Lei estadual que regulamenta meia-entrada não viola Constituição Federal

Julgados - Direito Constitucional - Sábado, 17 de setembro de 2005

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve multa imposta ao Canecão por descumprimento das leis estaduais do Rio de Janeiro que determinam a concessão de meia-entrada a estudantes em eventos culturais. A decisão foi unânime.

O pedido deu-se em recurso em mandado de segurança apresentado por Canecão Promoções e Espetáculos Teatrais no qual se afirmava serem as leis locais inconstitucionais, por ferirem o princípio da livre iniciativa e do exercício da atividade econômica. Sendo a competência estadual para legislar sobre a economia concorrente e suplementar e não tendo a União tratado do assunto, afirmava o Canecão que o estado não poderia fazê-lo. Além disso, faltaria regulamentação às leis fluminenses, que não definiriam quais eventos e estabelecimentos estariam sujeitos ao cumprimento da meia-entrada.

Haveria também ofensa à coisa julgada, já que a Lei estadual n. 2.519/96 teria sido considerada ineficaz pelo Tribunal de Justiça local e faltaria a contraprestação do Estado ao interferir na atividade do particular sem oferecer algo em troca.

O mandado de segurança inicial foi negado pela Justiça fluminense, que considerou ser estadual a competência para legislar sobre o tema concorrente, inexigível a regulamentação, além de dever ser ponderado, no caso, o princípio da livre iniciativa ante o do acesso à cultura.

O ministro João Otávio de Noronha analisou inicialmente o cabimento da análise sobre a constitucionalidade de lei em mandado de segurança. Afirmou o relator que, após alguma divergência, estabeleceu-se no STJ o entendimento de que tal pronunciamento é possível, já que o magistrado, necessariamente, examina o embasamento jurídico do ato praticado pela Administração a fim de, após, julgar a ocorrência ou não de violação do direito líquido e certo do particular. Assim, não existe impedimento para a declaração incidental de inconstitucionalidade, ainda que em mandado de segurança.

Quanto ao mérito, o ministro, além de lembrar que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) ações diretas de inconstitucionalidade contra leis estaduais paulista e fluminense que tratam de meia-entrada, nas quais foi indeferido o pedido liminar, afirmou entender que a lei dispõe sobre atividades culturais, que podem ser reguladas pelos estados concorrentemente à União. O próprio estatuto social do Canecão afirma ser sua finalidade a promoção de espetáculos teatrais musicados e a exploração da atividade de bar, restaurante e diversões.

"Nesse diapasão, nos termos do § 3º do art. 24 do texto constitucional, não havendo norma federal que regule a questão do pagamento de meia-entrada por estudante, o Estado é totalmente competente para fazê-lo, como assim procedeu o Estado do Rio de Janeiro ao editar a Lei n. 2.519/96, posteriormente alterada pela Lei n. 4.161/03", entendeu o ministro João Otávio de Noronha.

Apesar de atingir o princípio da livre iniciativa de exercício de atividade econômica, acrescentou o relator, as leis não chegam a violá-lo. Para o ministro, as limitações impostas pelas leis são razoáveis, em especial diante de seu objetivo: o incentivo às atividades culturais e a promoção do bem-estar social.

"Importante lembrar que é função do Estado, com a colaboração da sociedade, ainda que daí não advenha uma contraprestação direta ao estabelecimento particular, garantir aos cidadãos o pleno exercício dos direitos culturais e facilitar o acesso às fontes de cultura nacional, nos termos do art. 216, §3º, da Constituição Federal", acrescentou o relator. O ministro ressaltou que, apesar de a intervenção estatal na atuação econômica não poder ocorrer de forma ampla e descontrolada, no caso há a proporcionalidade exigida.

Quanto à alegada falta de regulamentação para autorizar a aplicação da lei, o ministro afirmou que a exigência, prevista em uma primeira lei, foi revogada posteriormente por outra. Esse fato também afastaria a existência de violação da coisa julgada, já que o caso anterior foi decidido com a legislação anteriormente em vigor. No caso, não se discutiu, como agora, a constitucionalidade da lei que impõe a meia-entrada para estudantes.

Matérias relacionadas

TST reconhece uso de analogia e confirma hora extra a bancário

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 do Tribunal Superior do Trabalho confirmou o direito de um bancário ao recebimento de horas extras...

Juízo arbitral previsto na Lei de Portos não é condição para ação

O juízo arbitral previsto no artigo 23 da Lei nº 8.630, de 1993 (Lei dos Portos) não é pressuposto para a propositura de reclamação...

Acordo obtido por mediação não impede ajuizamento de ação

A assinatura de acordo tendo como objeto apenas a rescisão do contrato de trabalho, sem que tenha sido adotada a dinâmica do procedimento arbitral,...

Não cabem honorários advocatícios na denunciação da lide não contestada

Uma empresa de seguros obteve no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o reconhecimento de que não deve honorários advocatícios em uma ação de...

Cancelamento de protesto em cartório deve ser feito pelo devedor

Em casos de protesto, se a relação jurídica entre as partes não for de consumo, o cancelamento do registro no cartório competente deve ser feita...

STJ aumenta indenização a estudante vitimada por tiro em agência do BB

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, aumentou a reparação moral a ser paga pelo Banco do Brasil S/A à...

Cabe ação contra sentença deferitória de re-ratificação de registro imobiliário

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que julgou procedente ação rescisória para re-ratificação de registro...

Mantida no TST multa por descumprimento de efetivo mínimo em greve

A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho manteve a multa imposta ao Sindicato dos Trabalhadores na...

Invalidada escritura que quita contrato de trabalho de 29 anos

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou inválida escritura pública lavrada em cartório de registro civil, na qual se quitam todos...

Sem justificativa, advogado não pode ser impedido de retirar processo

Para a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o advogado não pode ser...

Temas relacionados

Julgados

Direito Constitucional

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade