Descartado trabalho doméstico em atividade agroeconômica

Julgados - Direito do Trabalho - Segunda-feira, 10 de outubro de 2005

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou pedido de um agropecuarista para que um ex-empregado de sua fazenda fosse considerado trabalhador doméstico para efeito de reconhecimento de direitos trabalhistas. O recurso do fazendeiro não foi conhecido, confirmando-se decisão de segunda instância que manteve sentença na qual foram assegurados ao autor da ação direitos devidos a trabalhador rural .

“O fator determinante para qualificar o empregado como rurícola, na legislação brasileira, é a exploração de atividade agroeconômica pelo empregador, em prédio rústico”, esclareceu o relator, ministro João Oreste Dalazen.

O ex-empregado consertava cercas, retirava estacas, semeava capim, exercia funções típicas de gerente como a contratação e pagamento de pessoal para ajudá-lo nas tarefas. De acordo com o agropecuarista, esse trabalhador só poderia ser enquadrado como doméstico, pois a propriedade onde trabalhou por mais de um ano não tinha como finalidade a exploração econômica.

O juízo de primeiro grau rejeitou entretanto, a pretensão do empregador de enquadrar o ex-empregado como trabalhador doméstico: “Ninguém pode acreditar que um proprietário rural cerque uma propriedade de 500 hectares, limpe e plante capim em parte dessa propriedade, nela trabalhando meses consecutivos, sem possuir empregado subordinado, um gerente ou um responsável, no local, tanto mais que confessadamente, lá esteve apenas quatro ou cinco vezes no período” do contrato de trabalho.

Não há como admitir que o fazendeiro, “residindo em Salvador, mantenha como hobby, no município de Itaguaçu, uma propriedade de 500 hectares, tanto mais quando, elogiavelmente, realiza obras destinadas a torná-la produtiva”, observou o juiz de primeiro grau na sentença.

Em voto que confirma a sentença e a decisão de segundo grau, o ministro Dalazen esclareceu que os artigos da Lei 5.889/73 que regulam o trabalho rural definem como empregado rural toda “pessoa física que presta serviços de natureza não-eventual a empregaqdor rural, sob a dependência deste e mediante salário”. O enquadramento é feito de acordo com a atividade agroeconômica do empregador, sem que haja previsão legal de exercício, pelo trabalhador, de típica atividade rural, observou.

Dalazen esclareceu que a condição de empregado doméstico não é incompatível com a prestação de serviço em área rural, desde que seja trabalho em residência ou em chácara estritamente de lazer ou de recreação. No caso, entretanto, advertiu que a Justiça do Trabalho “não pode fechar os olhos a comportamentos cujo propósito evidenciam, ainda que veladamente, a intenção não só de fraudar a lei como também de impedir a aplicação dos preceitos norteadores da relação de emprego”.

Matérias relacionadas

Coleta de lixo em shopping gera insalubridade

O empregado que executa serviço de limpeza em praça de alimentação de shopping-center, recolhendo sacos de lixo de lanchonetes, tem direito a...

Atleta é indenizada pelo uso indevido de sua imagem em revista

A Editora Globo foi condenada a pagar uma indenização por danos materiais de 50 salários mínimos (R$15 mil) a Aída dos Santos Menezes, pela...

Jornal carioca terá que indenizar ex-namorada de Guga

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou a Editora O Dia a pagar indenização de R$ 10.800, por danos materiais, à...

Telerj condenada por manter linha bloqueada após o pagamento do débito

A juíza da 25ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Simone Gastesi Chevrand, condenou a Telerj Celular a pagar R$ 9 mil a Antonieta do Nascimento Pinto....

Passageira que teve o braço preso em porta de trem será indenizada

O juiz da 2ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Sérgio Wajzenberg, condenou a SuperVia a pagar indenização de R$ 1.800,00, por danos morais e...

Hospital do Olho terá que indenizar costureira por perda da visão

A juíza da 35ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Myriam Medeiros da Fonseca Costa, condenou o Hospital do Olho a indenizar em R$ 30 mil a costureira...

Condenado receptador de celulares roubados em Minas Gerais

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou a condenação de um receptador de celulares roubados que atuava em Belo...

Produto com defeito leva fabricante a indenizar construtora

A 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um fabricante de pisos laminados de madeira a indenizar, em R$ 242.884,00, uma...

Banco deve indenizar aposentado que teve benefício sacado por terceiro

Uma instituição bancária foi condenada a indenizar um aposentado, por danos morais, em 10 salários, em razão de o benefício relativo à sua...

Menor indenizado por acidente em imóvel que empresa estava demolindo

Uma companhia de cimento deverá indenizar, por danos morais, um menor que se acidentou em imóvel de propriedade da empresa, no valor de...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade