Qualificar empregado como sócio é fraude e crime

Julgados - Direito do Trabalho - Segunda-feira, 19 de setembro de 2005

A empresa que qualifica indevidamente seu empregado como sócio com intuito de burlar a legislação trabalhista, pratica fraude que pode ser enquadrada como crime. Este é o entendimento da 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), firmado no julgamento do Recurso Ordinário de uma ex-empregada da rede de salões de beleza Grupo Soho.

A trabalhadora, admitida como assistente de cabeleireiro, abriu processo na 23ª Vara do Trabalho de São Paulo, pedindo o reconhecimento do vínculo empregatício com o Grupo Soho e o pagamento dos direitos trabalhistas, além de indenização por danos morais.

Segundo a reclamante, os cabeleireiros, assistentes e manicuras da rede seriam obrigados a assinar uma "solicitação" para figurar como "sócio de indústria". A reclamante sustentou que a sociedade seria um farsa, pois, na verdade, ela seria empregada assalariada, recebendo pessoalmente ordens, tarefas e teria todas as suas atividades controladas. De acordo com o processo, o Soho seria "a maior rede de salões de beleza e cabeleireiros de São Paulo".

A vara acolheu o pedido da trabalhadora, condenando o Soho a pagar todas as verbas trabalhistas decorrentes do vínculo empregatício, tais como descansos semanais remunerados, aviso prévio, FGTS acrescido de multa de 40%, seguro desemprego, 13º salário, entre outros. A sentença fixou, ainda, indenização de R$ 3.900,00 por danos morais. Insatisfeito com a decisão, o Grupo Soho recorreu ao TRT-SP.

De acordo com o juiz Rovirso Boldo, relator do Recurso Ordinário no tribunal, a conceituação da trabalhadora como "sócia de indústria" foi "a forma sub-reptícia encontrada pelas recorrentes para fraudar a legislação trabalhista".

Para ele, a autora foi lesada diretamente, uma vez que não recebeu os valores devidos por sua demissão. "Da mesma forma, a sociedade foi obliquamente prejudicada, pois a injurídica negativa da existência de uma relação de emprego afastou do Estado a percepção dos tributos correlatos", observou.

No entender do juiz Rovirso, "é muito fácil amealhar riquezas quando se vilipendia a mão-de-obra alheia. A remuneração indigna pelo trabalho prestado; o desrespeito aos direitos mínimos do empregado; e a sonegação dos tributos derivados da contratualidade, geram numerário excedente que enche a burra do mau empregador".

Em seu voto, o relator determinou a expedição de ofícios ao Ministério Público Estadual, "com vistas à apuração do crime de Frustração de Direito Assegurado por Lei Trabalhista (CP, art. 203)", por parte dos sócios, e ao Ministério Público do Trabalho, "para a apuração das irregularidades identificadas no voto".

O juiz Rovirso acrescentou que "o minguado salário da reclamante, ou ‘pró-labore’ nas palavras das rés, desacompanhado do pagamento das horas extras, dos recolhimentos do FGTS e do 13º salário dentre outros, atinge a dignidade da pessoa humana e afronta os valores sociais do trabalho", gerando dano moral na trabalhadora.

Por unanimidade, os juízes da 8ª Turma acompanharam o voto do relator, reconhecendo o vinculo empregatício e o dano moral sofrido pela ex-empregada do Grupo Soho.

Matérias relacionadas

Testemunho em outro processo serve como prova de mentira

Para a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o depoimento do trabalhador em...

Concedido habeas corpus a aposentado em Minas Gerais

A Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais concedeu o pedido de habeas corpus movido pelo aposentado José Hahilton Lages,...

Companhia Energética condenada a indenizar por morte de pedreiro

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerias condenou a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) ao pagamento de...

Administradora condenada a indenizar por bomba em Estádio

A Administradora de Estádios de Minas Gerais (ADEMG) deve responder por danos decorrentes em jogos realizados nos estádios de futebol em Minas...

Farmácia de manipulação condenada por venda de medicamento trocado

A 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, condenou uma farmácia de manipulação e uma farmacêutica de Belo Horizonte, a...

Empresa de telefonia proibida de cobrar pulsos excedentes de consumidora

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou liminar que impede uma empresa de telefonia fixa de cobrar pulsos excedentes...

Factorings não podem emprestar dinheiro a juros

A 3ª Câmara de Direito Comercial do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em decisão unânime, decretou de ofício a extinção de mais três...

Companhia aérea deve indenizar passageiro por extravio de bagagem

A South African Airways terá que pagar indenização de R$ 10.400,00, a título de dano moral, a Sunny Sele por ter extraviado a sua bagagem quando...

Nome no Serasa custa R$15 mil à administradora de cartões

A Fininvest S/A Administradora de Cartões terá que pagar uma indenização por danos morais de 50 salários mínimos (R$15 mil) a Henrique Domingos...

Número de cursos de direito aumenta 300% em dez anos

Na última década, o Brasil assistiu a uma verdadeira explosão no ensino de direito que atingiu todas as regiões do país. A expansão desenfreada...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade