Fazendeiro será indenizado pelos prejuízos causados por descarga elétrica

Julgados - Direito Civil - Quarta-feira, 7 de dezembro de 2005

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) terá indenizar em mais de R$ 2,5 milhões o proprietário rural D.H.M, por causa dos prejuízos decorrentes de incêndio ocorrido na Fazenda São José do Bebedouro em função de descarga elétrica causada por queda de fio da rede elétrica da empresa. A decisão é da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, que deu provimento a recurso especial do proprietário.

Na ação de indenização proposta na comarca de Frutal, o proprietário pediu ressarcimento pelos seguintes danos: perda das pastagens da propriedade com área aproximada de 726,00,00 há e perda da metade do teor argiloso da camada superficial da gleba mencionada, atingida pelo fogo, destruição dos grumos superficiais e lavagem de argila, a exigirem recuperação do solo para plantação do capim brachiaria decunbens.

Ainda segundo a defesa, houve perda de cercas (12.500 m de cinco fios de arame liso e 5.920 m de quatro fios de arame farpado) e estacas de lascas de balsaminho (1.500 lascas) e de aroeira (1.574 lascas), perda de 15 animais bovinos, lucros cessantes referentes ao apascentamento de quatro garrotes entre 15 e 24 meses por hectare, durante dez meses, nas pastagens perdidas em razão do incêndio.

Baseada em laudo oficial, a ação foi julgada procedente, sendo a Cemig condenada a indenizar o proprietário em R$ 963.527,84 relativos aos danos sofridos e R$ 1.709.808,56 a título de lucros cessantes, estimados pela média de garrotes mortos por hectare. A sentença incluiu, ainda, correção monetária e juros mensais de 1%.

Ao julgar a apelação proposta pela Cemig, no entanto, a Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais reformou a sentença, dando prevalência ao laudo do assistente técnico, ao fundamento básico da existência de superavaliação no cálculo feito pelo perito do Juízo.

O proprietário interpôs embargos, mas foram rejeitados. Recorreu, então, ao STJ, alegando, entre outras coisas, que a decisão não foi devidamente fundamentada, quando fez opção pelo laudo do assistente técnico da Cemig, com afronta ao artigo 458, II, combinado com o 165 do Código de Processo Civil. "Não existe falta de lógica no fato de o Vistor haver atribuído à indenização quantitativo quase duas vezes superior ao imóvel. É que as construções, benfeitorias e acessões, em geral, valem mais que a terra nua", afirmou a defesa. O advogado alegou, ainda, ter havido, no caso, preclusão em relação às conclusões do laudo oficial, já que a Cemig não ofereceu impugnação na ocasião devida, tendo a decisão violado o artigo 183 combinado com os artigos 473, 474 e 245 do Código de Processo Civil.

O recurso foi provido. Segundo o relator do processo, ministro Fernando Gonçalves, não poderia ter havido discussão sobre o valor da indenização decidido na sentença na fase de liquidação. "Houve, por decisão passada em julgado comando impondo a recuperação do solo, o pagamento das pastagens, das perdas das cercas e dos lucros cessantes, etc", observou. "Não comporta, no exame da liquidação, em vero inovação, alterar-se o critério, para tanto utilizando-se – data venia – de conceitos subjetivos, dissociados do modelo estabelecido na fase de conhecimento", concluiu o ministro.

Matérias relacionadas

Sul América indenizará paciente que teve internação hospitalar recusada

Um paciente do Rio de Janeiro que teve recusada a autorização para internação hospitalar de emergência pela Sul América Aetna Seguros e...

Apropriação indevida de R$ 84,25 gera demissão por justa causa

A apropriação, para uso particular, de dinheiro confiado pelo empregador para o pagamento de tributos, levou a empresa Disppan Distribuidora de...

Revista de empregado em frente a estranhos ocasiona dano moral

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho confirmou, em decisão unânime, a prerrogativa da Justiça do Trabalho para o julgamento de ação...

Denúncia contra juiz que suspendeu audiência para almoço é rejeitada

O Tribunal Superior do Trabalho rejeitou pedido da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará para apuração de denúncia de conduta...

Anulado veto discriminatório para pagamento de seguro

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma seguradora a pagar à filha da proprietária de uma casa de...

Intimação irregular sobre juntada de documentos gera anulação de Júri

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul anulou o julgamento do psicólogo Rogério Ivo Stoffel pelo Tribunal do Júri,...

Materiais fornecidos pelo prestador de serviço não estão sujeitos a ISS

Em obras hidráulicas e semelhantes, bem como na conservação e reparação de edifícios, estradas e pontes, em hipótese alguma o material...

Pedreiro com 23 Kg de maconha alega que droga era para consumo próprio

O juiz substituto Fabiano da Silva, lotado na 2ª Vara da Comarca de Caçador, em Santa Catarina, condenou o pedreiro Claudiomiro Fogaça Antunes a...

Reconhecer erro não elimina dano moral

O reconhecimento da irregularidade praticada e a reintegração do empregado – demitido injustamente – não afastam o dano moral causado por ato...

Violência doméstica contra a mulher pode ser combatida com mais rigor

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) analisa, entre outras propostas, o Projeto de Lei 4559/04, do Poder Executivo, que cria...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade