É legal a exigência de peso mínimo prevista em edital para concurso da PM

Julgados - Direito Administrativo - Terça-feira, 13 de setembro de 2005

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a legalidade da exigência de peso mínimo para aprovação em concurso de soldado da Polícia Militar do Mato Grosso do Sul. Ao julgar um recurso em mandado de segurança do candidato Santo Bispo de Oliveira Júnior, a Sexta Turma decidiu que não há discriminação no critério porque este guarda pertinência lógica com as atribuições do cargo.

Oliveira Júnior teve êxito nas primeira e segunda fases do concurso (prova escrita e exame de aptidão mental) no ano de 1998, mas, no exame de aptidão física, foi considerado "inapto", não contemplando o requisito do peso mínimo de 60 quilos. Consta dos autos que, por força de liminar, Oliveira Júnior trabalha na 5ª Companhia Independente de Polícia Militar – Rádio Patrulha e que está atualmente com peso de 70 quilos.

O candidato pretendia modificar a decisão do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJ/MS) que não atendeu a pedido para que fosse anulado ato do Secretário de Estado de Administração e do Comandante-geral da PM daquele estado que o excluiu da disputa. O acórdão entendeu que não era inconstitucional a exigência de peso mínimo para admissão no curso de formação de soldado da PM, "se consta do edital do concurso que os candidatos devem satisfazer as condições de ingresso constantes do decreto estadual nº 8.687/96".

No STJ, o candidato argumentou que o decreto, ao estabelecer como requisito para ingresso no Curso de Formação de Soldado da PM que o candidato tivesse peso acima de 60 quilos, fere o princípio da isonomia. Para ele, somente uma lei poderia fixar exigências para o preenchimento de cargos públicos.

O relator do recurso, ministro Paulo Medina, negou a pretensão do candidato porque a exigência do peso mínimo guarda relação de "pertinência lógica" com o cargo a ser ocupado. Por isso, pode o edital do concurso público prever peso mínimo dos concorrentes em razão das atribuições a serem exercidas na PM sul-matogrossense.

O entendimento foi seguido por unanimidade pelos demais ministros da Sexta Turma. O relator destacou ainda que o edital é o ato pelo qual a Administração torna pública sua intenção de licitar um objeto determinado, no caso, uma vaga a soldado da PM. Assim, a Administração não pode criar novas regras no curso do certame, seguindo o "princípio da vinculação ao instrumento convocatório".

Para os ministros da Sexta Turma, as exigências do edital não ferem o princípio da isonomia porque o concurso público "deve possibilitar a participação de todos aqueles que se enquadram nas disposições e condições estabelecidas no ato convocatório". Além disso, explicou o ministro Medina, a igualdade que se exige não deve ser aplicada do ponto de vista formal, porque os indivíduos se distinguem e muitas vezes é necessário reconhecer essas diferenças e conferir, até certo ponto, um tratamento diferenciado aos indivíduos. "Se é a lei que iguala os indivíduos, somente ela é capaz de diferenciá-los, segundo os objetivos que persegue", concluiu o ministro.

Matérias relacionadas

Aposentadoria pode ser renunciada para receber outra mais vantajosa

A aposentadoria é um direito patrimonial disponível, portanto pode o trabalhador renunciar a um benefício menor em função de outro mais...

Negado pedido para paralisar serviço de transporte rodoviário coletivo

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, negou seguimento ao pedido de suspensão de liminar e de sentença...

Corte de energia considera legal em Minas Gerais

É legal o corte no fornecimento de energia elétrica se o consumidor continuar inadimplente, mesmo após acordos firmados com a empresa fornecedora...

Claro deverá indenizar cliente por dano moral

Por adquirir telefone celular da Claro (Telet S/A), em dezembro de 2003, durante a promoção “Fale de Graça”, em que poderia por um ano falar...

Cumprida reintegração de posse da Fazenda Palermo

Por ordem do Juízo da 1ª Vara Cível do Foro de São Borja, o Oficial de Justiça da Comarca, acompanhado da força pública, cumpriu a ordem de...

Processo criminal contra padre pode ser suspenso

O processo criminal envolvendo padre na cidade de Feliz pode ser suspenso por dois anos. A Juíza Marisa Gatelli designou audiência para...

Estagiária que teve dedo amputado em Museu não obtém reparação

Substituindo colega no equipamento denominado “giroscópio humano”, estagiária do Museu da PUCRS sofreu acidente que lhe amputou parte de um dos...

Negada indenização a jovem que mostrou nádegas em público

A veiculação de imagem por empresa jornalística obtida em ambiente público, retratando ato voluntário e na presença de centenas de pessoas,...

Indenizado proprietário que pagou, mas continuou devedor

O Tribunal de Justiça do Rio condenou a empresa Sernambetiba Trust SPE S/A a pagar R$ 146.886,06, cobrados indevidamente de André Gustavo Pereira...

Transexual consegue mudança de nome e sexo em registro de nascimento

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiu, por unanimidade, determinar a retificação do registro de nascimento do...

Temas relacionados

Julgados

Direito Administrativo

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade