artigo 358 do Código Civil, deixou de pé, por outro lado, a regra do artigo 363.

A ação rescisória foi julgada improcedente pela Segunda Seção. "Tenho que a decisão não afrontou a aludida norma legal, muito menos literalmente", afirmou o ministro Aldir Passarinho Junior. "É que não compreendo na menção a pais a limitação enxergada pelos autores (...). A substituição é possível na linha ascendente, pois geraram os pais, os avós, daí ser absolutamente legítimo que um neto busque a sua identidade verdadeira, a sua família, e, evidentemente, daí decorrendo seus direitos e obrigações", acrescentou o ministro Aldir Passarinho Junior.

Matérias relacionadas

Homem condenado por homicídio e destruição de cadáver

O Tribunal do Júri de Porto Alegre condenou Marco Antônio Borges Lewis, 33 anos, a 12 anos e um mês de reclusão por homicídio qualificado /...

Comerciante ressarcido por acidente de trânsito

A 4ª Turma de Recursos de Criciúma, em Santa Catarina, confirmou na íntegra decisão do juiz Luiz Fernando Boller, titular do Juizado Especial...

Negada indenização para menor morto na Farra do Boi

A 2ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, por maioria de votos, reformou sentença da Comarca da Capital e julgou...

Condenado homem que aplicou o golpe do ´Baú da Felicidade`

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em apelação relatada pelo Desembargador Solon d’Eça Neves, confirmou...

Falso advogado recebe voz de prisão em gabinete de juíza

Roberto Alexandre da Cunha, natural de Imaruí, que atuava de forma ilegal como advogado, principalmente em feitos de natureza bancária, nas...

Fundamentos jus-filosóficos para decisão inédita em Itajaí

O juiz Rodolfo Cezar Ribeiro da Silva, titular da Vara da Fazenda Pública da Comarca de Itajaí, Santa Catarina, julgou procedente embargos...

Juiz proíbe acesso de crianças ao filme ´Madagascar` em Joinville

O juiz Alexandre Morais da Rosa, titular da Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Joinville, Santa Catarina, determinou aos cinemas daquela...

Direito de regresso também carece de elenco probatório robusto

A 4ª Turma de Recursos de Criciúma confirmou na íntegra decisão do juiz Luiz Fernando Boller, titular do Juizado Especial Cível da Comarca de...

Auto de infração independe da presença do agente no tempo da ocorrência

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, decidiu que não é necessária a presença do agente para lavratura do auto de...

Omissão na apresentação de prova resulta em pena de confissão

A Subseção de Dissídios Individuais 1 (SDI-1) manteve decisão em que foi aplicada pena de confissão ficta (presumida) a uma empresa que...

Temas relacionados

Julgados

Direito de Família

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade