Espólio de devedor pode ser usado como pagamento de dívida

Julgados - Direito Civil - Quarta-feira, 14 de setembro de 2005

O espólio de Luiz Rodrigues da Costa, do Espírito Santo, não conseguiu reverter, no Superior Tribunal de Justiça, acórdão da Justiça capixaba que determinou reserva de bens para pagamento de dívidas deixadas pelo falecido. Em decisão unânime, a Quarta Turma do STJ não conheceu do recurso especial interposto pelo espólio, ao entendimento de que a dívida exigida, embora não se trate de título executivo, acha-se suficientemente documentada, estando correta, portanto, a decisão que determinou que sejam reservados, dos bens do espólio, tantos quantos bastem para o pagamento da dívida oriunda de cessão de quotas de sociedade limitada.

Segundo o processo, Henny de Castro Pellegrini e seu marido pediram, na primeira instância, o pagamento da dívida contraída por Luiz Rodrigues da Costa. Por sua vez, a família do devedor, já falecido, entrou com recurso, alegando que os documentos apresentados pela credora, "especialmente o contrato de cessão de quotas, não consubstanciam, em hipótese alguma, dívida vencida e exigível". O juiz de primeiro grau não conheceu do agravo interposto pelo espólio, decidindo pela reserva dos bens.

A família de Luiz Rodrigues recorreu, então, ao Tribunal de Justiça do Estado, alegando ofensa aos artigos 1.017 e 1.018 do Código de Processo Civil (CPC), porque a documentação referente aos débitos não satisfaria os requisitos legais, uma vez que não foram demonstradas a prova do vencimento do débito e a exigibilidade da dívida. Pela sua Terceira Câmara Cível, o TJ/ES manteve, no entanto, o entendimento do juiz, argumentando que, para a reserva de bens em poder do inventariante, não é necessário que a dívida impugnada seja líquida e certa, mas apenas que conste de documentos capazes de constituir começo de prova.

Daí o recurso especial do espólio de Luiz Rodrigues da Costa no STJ, alegando que os documentos juntados pelos supostos credores não consubstanciam, em hipótese alguma, dívida vencida e exigível. Isso porque a cláusula primeira do contrato de cessão de quotas referente a obrigações relativas a processos de natureza trabalhista ajuizados em São Paulo contra a empresa teria sido discriminada em um anexo que nunca foi juntado aos autos, perdendo, assim, o débito toda sua liquidez e certeza.

Ao examinar a questão, o relator do processo, ministro Aldir Passarinho Junior, argumentou não haver nada a reparar no acórdão recorrido, por entender correto o entendimento do TJ/ES sobre a matéria. Para o ministro Passarinho, embora não se cuide, no caso, de título executivo propriamente dito, basta a configuração de uma dívida documentalmente demonstrada, a critério do juiz, para que se faça a reserva de bens no montante necessário ao pagamento. Além disso, concluiu o relator, cujo voto foi acompanhado pelos demais ministros que compõem a Quarta Turma, a documentação apresentada não tem como voltar a ser reexaminada pelo STJ em face dos termos da Súmula 7 da jurisprudência da Corte, que não admite o reexame de matéria probatória na via do recurso especial.

Matérias relacionadas

Ações de busca e apreensão devem ser julgadas no foro do devedor

Em ações de busca e apreensão, deve prevalecer o foro do devedor, devendo ser afastada do contrato a cláusula abusiva de eleição de foro. A...

Afastada alegação de fraude em contratos descontínuos

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso de um ex-empregado da Indústria...

Recusar mudança de horário não caracteriza indisciplina

O direito do empregador de promover alterações no contrato de trabalho (o chamado jus variandi) só é legítimo quando não causa prejuízo ao...

TST examina atuação do Ministério Público na defesa do erário

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, por maioria, confirmar decisão de segunda instância que rejeitou a atuação do...

A expressão ´negrão`, sem conotação pejorativa, não configura racismo

Não se pode admitir, em momento algum, sendo crime inafiançável e imprescritível, a prática de racismo, atitude repugnante que deve ser...

Empresa de telefone deve indenizar por instalar linha sem solicitação

O juiz auxiliar Eduardo Veloso Lago condenou uma empresa de telefone que instalou uma linha em nome de um músico sem que ele tenha feito o pedido....

Seguradora terá que indenizar por carro roubado em test drive

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma seguradora a indenizar uma concessionária de Uberaba, pelo furto de um...

Bar condenado por poluição sonora

O sossego público é um direito natural e sua proteção tem sido preocupação do mundo civilizado. A liberdade de causar barulho deve cessar...

Radiodifusora que caluniou vereadora é condenada

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um conselho comunitário, proprietário de uma rádio em São Gonçalo do...

Seguradora culpada por falta de assistência médica em viagem ao exterior

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a American Express do Brasil Turismo e Corretagem de Seguros Ltda a pagar indenização...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade