Empregado público não pode ser demitido sem motivo

Julgados - Direito do Trabalho - Quarta-feira, 16 de novembro de 2005

O município de Paranaguá (PR) não obteve êxito na tentativa de assegurar o direito de demitir, sem motivação, um empregado concursado A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou conhecimento a recurso do município paranaense e manteve sentença e decisão de segunda instância que asseguraram a reintegração ao emprego de um serviçal que havia sido dispensado imotivadamente 11 meses depois da admissão numa fábrica de artefato.

Em recurso contra decisão do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (9ª Região), que manteve sentença na qual foi concedida antecipação de tutela para a reintegração, o município paranaense alegou o direito de efetuar a dispensa sem justa causa, pois o empregado é regido pelo regime da CLT e não tem a estabilidade que é assegurada apenas ao servidor público. Também argumentou que ele ainda não completara os três anos de estágio probatório.

“Irreparável a decisão que analisou o mérito da matéria”, disse o relator do recurso, ministro Carlos Alberto Reis de Paula. Por se tratar de administração pública, o Município submete-se aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Assim, ressaltou, “embora o empregado não seja estável, a demissão apenas é possível por ato motivado, demonstrado que o empregado não é apto para o cargo em que foi aprovado, após prévia avaliação do desempenho funcional do mesmo”.

De acordo com o relator, o ato de dispensa deve apontar as razões da exoneração ou, então, os motivos objetivos de ordem administrativa, como restrição orçamentária ou, extinção de cargo, que a justifiquem.

O ministro negou conhecimento ao recurso porque este foi fundamentado na violação ao artigo 41 da Constituição que prevê estabilidade ao servidor depois de três anos de estágio probatório. O TRT, entretanto, não se fundamentou na estabilidade nele prevista, mas na necessidade de motivação do ato de dispensa de servidor concursado, disse o relator.

Matérias relacionadas

Embriaguez em serviço uma única vez é justa causa para demissão

A pena de demissão por justa causa prevista no artigo 482 da CLT para os casos de embriaguez em serviço é passível de ser aplicada mesmo quando o...

Inexiste direito a licença-maternidade por adoção antes de vigência da lei

O direito à licença-maternidade para mães adotivas só foi assegurado em abril de 2002, com a entrada em vigor da lei que alterou a CLT. Antes...

Concedida alteração de regime de bens na vigência do Código Civil de 1916

Casal interpôs na Comarca de Vacaria pedido de separação total de bens, a fim de alterar regime e adequar a empresa por eles constituída à...

Negado Habeas Corpus a jovem acusado de matar namorada

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou pedido de Habeas Corpus, mantendo a prisão preventiva de Alexandre Augusto...

Justiça do Rio manda Telemar restituir assinatura paga por cliente

A Telemar foi condenada pela 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio a restituir a Leopoldina Leoni Santos a quantia referente à...

C&A condenada por acidente em escada rolante

A 3ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a C&A Modas a pagar R$ 35 mil de indenização por danos morais à estudante Amanda Carla da Silva...

Tetraplégico ganha ação contra Gol por cadeira de rodas danificada em viagem

A 10ª Vara Cível do Rio condenou a Gol Transportes Aéreos a pagar indenização de R$ 10.040, por danos morais e materiais, ao tetraplégico...

Casa de Saúde condenada a indenizar família de paciente morta por agressão

A juíza Mariana Moreira Tangari Baptista, em exercício na 29ª Vara Cível do Rio, condenou a Casa de Saúde Grajaú a pagar uma indenização de...

Família ganha ação contra a Varig por constrangimento

Um casal ganhou R$ 12 mil por danos morais em uma ação na 13ª Vara Cível do Rio contra a Varig. Ricardo de Moraes Monteiro e Mirna Portella...

Justiça manda Estado pagar R$ 600 mil à família da diretora de Bangu I

A família de Sidneya Santos de Jesus, diretora de Bangu I assassinada em frente à sua casa, em 2000, conseguiu mais uma vitória na Justiça do...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade