Vítima de disparos de arma de fogo é indenizada pelo agressor

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Um vigilante que recebeu, por motivo fútil, três tiros em sua perna, vai receber indenização do agressor, por danos morais e estéticos, além de pensão mensal. A decisão é da 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

De acordo com o processo, no dia 13 de julho de 1997, por volta das 17 horas, o vigilante estava com familiares num bar situado na estrada que liga o bairro General Carneiro a Belo Horizonte, quando, sem intenção, pisou no pé de uma mulher desconhecida. Apesar de logo ter pedido desculpas, o homem que acompanhava a mulher deu-lhe um forte tapa no peito e disparou três tiros de revólver calibre 38 em sua perna direita.

Os ferimentos causaram a deformidade da perna do vigilante, a perda de seu emprego e incapacidade laboral permanente, motivo pelo qual se aposentou, apesar de ter apenas 31 anos.

Em sentença dada em maio deste ano, o juiz da 27ª Vara Cível de Belo Horizonte condenou o agressor a pagar ao vigilante o valor de R$40.000,00, sendo R$25.000,00 por danos morais e R$15.000,00 por danos estéticos, além de uma pensão mensal de 1 salário mínimo, a partir da data da agressão (13/7/1997) até quando a vítima completar 65 anos.

Inconformado, o agressor, que tem a profissão de motorista, recorreu ao Tribunal de Justiça, mas os desembargadores Alvimar de Ávila (relator), Saldanha da Fonseca e Domingos Coelho confirmaram a sentença.

Segundo o relator, estando provado por testemunhas que o motorista foi o autor dos disparos que atingiram o vigilante, não há qualquer dúvida quanto ao seu dever de indenizar.

Matérias relacionadas

Justiça nega indenização a empresário contra uma advogada

O juiz da 4ª Vara Cível de Belo Horizonte, Jaubert Carneiro Jaques, negou pedido de indenização por dano moral de um empresário contra uma...

Apart-hotel condenado a indenizar hóspede por furto em apartamento

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um apart-hotel, da cidade de Viçosa, Zona da Mata, a indenizar uma engenheira...

Advogado bancário não tem jornada de advogado, nem de bancário

Para os juízes da 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o advogado contratado para trabalhar 40 horas por semana para...

Falta de assinatura do advogado em agravo de instrumento é erro sanável

A falta de assinatura do advogado na petição de agravo de instrumento é irregularidade formal que pode ser sanada. A decisão é da Primeira Turma...

É legal a especialização de vara federal em crimes de lavagem de dinheiro

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que é legal a especialização de varas federais para processamento e julgamento de...

Não se pode condenar hospital por morte, sem prova da culpa dos médicos

Não é possível afastar, com base na prova dos autos, a culpa dos médicos pelo atendimento à criança, para responsabilizar tão-somente, com...

Falta de fundamentos no afastamento provoca retorno de prefeito ao cargo

Afastado do cargo de prefeito do município de São Francisco do Conde (BA) há pouco mais de um mês, Antônio Carlos Vasconcelos Calmon conseguiu...

Renúncia à cargo na CIPA leva à perda da estabilidade

A renúncia do empregado eleito a cargo de direção na Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA afasta seu direito à estabilidade...

TST esclarece quando intervalo superior ao legal gera hora extra

A Súmula 118 do Tribunal Superior do Trabalho é clara ao dispor que a concessão de intervalo intrajornada não previsto em lei ou em tempo...

Reconhecido adicional por entrada diária em subestação de força

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho assegurou o direito ao adicional de periculosidade a um ex-empregado da empresa Moinho Paulista...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade