Coca-Cola é condenada por vender refrigerante contaminado

Julgados - Direito do Consumidor - Segunda-feira, 18 de julho de 2005

A Coca-Cola foi condenada a pagar indenização de R$ 5.200 ao advogado Alexandre da Silva Gomes (27 anos), que comprou uma garrafa de refrigerante e, momentos antes de consumir o produto, encontrou mofos e bolores que tornavam o líquido totalmente impróprio para o consumo.

Inicialmente, a multinacional havia sido punida em apenas R$ 450 pelo juiz sentenciante. Porém, o recurso do autor, no sentido de majorar o valor do dano moral para 40 salários-mínimos, obteve provimento parcial da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio, que se baseou nos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade para estipular a quantia definitiva da condenação.

Na inicial do processo, Alexandre alega que tem dois filhos menores e questiona que eles poderiam, muito bem, ter ingerido o refrigerante por conta própria. Em contrapartida, a Coca-Cola tentou desfazer a idéia de situação danosa, se prendendo ao fato de que a bebida não chegou a ser consumida.

Além disso, a empresa ainda tentou repassar a culpa para a mercearia responsável pela venda, mas, ´cabe rejeitar a preliminar de ilegitimidade passiva, já que a ré (Coca-Cola) é responsável pela fabricação e venda dos xaropes usados para produção dos refrigerantes; sendo, portanto, parte legítima para responder à essa ação`, sentenciou o juiz Luiz Eduardo de Castro Neves, do 4º Juizado Especial Cível.

Alexandre, antes de ajuizar o caso, procurou a Central de Atendimento da empresa e, depois de permanecer mais de uma hora esperando na linha telefônica, foi orientado pelo setor de Comunicação da Coca-Cola que deveria aguardar contato, o que até hoje não aconteceu.

Ele se dirigiu, então, à uma Delegacia do Consumidor, onde protocolou uma denúncia e, na mesma época, encaminhou o líquido contaminado ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli, ocasião em que ficou constatada, através do laudo 1478274, a contaminação.

Mesmo assim, a Coca-Cola, mais uma vez, tentou impugnar o dano moral, alegando que o consumidor não provou que a garrafa permaneceu intacta e que os elementos estranhos provinham de fábrica. Entretanto, esse argumento não surtiu efeito e foi rejeitado pelo juiz Luiz Eduardo. ´Não há como prevalecer a tese de que não há prova de que a embalagem não tenha sido violada, uma vez que, no laudo, consta a informação de que a tampa da garrafa estava íntegra e inviolada`, finalizou o magistrado.

Matérias relacionadas

Passageira que levou pedrada em trem vai receber R$ 8 mil

A concessionária de trens SuperVia foi condenada, pela 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio, a pagar R$ 8 mil à cliente...

Proibidos aditivos alimentares que podem causar asfixia

Quinze aditivos utilizados pela indústria de alimentos estão proibidos em sobremesas e balas (RDC 201/05). A proibição é válida especificamente...

Justiça concede indenização por morte em penitenciária

A Primeira Câmara do Direito Público do Tribunal de Justiça, por maioria de votos, não reconheceu os recursos interpostos tanto pelos apelantes...

Processo é anulado no TST por ausência do nome do advogado

A ausência do nome do advogado da parte na pauta de julgamento levou a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho a declarar a nulidade de um...

Insucesso em rescisão indireta não pressupõe abandono de emprego

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho garantiu a uma ex-professora da Aliança Francesa o...

Mudança constitucional assegura julgamento de causas pelo TST

A ampliação das atribuições da Justiça do Trabalho, provocada pelas mudanças introduzidas pela Emenda Constitucional da Reforma do Judiciário...

Mantido decreto de prisão contra contador de João Arcanjo Ribeiro

Luiz Alberto Dondo Gonçalves, contador de João Arcanjo Ribeiro, o Comendador, permanecerá preso. Acusado de ter omitido receita da empresa...

UOL discute constrição do Fisco por não emitir notas fiscais

Deverá ser examinado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo o mandado de segurança na qual a Universo Online S/A protesta contra ato do...

Policiais civis e advogado condenados por crime de extorsão

O juiz de Direito da 2ª Vara da Comarca de São Miguel do Oeste, em Santa Catarina, Marcelo Pons Meirelles, condenou no dia de hoje, 19, o advogado...

Atendimento médico deficiente gera dever de indenização da seguradora

Seguradora de saúde deve indenizar por dano moral e material ao não cumprir contrato quando a segurada passou por acidente durante viagem...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade