Negado vínculo de emprego em trabalho voluntário

Julgados - Direito do Trabalho - Quinta-feira, 30 de junho de 2005

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho acolheu o recurso da entidade mantenedora do Colégio Nossa Senhora da Penha de França, localizado na zona norte do Rio de Janeiro, e afastou a caraterização de vínculo empregatício entre a Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Penha de França e um bombeiro militar que treinou as equipes de handball da escola por mais de vinte anos sem receber nenhuma vantagem econômica direta.

O treinamento das equipes de handball era feito todos os sábados, de forma voluntária pelo instrutor, que é ex-aluno da escola.

O vínculo havia sido reconhecido pelo Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (1ª Região), que entendeu caraterizados os pressupostos configuradores da relação de emprego pelo fato de o treinador das equipes esportivas do colégio participar de todas as atividades de sábado, assumir compromissos de freqüentar a escola nesse dia para ajudar a coordenação nas atividades esportivas e recreativas e ser supervisionado pelos responsáveis pelo esporte.

Além disso, o fato de a escola conceder uma bolsa de estudos integral para sua filha para o TRT/RJ decorreria da relação estabelecida.

De acordo com a relatora do recurso, ministra Maria Cristina Peduzzi, o trabalho foi realizado ao longo de 22 anos, todos os sábados, sem que o instrutor de educação física recebesse qualquer remuneração pela atividade. Para ela, da leitura da decisão do acórdão regional emerge, de forma substancial, o preenchimento de requisitos determinantes do vínculo empregatício como pessoalidade, subordinação e continuidade, mas a conclusão do TRT/RJ acerca da caracterização da onerosidade não foi razoável.

A relatora refere-se ao entendimento regional de que a concessão da bolsa de estudos por certo período caraterizaria onerosidade. Segundo ela, a onerosidade pode ser tida como o aspecto da relação empregatícia concernente à existência de contraprestação econômica pelo trabalho do empregado posto à disposição do empregador. São raras as hipóteses nas quais ela se apresenta como fator decisivo para a caracterização do vínculo.

Com este entendimento a relatora decidiu reformar o acórdão regional que, por sua vez, havia sido mantido pela Quarta Turma do TST. A ministra explicou que a onerosidade revela-se em dois planos distintos: objetivo e subjetivo.

Tomada no aspecto objetivo, a onerosidade representa o mero pagamento, a retribuição pela prestação do serviço. Já no plano subjetivo, representa a expectativa do prestador de serviços de receber algo em recompensa pela atividade exercida.

Conforme as premissas fáticas consignadas no acórdão regional, não se pode falar que o instrutor, durante os 22 anos de prestação de serviços, ativava-se na expectativa de contraprestação de índole econômica. Assim é inviável acolher a tese de existência de vínculo empregatício.

Matérias relacionadas

Contribuição previdenciária é devida mesmo em contrato nulo

A declaração judicial de nulidade do contrato de trabalho com órgão público, por ausência de concurso, não afasta a obrigação de...

Para o STF, Justiça do Trabalho julga dano moral por acidente de trabalho

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Vantuil Abdala, destacou a importância da decisão do Supremo Tribunal Federal que, por...

Desistência de recurso protocolizada antes de julgamento tem validade

A desistência de recurso, se protocolizada antes de seu julgamento, independe da juntada do pedido aos autos para ter eficácia. A decisão é da...

Bem de família pode ser penhorado por credor de pensão alimentícia

O bem de propriedade comum do casal pode ser embargado para garantir o pagamento de pensão alimentícia devida por um dos cônjuges a filho nascido...

Ministério Público não tem legitimidade em caso de corte de energia elétrica

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça reconheceu a ilegalidade do Ministério Público do Estado do Ceará para atuar em caso de corte de...

Décimo terceiro salário integra base de cálculo da pensão alimentícia

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça entendeu que o décimo terceiro salário deve integrar a base de cálculo dos...

Comprador de fazenda com área já desmatada deve fazer reflorestamento

O comprador de imóvel com área já desmatada é obrigado a fazer o reflorestamento ou separar a parte destinada à reserva legal para regeneração...

Militar retornado a serviço ativo assim deve ser tratado para todos os efeitos

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça indeferiu pedido da União para não garantir vantagem prevista no artigo 58 da Lei nº 8.237/1991 a...

Ministério Público não pode propor ação contra taxas de serviços públicos

O Ministério Público não possui legitimidade legal para propor ação civil pública a fim de impedir a cobrança de taxas por serviços...

Juiz que matou vigia de supermercado tem habeas-corpus negado

O juiz Pedro Pecy Barbosa de Araújo, acusado de ter matado o vigilante José Renato Coelho, no dia 27 de fevereiro, em Sobral (CE), após ter sido...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade