Circuito de televisão não torna furto em supermercado crime impossível

Julgados - Direito Penal - Quinta-feira, 20 de outubro de 2005

A existência de circuito fechado de televisão para vigilância eletrônica em supermercado não torna a prática de furto crime impossível, ou seja, aquele que não pode ser consumado em razão da absoluta ineficácia do meio ou impropriedade do objeto e cuja tentativa não é punida. O entendimento é da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou o recebimento de denúncia rejeitada sob tal fundamento.

No caso, a denúncia por furto de um relógio despertador avaliado em R$ 11,99 foi rejeitada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJ-RS) sob o fundamento de se tratar de crime impossível devido à vigilância exercida por meio de câmeras de vídeo instaladas no interior da loja. O tribunal local, no entanto, afastou a aplicação do princípio da insignificância que fundamentara a primeira rejeição da denúncia: o juiz de Direito havia enquadrado o crime como se fosse de bagatela. O Ministério Público gaúcho recorreu, então, ao STJ, para afastar a tese de ser crime impossível o furto praticado sob tais condições.

O ministro Gilson Dipp citou Damásio de Jesus para explicar o conceito de crime impossível: "Em determinados casos, após a prática do fato, verifica-se que o agente nunca poderia consumar o crime, quer pela ineficácia absoluta do meio empregado, quer pela absoluta impropriedade do objeto material (pessoa ou coisa sobre a qual recai a conduta)."

Mas o relator, seguido de forma unânime pela Turma, não entendeu ser esse o caso presente. O denunciado estava sob observação do segurança do supermercado por meio do monitoramento eletrônico e foi perseguido quando deixou o estabelecimento. "Verifica-se que o meio, na realidade, não se mostrou inteiramente ineficaz para a produção do resultado, uma vez que, ainda que mínimo, havia o perigo de consumação do delito. Nas palavras de Mirabete, ‘não se pode tachar de meio ineficaz aquele que, na prática, demonstra eficácia’. Tampouco poderia se falar em absoluta impropriedade do objeto, que, no caso de furto, ocorre na ausência do objeto material, o que não é o caso dos autos", explicou o ministro Gilson Dipp.

A tese adotada pelo TJ-RS de que a existência do sistema de vigilância torna ineficaz o meio para furtar mercadorias, acrescenta o ministro, não pode prevalecer. "Isto porque o sistema de vigilância eletrônico instalado em uma loja não é infalível, pois, a despeito de dificultar a ocorrência de furtos no interior do estabelecimento, não é capaz de impedir, por si só, a ocorrência do fato delituoso. E, se não há absoluta impossibilidade de consumação do delito, não há que se falar na hipótese de crime impossível", concluiu o relator.

Matérias relacionadas

Homem de 82 anos condenado por crime de atentado violento ao pudor

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a consumação do crime de atentado violento ao pudor praticado por um homem de 82 anos na cidade de...

Motorista de ônibus indenizará idoso que teve que descer em local impróprio

Passageiro idoso receberá R$ 5 mil de indenização por danos morais de empresa de transporte coletivo que, trafegando indevidamente pela pista...

Associação de consumidores pode ingressar com ação civil pública

A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, da Vida e dos Direitos Civis (Adcon) obteve o reconhecimento de seu direito de contestar, em...

Multa por atraso na rescisão não comporta proporcionalidade

A multa prevista na Consolidação das Leis do Trabalho para penalizar o empregador pelo atraso no pagamento das verbas rescisórias equivale a um...

Vale do Rio Doce pagará hora extra por supressão de intervalo

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho garantiu a um grupo de ex-funcionários da Companhia Vale do Rio Doce o direito de receber como...

Falta de comunicação não afasta direito de gestante

A ausência da comunicação de gravidez à empresa não pode impedir que a empregada usufrua o direito à estabilidade provisória da gestante,...

Concorrência com empresa leva à justa causa do empregado

O empregado que passa a concorrer com seu empregador está sujeito à demissão por justa causa, conforme previsão específica de dispositivo legal...

Pai que matou criança também responde por crime de Tóxicos

O juiz da 1ª Vara de Tóxicos, em Minas Gerais, José Osvaldo Corrêa Furtado de Mendonça, ouve amanhã o auxiliar de serviços gerais, Reginaldo...

´Gato` em medidor de energia leva ex-locatário a indenizar locador

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um ex-locatário a ressarcir ao locador uma dívida junto à CEMIG –...

Turma Recursal garante fim de venda casada em Minas Gerais

A Quarta Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis de Belo Horizonte, em decisão inédita, garantiu a um consumidor a anulação do contrato de...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade