Prazo para reaver prejuízo causado a terceiro conta da data do pagamento

Julgados - Direito Civil - Sexta-feira, 30 de setembro de 2005

O prazo para o segurado causador de acidente apresentar pedido à seguradora para receber o pagamento dos danos por ele provocados a outra pessoa é de um ano. Esse prazo, no entanto, começa a ser contado da data em que o segurado efetivamente pagou os prejuízos, e não da data em que ocorreu o sinistro. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, em decisão unânime tomada com base em voto do ministro Castro Filho, garantiu à Transportadora Simas Ltda, de Salvador, o prosseguimento do processo em que cobra da Bradesco Seguros S/A o pagamento do seguro por dano a terceiro.

A transportadora baiana entrou na Justiça contra a seguradora, alegando que celebrou contrato de seguro com a Bradesco referente a um caminhão que adquiriu, cuja apólice garantia também o pagamento de seguro por danos causados a terceiros, assegurando, de modo expresso, o ressarcimento de todos os valores que fosse obrigada a pagar por danos materiais e pessoais causados por seu veículo a outras pessoas. Durante o período coberto pela apólice, o caminhão envolveu-se em acidente rodoviário na BR 342, tendo abalroado outro caminhão.

Comunicada, a seguradora garantiu que todas as providências seriam tomadas, mas, na verdade, apenas os danos sofridos pelo caminhão da própria transportadora foram ressarcidos, o que levou o terceiro prejudicado a propor ação de cobrança contra a empresa recorrente, buscando a indenização pelos prejuízos causados a seu caminhão. Tendo quitado a última parcela do acordo que celebrou com o proprietário do outro veículo, a Transportadora propôs a ação contra a seguradora, tendo a sentença acolhido o pedido.

O Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, no entanto, reformou a sentença, entendendo estar prescrita a pretensão da segurada, uma vez que a data inicial para entrar com o pedido, no seu entender, seria a data do acidente, 25 de junho de 1988, e não a data do acordo em juízo para pagamento final dos prejuízos causados ao outro caminhão, em 27 de novembro de 1997. Daí o recurso especial da Transportadora Simas Ltda para o STJ, em que alega ser o termo inicial da contagem do prazo para prescrição aquele em que houve fixação definitiva da responsabilidade do segurado perante terceiros e que o transcurso da ação de cobrança movida pelo proprietário do outro caminhão com certeza interrompeu a contagem do prazo.

Ao acolher o recurso, o relator do processo, ministro Castro Filho, argumentou que o prazo prescricional da pretensão de exigir a cobertura contratual em relação aos danos causados a terceiros não pode receber tratamento igual àquele referente aos prejuízos sofridos no próprio veículo segurado. Para o ministro, neste, o interesse de pedir a cobertura do seguro nasce com a simples existência de dano no objeto do contrato, mas, na cobertura contra danos causados a terceiros, o interesse de pedir o ressarcimento surge com a indenização que o segurado é obrigado a pagar ao terceiro prejudicado por força de decisão judicial ou de acordo com ele celebrado.

Dessa forma, argumentou o ministro Castro Filho, o prazo prescricional de um ano para que o segurado pleiteie o pagamento da cobertura contratual referente aos danos que causou a terceiros deve começar a fluir do momento em que efetue o pagamento dos prejuízos causados pelo seu veículo, pois a partir desse instante é que necessitou da cobertura contratada. Para o ministro relator, se é facultado ao terceiro atingido acionar diretamente a seguradora para ser ressarcido dos prejuízos sofridos, não é possível que se permita ser o segurado prejudicado pela inércia do terceiro ou pela opção deste de cobrar diretamente dele os danos que lhe foram causados, sem pleiteá-los à empresa de seguros.

Por tudo isso, acolheu o recurso da Transportadora Simas Ltda, para, afastando a alegada prescrição, determinar ao Tribunal de Justiça da Bahia que prossiga o julgamento do processo, como entender de direito. Acompanharam o entendimento do ministro Castro Filho, os ministros Ari Pargendler, Carlos Alberto Menezes Direito e a ministra Nancy Andrighi, presidente do colegiado. Não participou do julgamento o ministro Humberto Gomes de Barros.

Matérias relacionadas

Causa de servidor municipal celetista compete à Justiça do Trabalho

A adoção das regras da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, como regime jurídico aplicável aos servidores do município, implica na...

Controvérsia afasta multa por atraso das verbas rescisórias

A existência de controvérsia entre as partes afasta a possibilidade de incidência da multa prevista no art. 477, § 8º da CLT, cabível em caso...

Vendedora não perde comissão de mercadoria devolvida

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou ao empregador devolução das comissões de venda recebidas por uma vendedora que foram,...

Fabricante de extintor defeituoso deve ressarcir motorista por incêndio

Confirmada a responsabilização civil de Extintores Taquarense Ltda. por falha ocorrida em produto de sua fabricação durante incêndio em carro....

Juiz condena empresa aérea a indenizar passageiros por atrazo de vôo

O atraso de um vôo fez com que a chegada de diversos passageiros ao Brasil demorasse 24 horas a mais. Em função disso e considerando que a empresa...

Cooperativa médica é impedida de limitar exames

O médico deve ter autonomia para valer-se de todos os meios possíveis e disponíveis para alcançar um diagnóstico mais preciso e com menores...

Seguradora é condenada a ressarcir proprietário de carro furtado

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais determinou que uma companhia de seguro indenize o proprietário de um carro furtado, no...

Aumentada multa diária à Sindicato por greve em Colégio

O juiz auxiliar da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Rio de Janeiro, Sandro Pitthan Espíndola, aumentou o valor da multa aplicada ao...

Gravidez durante aviso prévio adia demissão

Demitida, a empregada que engravida durante o período de aviso prévio tem direito a estabilidade de cinco meses após o parto, ou à indenização...

Intempestivo recurso ao STJ por meio de protocolo integrado estadual

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, manteve decisão que deu provimento a agravo interno interposto pela...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade