Hospital condenado a indenizar mãe de bebê seqüestrado

Julgados - Dano Moral - Segunda-feira, 7 de novembro de 2005

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a Santa Casa da Misericórdia de Barra Mansa a pagar indenização de R$ 15 mil a Renata Pereira Vargas, cujo bebê desapareceu dentro do hospital em janeiro de 2001. Levada do quarto por uma falsa enfermeira, a criança foi resgatada horas depois, quando a seqüestradora deixava a maternidade em um carro.

A mulher se aproveitou do momento em Renata teve que ir ao banheiro para pegar o bebê que dormia num berço. Ao retornar e ver que o filho havia sumido, a mãe, desesperada, comunicou o fato aos funcionários, ocasião em que um médico determinou que as saídas do hospital fossem fechadas. Renata ajuizou ação de indenização contra a Santa Casa, pedindo o pagamento de 600 salários mínimos por danos morais e R$ 6.480,00 por danos materiais.

Em primeira instância, o hospital foi condenado a indenizar Renata em R$ 26 mil, a título de danos morais, acrescidos de juros e correção monetária contados a partir da sentença. A Santa Casa de Barra Mansa, porém, recorreu. Em sua defesa, alegou que a instituição havia tomado todas as providências que o caso requeria, fechando as saídas e convocando a Polícia Civil, evitando assim a consumação do seqüestro.

Os argumentos, porém, não convenceram o relator do processo, desembargador Siro Darlan. Em seu voto, que foi seguido pelos demais magistrados, ele ressaltou ter sido inegável a ocorrência do dano moral, em face do flagrante defeito na prestação do serviço e do total desrespeito aos autores, que por algumas horas tiveram a angústia de ver seu filho desaparecido no hospital. Para o desembargador, é inquestionável que o fato causou ansiedade, desespero e profunda dor, superando a qualificação de mero aborrecimento.

“A vigilância falhou, como comprova o próprio acontecimento em si. É cediço que em maternidades os recém-nascidos são vítimas fáceis de rapto, seqüestro ou subtração, necessitando de atividade complementar de vigilância, que é essencial à natureza do serviço”, afirmou Siro Darlan.

Entretanto, ao analisarem o valor arbitrado na sentença, os desembargadores da 4ª Câmara Cível do TJRJ decidiram reduzir a indenização para R$ 15 mil. A Santa Casa de Barra Mansa já entrou com recurso especial, pleiteando que a questão seja revista pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Matérias relacionadas

Auxílio-combustível não se estende aos proventos de servidor inativo

O auxílio-combustível possui natureza temporária e "pro labore", sendo incabível, portanto, sua extensão aos inativos. Com esse entendimento, a...

Venda de veículo alienado a terceiro de boa-fé não pode ser anulada

Ex-proprietária de veículo alienado vendido, sem seu consentimento, a terceiro de boa-fé não conseguiu anular a transação comercial e, com...

Candidato consegue anulação de exame psicotécnico que o reprovou

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, deu provimento ao recurso de Verdi Luz Furnaletto para anular o exame...

Leilão adiado para que se apure propriedade das jóias

Se há dúvidas sobre a propriedade das jóias colocadas em penhor, que podem ser produto de roubo, é cabível medida cautelar para sustar o...

Negadas diferenças de complementação a aposentado do BB

A Subseção de Dissídios Individuais I (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, por maioria de votos, isentar o Banco do Brasil do...

TST restringe atuação da JT em caso de trabalhador estrangeiro

A competência da Justiça do Trabalho (JT) para o exame de ação proposta por empregado estrangeiro que prestou serviços no Brasil, dentre outros...

Café matinal oferecido por empresa não possui caráter salarial

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho afastou o caráter salarial do café matinal oferecido pela Agip do Brasil S/A a empregados. A Turma...

Suspensa previsão de multa contra a Volks

O corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Rider Nogueira de Brito, determinou ontem (7) a suspensão da ordem judicial que estipulou multa...

Não há dano moral quando paciente não segue orientações médicas

Não se pode falar em dano moral quando não há falha na prestação de serviço, e sim desatendimento das orientações pertinentes aos exames...

Juíza determina que listas telefônicas sejam entregue gratuitamente

A juíza da 28ª Vara Cível de Belo Horizonte, Mariza de Melo Porto, determinou que a Telemar envie, gratuitamente, a todos os assinantes,...

Temas relacionados

Julgados

Dano Moral

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade