Foro de Goiânia tem 160 ações com mais de 25 anos

Notícias - Diversos - Segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Em 1965, Flauzina Martins Rezende entrou com processo na Justiça contra a empresa Comercial e Importadora Sotel, de Goiânia, tentando anular a venda de 2.999 ações que ela havia herdado do marido e que teriam sido vendidas, sem sua autorização, na bolsa de valores por um dos proprietários da companhia. Há poucos anos, Flauzina morreu sem presenciar o desfecho final do processo, que até hoje não foi julgado em definitivo pela 9ª Vara Cível da capital. Além dessa ação, que completou 40 anos no dia 22 de fevereiro passado, tramitam na capital outros 160 processos iniciados no período de 1º de janeiro de 1970 a 31 de dezembro de 1980 e que ainda não foram apreciados definitivamente pelos juízes.

O levantamento que apurou o número de ações mais antigas em tramitação em Goiânia foi solicitado à Coordenadoria Judiciária do Foro da capital pelo jornal O Popular. A exemplo do processo de Flauzina, a maioria dos casos mais morosos ainda sem julgamento corre nas varas cíveis e nas de família e sucessões. Predominantemente são ações de execução, separação litigiosa, inventários e partilhas. Mas também foram registrados em menor número processos que envolvem pedidos de indenização, busca e apreensão, reintegração de posse e rescisão contratual.

Essa radiografia do andamento processual demonstra de forma clara que muitos goianos realmente têm de esperar indefinidamente pela apreciação final do seu caso pela Justiça. Ela também é importante porque, no dia 29 de novembro, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou ao Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) que designe um juiz e profira sentença em 60 dias em uma ação que tramita há 38 anos na comarca de Iaciara, no nordeste goiano. Essa foi a primeira vez que o CNJ julgou representação por morosidade no andamento de processos depois que o órgão foi criado este ano pela Emenda Constitucional 45, que tratou da reforma do Judiciário.

O ministro-corregedor do CNJ responsável pela decisão, Antônio Pádua Ribeiro, sinaliza com a possibilidade de se manifestar sempre favoravelmente às partes que se sentirem prejudicadas com a demora na prestação jurisdicional. O caso apreciado pelo CNJ foi apresentado pelo advogado Wilson Sabino, que pediu providências para o atraso no julgamento de ação divisória cumulada com ação demarcatória de terras. A última audiência marcada para o caso ocorreu em março de 2004, mas, até hoje, não foi proferida a sentença.

Um processo tramita na 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual e foi proposto em 1972 por 94 proprietários de imóveis localizados no Jardim Goiás (00002149-2/195). A área foi desapropriada pelo Estado para a construção do Estádio Serra Dourada. Ao longo desses 33 anos, muitos donos não conseguiram ser indenizados e outros esperam o recebimento de precatórios emitidos pelo Estado.

O juiz responsável pelo caso, Ari Ferreira de Queiroz, garante que a demora na apreciação da ação o incomoda mais do que às próprias partes. Ele afirma que a dificuldade em julgar o processo se deve ao fato de existirem muitas partes envolvidas. Sempre que é feita a avaliação dos imóveis, tanto o Estado quanto os donos não concordam com o que foi apurado, levando a novas diligências, que se prolongam indefinidamente, explica o juiz, que assegura que deseja pôr fim à perlenga o mais brevemente possível.

A advogada Tânia Morato também convive com a frustração de ver vários de seus processos sem desfecho final. Em um deles, ela representa a Petrobrás Distribuidora, que tenta receber dívida no valor de Cr$ 445.700,93, da Comércio e Representação Camelo. A ação foi protocolada em 1980, quando a moeda vigente era o cruzeiro. De lá para cá, a empresa já fechou suas portas e a estatal agora quer obter autorização judicial para pedir aos bancos a lista de clientes para tentar localizar o devedor. O pedido ainda não foi julgado. A advogada também representa a Marmoria Serra Dourada, que executou um cliente que não quitou débito de Cr$ 174.528,00. Um dos sócios da empresa, Paulo Gouthier, conta que a empresa já foi dissolvida e que, até hoje, amarga o dissabor de não ter recebido a dívida.

Além da má-fama, o retardamento no julgamento prejudica as partes, fazendo com que o Judiciário deixe de cumprir seu papel, que é a promoção da Justiça. (A matéria é da repórter Marília Costa e Silva do jornal O Popular).

Matérias relacionadas

Áreas de preservação podem ter identificação por placas informativas

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou o Projeto de Lei 4696/04, do deputado Carlos Nader (PL-RJ), que obriga a...

Projetos de lei regulamentam a Reforma do Judiciário

A Comissão Especial Mista para Regulamentação da Reforma do Judiciário aprovou o relatório do senador José Jorge (PFL-PE), que propõe a...

Prevenção a crimes de tortura pode ser mais severa

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) analisa o Projeto de Lei 5546/01, que estabelece medidas de prevenção e regras para a...

OAB-MT reune provas de abusos da Justiça Federal em Mato Grosso

Advogados que atuam em processos deflagrados na Justiça Federal em Mato Grosso, particularmente na 1ª Vara Federal, iniciaram nesta segunda-feira,...

Câmara dá início ao processo de certificação digital

A Câmara inicia hoje seu programa de certificação digital. Às 15 horas, o diretor-geral da Casa, Sérgio Sampaio, recebe em seu gabinete o...

Ônibus poderão ter detector de metal

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado analisa o Projeto de Lei 3569/04, do deputado Fernando de Fabinho (PFL-BA), que...

Universidades públicas podem ter reserva para alunos de escolas públicas

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias analisa os projetos de lei 3627/04, do Executivo, e 73/99, da deputada Nice Lobão (PFL-MA), que propõem...

Emissoras de televisão podem ter que implantar serviço de atendimento

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática analisa o Projeto de Lei 5815/01, do deputado Orlando Fantazzini (Psol-SP), que...

Sistema Nacional de Controle de Acidentes de Consumo pode ser criado

A Comissão de Defesa do Consumidor analisa o Projeto de Lei 4302/04, do deputado Dimas Ramalho (PPS-SP), que cria o Sistema Nacional de Controle de...

Consumo de cigarros pode ser combatido com maior rigor

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio analisa dois projetos de lei que inibem o consumo de cigarros. O PL 5823/01, do...

Temas relacionados

Notícias

Diversos

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade