Bridgestone Firestone obtém isenção de multa por litigância de má-fé

Julgados - Direito Processual Civil - Segunda-feira, 21 de novembro de 2005

A Bridgestone Firestone do Brasil Indústria e Comércio Ltda não terá que pagar multa por litigância de má-fé a G&C Comercial Ltda. A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O caso começou quando a Bridgestone Firestone do Brasil propôs uma ação de execução hipotecária contra a G&C Comercial e outra. Geraldo Camargo e outra ofereceram exceção de pré-executividade alegando que a hipoteca do imóvel que lastreia e embasa a execução foi cancelada sob autorização do credor, em junho de 1997. Sustentaram que deixaram de impugnar o valor do crédito ora cobrado, justamente porque o referido crédito foi cabalmente demonstrado mediante duplicatas, notas fiscais, faturas e respectivos comprovantes de entrega de mercadorias, instruídos com a inicial.

Em primeira instância, o juiz acolheu a exceção de pré-executividade para "declarar nula a execução hipotecária e, via de conseqüência, julgar extinta a execução, tudo com fulcro no artigo 267, incisos IV e VI, do Código de Processo Civil. Condenou ainda a empresa executante ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios, este à base de 20% sobre o valor atualizado da execução e ao pagamento de 1% sobre o montante atualizado da execução, por litigância de má-fé, facilmente deduzida na presente lide".

A Quarta Câmara Civil do Tribunal de Alçada do Estado de Minas Gerais manteve a sentença sustentando ser nula a decisão que se encontra sem fundamentação, não sendo aquela que apresenta fundamentação concisa.

Além disso, salientou que, conforme disposto no artigo 20, parágrafo 3º, do Código de Processo Civil, a sentença condenará o vencido a pagar ao vencedor as despesas que antecipou e os honorários advocatícios, os quais, nos termos do parágrafo 3º, poderão ser fixados entre 10% e 20% sobre o valor da condenação, atendidos o grau de zelo profissional, o lugar da prestação do serviço, a natureza e importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço.

Inconformada com a decisão, a Bridgeston Firestone do Brasil interpôs recurso especial no STJ alegando violação dos artigos 17 e 20 do Código de Processo Civil. A empresa alega que os executados não juntaram aos autos cópia atualizada de matrícula do imóvel hipotecado para comprovar o alegado.

Em julgamento, a Terceira Turma do STJ, por unanimidade, conheceu do recurso e deu-lhe parcial provimento sustentando que a conduta da exeqüente foi no sentido de levar este tribunal a erro, pois, após apresentar exceção de pré-executividade (forma de defesa em que se oferece uma alternativa aos embargos do devedor) na qual mostra com clareza que a garantia hipotecária havia sido cancelada, insiste na absurda hipótese de que ainda existe a dívida e a garantia hipotecária.

Para o ministro relator Ari Pargendler, se falta na presente execução hipotecária o seu principal requisito, o contrato de hipoteca, imprescindível para o seguimento da marcha processual, conclui-se que a execução é nula.

Matérias relacionadas

Interrupção de sustentação oral para almoço é cerceamento de defesa

A interrupção da sustentação oral da defesa diante do Tribunal do Júri configura constrangimento ilegal e leva à anulação do julgamento. A...

Corte de energia é ilegal se a dívida está sendo contestada judicialmente

Um consumidor de São Paulo garantiu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o direito ao fornecimento de energia elétrica enquanto contesta...

Empregado que entrou em frigorífico 30x por dia ganha insalubridade

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso do Grupo Pão de Açúcar (Companhia Brasileira de Distribuição) e manteve a...

TST reconhece validade de PDV do Banco de Santa Catarina (Besc)

A Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu como válido o plano de incentivo à demissão voluntária instituído...

Montadora é obrigada a vender veículo conforme propaganda

O Código de Defesa do Consumidor deu à propaganda a natureza jurídica de um contrato. Com esse entendimento, a 11ª Câmara Cível do Tribunal de...

Universidade deve indenizar dona de carro furtado em seu estacionamento

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma universidade localizada em Alfenas, sul de Minas, a indenizar, por danos...

Menor atropelado será indenizado por empresa de ônibus

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma empresa de ônibus a indenizar um menor atropelado. O motorista fugiu sem...

Bloqueio indevido de linha telefônica gera indenização

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma operadora de telefonia a indenizar, em danos morais e materiais, um...

Certidão de dívida ativa sem especificação do débito tem defeito insanável

É nula Certidão de Dívida Ativa (CDA) decorrente de Auto de Lançamento que não especifica, mês a mês, os fatos geradores do débito. A...

Sustento dos filhos deve ser provido por um dos pais quando o outro for incapaz

Pai deve prover sustento integral do filho quando a mãe é incapaz economicamente, não existindo responsabilidade solidária com os avós. Esse...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade