Ex-gerente não recebe danos morais por justa causa

Julgados - Dano Moral - Quinta-feira, 7 de julho de 2005

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a recurso de revista em que um ex-gerente da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (a Itambé) procurava descaracterizar sua demissão por justa causa e receber indenização por danos morais.

A Turma entendeu que o Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (3ª Região) entendeu estar comprovada a justa causa, e que decisão em sentido diferente exigiria a revaloração de provas e fatos, procedimento não aceito na instância superior.

Admitido em 1991, o chefe de departamento foi demitido em 1996 após a apuração de diversas irregularidades na venda e na distribuição de leite envolvendo a aceitação de cheques pré-datados contra as orientações da empresa e a existência de cadastros irregulares de supostos clientes.

Embora não estivesse diretamente envolvido nas irregularidades – os dois empregados que as praticavam foram imediatamente afastados -, a empresa entendeu que o ex-chefe teria descumprido normas internas possibilitando a ocorrência de atos que resultaram em prejuízo para a empresa. O fundamento para a justa causa foi ´desídia e/ou negligência no desempenho de suas atribuições funcionais`.

A reclamação trabalhista movida pelo gerente demitido exigiu a realização de extensa perícia, cujo resultado levou a Vara do Trabalho a considerar caracterizada a justa causa. A decisão foi mantida pelo TRT no julgamento do recurso ordinário, segundo o qual a prova pericial demonstrou que os cheques de terceiro entraram no caixa da empresa através de cadastro irregular, tendo em vista que o numerário oriundo da venda era desviado pelos distribuidores envolvidos no episódio.

O reclamante, pelo fato de não fiscalizar seus subordinados, ou delegar aos mesmos funções inerentes ao seu cargo, não poderia comunicar à empresa irregularidades praticadas em seu departamento (como efetivamente não fez). O que se vê dos autos é que o reclamante foi negligente e omisso no desempenho de suas funções, quebrando definitivamente a fidúcia inerente ao contrato de trabalho, o que desautoriza a reforma do julgado.

Sendo reconhecida a justa causa, negou-se provimento aos demais pedidos, entre eles o de indenização por danos morais. O ex-empregado, em depoimento, confessou que não sofreu qualquer gravame psicológico ou moral com a dispensa, e a imagem do autor não foi denegrida pela empresa após a sua saída. Tanto é assim que, um mês após a dispensa, foi contratado por empresa concorrente, desempenhando as mesmas funções, registrou o TRT.

No recurso ao TST, o empregado demitido insistiu no afastamento da justa causa para que a empresa fosse condenada ao pagamento de verbas rescisórias e da indenização por dano moral, por ter sido acusado injustamente de participar ou ser conivente com fraude ou desfalque de dinheiro, impugnação caluniosa que fora divulgada como verdadeira aos clientes e fornecedores.

O relator do recurso de revista ressaltou a natureza factual da controvérsia. O Tribunal Regional, mediante a valoração do conjunto fático-probatório, mormente a prova pericial, entendeu estar comprovada a justa causa, o que autoriza a resolução do contrato de trabalho sem ônus rescisórios para a empresa.

Para aferir a viabilidade da tese do trabalhador, no sentido de que não houve omissão ou negligência de sua parte, seria necessário o reexame dos fatos e provas, o que não é admitido em sede de recurso de revista, segundo a jurisprudência do TST, concluiu.

Matérias relacionadas

Justiça do Trabalho julga litígio sobre contribuição entre entidade e empresa

O Tribunal Superior do Trabalho declarou a competência da Justiça do Trabalho para o julgamento de litígio entre o Serviço Social da Indústria...

Fisco pode recusar certidão negativa a sócios devedores de outra empresa

O Fisco pode recusar certidão negativa de débito aos únicos sócios de uma nova empresa que são integrantes de outro estabelecimento devedor do...

Mantida condenação do SBT por exibir filme em horário não autorizado

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação da TV SBT 11 do Rio de Janeiro Ltda ao pagamento de multa de 90...

Tim não pode entrar na Justiça para impedir quebra de sigilo de cliente

O fato de a matéria constitucional contestada pela Tim Celular S/A não ter sido apreciada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) leva à...

É válida notificação recebida por terceiros no endereço da devedora

É válida a notificação expedida por cartório de registro de títulos e documentos enviada ao endereço indicado pela devedora em contrato, mesmo...

Despacho não substitui protocolo para tempestividade de recurso

Para a verificação da tempestividade de petição, vale apenas o registro do protocolo do tribunal, independentemente de anotação manuscrita de...

Patrimônio de empresa individual e pessoa física têm a mesma natureza

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) restabeleceu sentença de primeiro grau da Justiça de Rondônia que devolve à esposa e filhos um terreno...

Contribuição do salário-educação não é compensável com a previdenciária

Não é possível a compensação entre a contribuição do salário-educação e as contribuições previdenciárias destinadas ao custeio da...

Admitida intimação pessoal da Fazenda Pública feita pelo correio

A exigência da intimação pessoal poderá ser satisfeita por qualquer das modalidades que assegure ao representante judicial da Fazenda Pública o...

Município é responsável por acidente de trânsito devido a falha em semáforo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) condenou o município de Canoas (RS) ao pagamento de danos materiais a Anilto Klein de Oliveira por acidente de...

Temas relacionados

Julgados

Dano Moral

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade