TST pune empresa por recursos protelatórios

Julgados - Direito Processual Trabalhista - Segunda-feira, 7 de novembro de 2005

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho determinou a incidência de duas multas sobre uma empresa prestadora de serviços que pretendia retardar, no TST, o desfecho de processo em que foi condenada. “É de se aplicar multa à parte que recorre, com abuso e má-fé processual, quando a parte se manifesta não só com prática atentatória à dignidade da justiça como também gera à outra parte prejuízo, em razão do abuso no direito de recorrer”, sustentou o relator da questão, o ministro Aloysio Corrêa da Veiga.

Após sofrer condenação na primeira e segunda instâncias trabalhistas de Minas Gerais, a empresa Gelre Trabalho Temporário S/A resolveu recorrer ao TST. Para tanto, valeu-se de um total de seis recursos: recurso de revista, agravo de instrumento, embargos em agravo de instrumento, embargos de declaração, agravo regimental e, por fim, novos embargos de declaração. Todos foram negados.

Em sua última manifestação, a parte ingressou na SDI-1 com embargos de declaração, recurso que serve para a revisão de pontos omissos, contraditórios ou obscuros de determinada decisão judicial. O recurso não trouxe, contudo, qualquer argumento ou indicação da empresa de omissão, contradição ou obscuridade na decisão anterior (agravo regimental).

“É suficiente para se inferir o intuito protelatório e mesmo se afigurar prática atentatória à dignidade da justiça, que deve ser repudiada”, considerou o relator ao reconhecer a intenção de retardar o desfecho do processo judicial.

Conforme a decisão do TST, a conduta da empresa atraiu a incidência dos artigos 17, 18 e 538 do Código de Processo Civil (CPC). Os dois primeiros dispositivos tratam da litigância de má fé, cuja prática resulta em multa de 1% sobre o valor da causa e indenização pelos prejuízos causados à parte contrária. O art. 538 do CPC prevê multa para a parte que se vale de embargos com objetivos protelatórios.

O julgamento implicou na determinação de duas multas de 1% sobre o valor da causa, decorrentes dos embargos protelatórios e da litigância de má-fé. Também foi imposta condenação a fim de que a empresa indenize a parte contrária em 20% sobre o valor da causa, devidamente reajustáveis. O relator frisou, ainda, que, no caso, “a impunidade, em razão da ausência de sanção, importará na continuidade no comportamento temerário, congestionando ainda mais o judiciário”.

Matérias relacionadas

Rejeitada prorrogação do prazo de recurso motivada por acidente

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão da segunda instância que julgou intempestivo recurso apresentado fora do prazo...

Unisul condenada por conceder férias sem pagar adiantamento

A Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) foi condenada a pagar férias em dobro a um ex-empregado que usufruiu o período de descanso mas...

Defeito em veículo determina redução no preço e dano moral

Consumidora tem direito ao abatimento proporcional do preço de veículo defeituoso e ressarcimento por dano moral. Ela comprou um Ford Focus 1.8 L...

Fabricante de cachaça ganha direito de usar a marca Havana

Fabricante de aguardente da cidade de Salinas, em Minas Gerais, conseguiu uma tutela antecipada que garante o direito de continuar a utilizar a marca...

Estado condenado por morte em blitz da polícia

A Oitava Câmara Cível do Tribunal de Justiça condenou o Estado de Minas Gerais a indenizar em R$ 30.000,00 os parentes do pedreiro M.V., morto...

Vigilante desarmado não é obrigado a trabalhar em local perigoso

Embora o risco seja inerente à atividade do vigilante, sua designação para trabalhar em local de risco sem a garantia mínima de segurança...

Hospital condenado a indenizar mãe de bebê seqüestrado

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a Santa Casa da Misericórdia de Barra Mansa a pagar indenização de R$ 15 mil a Renata...

Auxílio-combustível não se estende aos proventos de servidor inativo

O auxílio-combustível possui natureza temporária e "pro labore", sendo incabível, portanto, sua extensão aos inativos. Com esse entendimento, a...

Venda de veículo alienado a terceiro de boa-fé não pode ser anulada

Ex-proprietária de veículo alienado vendido, sem seu consentimento, a terceiro de boa-fé não conseguiu anular a transação comercial e, com...

Candidato consegue anulação de exame psicotécnico que o reprovou

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, deu provimento ao recurso de Verdi Luz Furnaletto para anular o exame...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Trabalhista

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade