Leilão adiado para que se apure propriedade das jóias

Julgados - Direito Processual Civil - Terça-feira, 8 de novembro de 2005

Se há dúvidas sobre a propriedade das jóias colocadas em penhor, que podem ser produto de roubo, é cabível medida cautelar para sustar o leilão, como forma de apurar melhor os fatos e garantir a eficácia do processo principal, não causando tal adiamento qualquer prejuízo à Caixa Econômica Federal (CEF), depositária dos bens. Com esse entendimento, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, em decisão unânime, não conheceu de recurso da CEF contra decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará que garantiu a Philippe Raymond Boris a suspensão do leilão marcado para a venda das jóias, até que se defina com certeza, na ação principal, a quem realmente pertencem.

A CEF recorreu ao STJ alegando que o mero boletim de ocorrência policial informando o suposto roubo das jóias dadas em penhor não é suficiente para comprovar a materialidade do crime noticiado, afirmando, ainda, que inexiste qualquer indício plausível de que as jóias roubadas e elencadas no boletim de ocorrência sejam aquelas mesmas dadas em garantia do mútuo pignoratício. Asseverou, ainda, que diversos artigos do Código de Processo Civil asseguram a presunção da posse, da boa-fé e da propriedade daquele que entregou as jóias em penhor.

Com base em voto do ministro Aldir Passarinho Junior, a Quarta Turma definiu que, tendo em vista haver dúvida sobre a propriedade das jóias, supostamente produto de roubo, pode ter ocorrido, no caso, que o criminoso ou o receptador tenha se valido de um estabelecimento bancário público para transformar os bens em dinheiro. Cabível, portanto, a cautelar para sustar o leilão, a fim de que idealmente se possam apurar melhor os fatos e fique garantida a eficácia da decisão final no processo principal.

Para o ministro Aldir Passarinho Junior, se os bens fossem levados à leilão, aí sim, é que poderia restar frustrada a ação principal, sendo que o mero retardo na liquidação da dívida pela venda dos bens em leilão não causará maior prejuízo à Caixa Econômica, até porque a garantia dada é em jóias, que também costumam guardar valorização razoável. Não conheceu, por isso, do recurso da CEF em voto que foi acompanhado, sem discrepância, pelos ministros Barros Monteiro, Cesar Asfor Rocha, Fernando Gonçalves e Jorge Scartezzini.

Matérias relacionadas

Negadas diferenças de complementação a aposentado do BB

A Subseção de Dissídios Individuais I (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, por maioria de votos, isentar o Banco do Brasil do...

TST restringe atuação da JT em caso de trabalhador estrangeiro

A competência da Justiça do Trabalho (JT) para o exame de ação proposta por empregado estrangeiro que prestou serviços no Brasil, dentre outros...

Café matinal oferecido por empresa não possui caráter salarial

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho afastou o caráter salarial do café matinal oferecido pela Agip do Brasil S/A a empregados. A Turma...

Suspensa previsão de multa contra a Volks

O corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Rider Nogueira de Brito, determinou ontem (7) a suspensão da ordem judicial que estipulou multa...

Não há dano moral quando paciente não segue orientações médicas

Não se pode falar em dano moral quando não há falha na prestação de serviço, e sim desatendimento das orientações pertinentes aos exames...

Juíza determina que listas telefônicas sejam entregue gratuitamente

A juíza da 28ª Vara Cível de Belo Horizonte, Mariza de Melo Porto, determinou que a Telemar envie, gratuitamente, a todos os assinantes,...

Assinatura mensal de telefonia considerada ilegal por juiz de Minas Gerais

O juiz da 30ª Vara Cível de Belo Horizonte, Wanderley Salgado de Paiva, declarou nula a cobrança de assinatura básica cobrada por uma empresa de...

Ofensa à honra de oficial militar gera indenização

Um parlamentar, que veiculou notícias ofensivas à honra e à imagem de um oficial da Polícia Militar, foi condenado a indenizá-lo por danos...

Tribunal reduz juros de cartão de crédito a 5% ao mês

A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais determinou a uma administradora de cartão de crédito que reduza a 5% ao mês a taxa...

Banco é condenado a indenizar correntista por falha na prestação de serviço

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma instituição financeira de direito privado a indenizar um correntista por...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade