Vítima de atropelamento vai receber R$ 13 mil

Julgados - Direito do Trânsito - Quinta-feira, 14 de julho de 2005

Um pequeno comerciante de Nova Iguaçu foi condenado a pagar R$ 13 mil à vítima de atropelamento que, em razão do acidente de trânsito, teve que amputar parte inferior da perna esquerda.

Com o dinheiro, a vítima comprará uma prótese, orçada em R$ 11.250,00. O atropelamento aconteceu em abril de 2002, por volta das 20h, na Estrada de Adrianópolis, Santa Rita, em Nova Iguaçu. M.A.R., dono de um trailer, invadiu a contramão e, em alta velocidade, colidiu com a motocicleta Honda, guiada por Márcio Ferreira Leandro.

A pena alternativa pecuniária em favor da vítima foi aplicada pela juíza Rosana Chagas, do II Juizado Especial Criminal de Nova Iguaçu, em substituição à pena de prisão de um ano, em regime aberto. Tal substituição está prevista em lei. O motorista foi denunciado pela prática de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, artigo 303 do Código Brasileiro de Trânsito. O Ministério Público deu parecer favorável à decisão.

A juíza reconheceu na sentença que M.A.R. não teve a intenção de lesionar gravemente o motociclista, mas considerou que ´ele agiu com culpa, e em razão disso deve pagar pelo que causou, possibilitando que a vítima adquira uma prótese para a perna amputada`.

Segundo ela, a pena de prisão, além de não ser recomendada pela legislação penal para os denominados crimes de menor potencial ofensivo, que seguem as normas da Lei dos Juizados Especiais (9.099/95), bem como para os crimes culposos de acidentes de trânsito, não se reverterá em nenhum benefício para a vítima.

´Porém, em termos sociais, a quem interessaria a prisão do presente réu ou de outros, que cometem crimes culposos no trânsito? Não seria bem mais interessante o ressarcimento em dinheiro das vítimas, dos seus familiares, ou em benefício de uma instituição pública, tal como o INCA (Instituto Nacional do Câncer) ou privada com finalidades sociais, tão carentes e necessitadas neste país onde milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza?`, indagou Rosana Chagas.

A magistrada lamentou, porém, que a pena pecuniária não seja tão aplicada pelos juízes no Brasil. A justificativa, de acordo com ela, é que a função social da pena somente foi destacada com maior ênfase na Constituição Federal de 1988.

Matérias relacionadas

Condomínio é condenado a indenizar vítimas de incêndio

O Condomínio do Edifício Sá X, na Rua Conde de Bonfim, na Tijuca, Zona Norte do Rio, foi condenado pela 2ª Vara Cível do Rio a pagar uma...

Empresa de táxi aéreo terá que pagar indenização por morte de passageiro

A 12ª Vara Cível do Rio condenou a Aeróleo Taxi Aéreo a pagar uma indenização por danos morais de R$ 180 mil à família de Osmar Broseghini,...

Falsa declaração de pobreza leva à perda de assistência gratuita

Um ex-representante comercial da Xerox do Brasil teve negado o pedido de assistência judiciária gratuita por falsa declaração de...

Justiça do Trabalho julga regime jurídico municipal celetista

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho declarou a competência da Justiça do Trabalho para julgar demandas de empregados regidos por...

Projeto obriga empresas a contratarem pedagogo

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5530/05, que obriga empresas que possuam 50 ou mais funcionários a contratarem um pedagogo para a área de...

Multada parte que recorreu com intenção de protelar processo

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou incabível recurso (embargos de declaração) em que a parte deixou de fazer o recolhimento de...

Juiz não pode aumentar valor da causa de ofício

A Subseção de Dissídios Individuais 2 (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu o valor da causa de um grupo de servidores da...

Proprietário consegue liminar para impedir posse do Incra sobre sua terra

O produtor rural Francisco Alves Linhares Netto obteve liminar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para impedir a posse do Instituto Nacional de...

Pode-se evitar inclusão em cadastro de devedor sem pagamento da caução

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, concedeu liminar em favor da empresa Amapá do Sul Indústria da...

Presos têm negado pedido de julgamento na comarca onde foram abordados

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal indeferiu o pedido feito por Ana Cárita Leme em favor de Orlando Nunes de...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trânsito

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade