Apart-hotel condenado a indenizar hóspede por furto em apartamento

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 26 de setembro de 2005

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um apart-hotel, da cidade de Viçosa, Zona da Mata, a indenizar uma engenheira agrônoma pelos danos morais (R$1.300,00) e materiais (R$ 3.059,00) sofridos, em decorrência de furto em seu apartamento.

O fato aconteceu em agosto de 2003. A engenheira saiu com uma amiga e, ao retornar para o apart-hotel, encontrou o seu quarto totalmente revirado. Havia restos de comida, roupas pelo chão, portas dos armários abertas e objetos como caixas e bolsas esparramadas.

A administração se recusou a indenizar a hóspede, alegando que o regime de apart-hotel não se configurava como um contrato de hospedagem, mas sim um contrato de locação por temporada.

Sem a possibilidade de acordo, a engenheira procurou o Judiciário para resolver o problema. Em primeira instância, o juiz da comarca de Viçosa reconheceu a responsabilidade objetiva do apart-hotel, ou seja, a empresa deveria assumir os riscos de sua atividade e, portanto, deveria indenizar a hóspede em todos os seus prejuízos.

A engenheira agrônoma e a rede de hotelaria recorreram da decisão. A engenheira pleiteou aumento do valor do dano moral determinado pelo juiz de primeira instância. Já, a rede de hotelaria sustentou a ausência de sua responsabilidade no incidente.

Para os desembargadores Selma Marques (relatora), Afrânio Vilela e Maurício Barros ficou evidente, através de documentos demonstrados nos autos, a intenção do apart-hotel de explorar as suas unidades habitacionais para fins de hospedagem. Tanto que o apart-hotel disponibilizava serviço de limpeza, realizado pelas camareiras de seu quadro de funcionários. Para a execução desse serviço era necessária a disponibilidade das chaves do apartamento, fato típico de um contrato de hospedagem/hotelaria.

“São facilidades como essa que levam à escolha de tal espécie de habitação para moradia, ao invés de um apartamento comum em um condomínio residencial, pagando o indivíduo por elas, entretanto, um preço maior do que pagaria neste último”, disse a relatora.

Matérias relacionadas

Advogado bancário não tem jornada de advogado, nem de bancário

Para os juízes da 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o advogado contratado para trabalhar 40 horas por semana para...

Falta de assinatura do advogado em agravo de instrumento é erro sanável

A falta de assinatura do advogado na petição de agravo de instrumento é irregularidade formal que pode ser sanada. A decisão é da Primeira Turma...

É legal a especialização de vara federal em crimes de lavagem de dinheiro

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que é legal a especialização de varas federais para processamento e julgamento de...

Não se pode condenar hospital por morte, sem prova da culpa dos médicos

Não é possível afastar, com base na prova dos autos, a culpa dos médicos pelo atendimento à criança, para responsabilizar tão-somente, com...

Falta de fundamentos no afastamento provoca retorno de prefeito ao cargo

Afastado do cargo de prefeito do município de São Francisco do Conde (BA) há pouco mais de um mês, Antônio Carlos Vasconcelos Calmon conseguiu...

Renúncia à cargo na CIPA leva à perda da estabilidade

A renúncia do empregado eleito a cargo de direção na Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA afasta seu direito à estabilidade...

TST esclarece quando intervalo superior ao legal gera hora extra

A Súmula 118 do Tribunal Superior do Trabalho é clara ao dispor que a concessão de intervalo intrajornada não previsto em lei ou em tempo...

Reconhecido adicional por entrada diária em subestação de força

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho assegurou o direito ao adicional de periculosidade a um ex-empregado da empresa Moinho Paulista...

INSS condenado a conceder auxílio-acidente

A 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou o Instituto Nacional de Segurança Social - INSS a conceder o...

Seguro vale desde a aceitação da proposta pelo segurado

O contrato de seguro passa a viger a partir da aceitação da proposta e não a partir do pagamento da primeira parcela pelo segurado. A decisão foi...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade