Homem de 82 anos condenado por crime de atentado violento ao pudor

Julgados - Direito Penal - Quinta-feira, 20 de outubro de 2005

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a consumação do crime de atentado violento ao pudor praticado por um homem de 82 anos na cidade de São José do Norte, litoral gaúcho, contra dois adolescentes. A Quinta Turma atendeu a recurso do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, que protestou contra a desqualificação do crime, em sede de apelação, para a modalidade "tentada", o que reduziu a pena do réu de oito anos de reclusão para dois anos e meio.

Acórdão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul reconheceu o fato e a autoria, mas entendeu que no exame das provas, haveria a intenção do réu de realizar atos mais graves, dos quais desistiu porque foi impedido pela intervenção de conselheiros tutelares. Por haver uma pretensão final mais grave do que a que efetivamente ocorreu, o TJ/RS acolheu a tese de atentado violento ao pudor tentado, reduzindo a condenação.

Consta dos autos que Anarolino Ferreira Jardim foi surpreendido na rua quando manuseava os seios de uma adolescente, por dentro de agasalho, passando depois para as costas, alisando suas nádegas e ainda tentava colocar as mãos dentro da calça de outro adolescente.

Junto ao STJ, o MP argumentou ser descabida a classificação do crime para a forma tentada (artigo 214 do Código Penal), porque não houve circunstância alheia à vontade do réu que lhe impediu de terminar o ato criminoso e porque a sua intenção era a de praticar atos libidinosos diversos da conjunção carnal, como toques íntimos, o que foi consumado.

A defesa do réu ainda alegou que "condenar um ancião de 82 anos, deficiente físico, a uma pena de oito anos de reclusão em regime fechado é o mesmo que condená-lo à morte", sendo que trata-se de um "homem humilde, agricultor, sem qualquer antecedente policial ou criminal".

A relatora do recurso, ministra Laurita Vaz, atendeu ao recurso do MP/RS por considerar consumado o crime de atentado violento ao pudor mesmo quando o agente realiza atos libidinosos diversos da conjunção carnal, e ainda que impedido de continuar por outrem. A ministra destacou que o próprio acórdão afirmou que os atos praticados pelo acusado se adequariam ao "tipo penal" em questão. Para ela, a intenção do réu de praticar atos mais graves contra os menores não desclassifica o crime para a modalidade tentada. O entendimento da ministra Laurita foi seguido por unanimidade pelos demais ministros da Quinta Turma presentes no julgamento.

Matérias relacionadas

Motorista de ônibus indenizará idoso que teve que descer em local impróprio

Passageiro idoso receberá R$ 5 mil de indenização por danos morais de empresa de transporte coletivo que, trafegando indevidamente pela pista...

Associação de consumidores pode ingressar com ação civil pública

A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, da Vida e dos Direitos Civis (Adcon) obteve o reconhecimento de seu direito de contestar, em...

Multa por atraso na rescisão não comporta proporcionalidade

A multa prevista na Consolidação das Leis do Trabalho para penalizar o empregador pelo atraso no pagamento das verbas rescisórias equivale a um...

Vale do Rio Doce pagará hora extra por supressão de intervalo

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho garantiu a um grupo de ex-funcionários da Companhia Vale do Rio Doce o direito de receber como...

Falta de comunicação não afasta direito de gestante

A ausência da comunicação de gravidez à empresa não pode impedir que a empregada usufrua o direito à estabilidade provisória da gestante,...

Concorrência com empresa leva à justa causa do empregado

O empregado que passa a concorrer com seu empregador está sujeito à demissão por justa causa, conforme previsão específica de dispositivo legal...

Pai que matou criança também responde por crime de Tóxicos

O juiz da 1ª Vara de Tóxicos, em Minas Gerais, José Osvaldo Corrêa Furtado de Mendonça, ouve amanhã o auxiliar de serviços gerais, Reginaldo...

´Gato` em medidor de energia leva ex-locatário a indenizar locador

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um ex-locatário a ressarcir ao locador uma dívida junto à CEMIG –...

Turma Recursal garante fim de venda casada em Minas Gerais

A Quarta Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis de Belo Horizonte, em decisão inédita, garantiu a um consumidor a anulação do contrato de...

Família que recebeu diagnóstico errado de Aids será indenizada

O Município de Nova Friburgo terá de pagar uma indenização, por danos morais, de R$ 20 mil a um casal que recebeu um diagnóstico errado de Aids....

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade