Ações de busca e apreensão devem ser julgadas no foro do devedor

Julgados - Direito Processual Civil - Quarta-feira, 14 de setembro de 2005

Em ações de busca e apreensão, deve prevalecer o foro do devedor, devendo ser afastada do contrato a cláusula abusiva de eleição de foro. A conclusão é da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao dar provimento a recurso do consumidor Lauro Ribeiro Pinto Júnior contra o Banco General Motors S/A.
Apesar de o consumidor residir em Quixeramobim, no Estado do Ceará, e o foro de eleição ser em Recife, Pernambuco, a ação de busca e apreensão foi proposta pelo banco no foro da 9ª Vara Cível da Comarca de João Pessoa/PB.

Em primeira instância, a sentença de primeiro grau rejeitou a incompetência, entendendo que, sendo relativa e não tendo sido manifestada no prazo, a competência foi prorrogada. Ao examinar a apelação, o Tribunal de Justiça da Paraíba, após superar preliminares, concluiu que não se cuida de foro de eleição, pois a ação foi promovida em outro foro (João Pessoa). "Inexiste nos autos registro de qualquer fato que tenha inviabilizado ou venha inviabilizar a defesa do réu/apelante no transcorrer do feito, de sorte que inaplicáveis ao caso as regras do CDC" (Código de Defesa do Consumidor), considerou o TJPB, após examinar o caso.

Para o Tribunal, não há que se falar em reconhecimento de ofício da incompetência do juízo com base nas regras do CDC, quando não demonstrado no processo que a ação em foro diverso do domicílio do devedor tenha dificultado o exercício de sua defesa. "Ausência de dificuldade para o exercício de sua defesa. Inaplicabilidade das regras de competência que norteiam as relações de consumo", diz a ementa da decisão.

No recurso para o STJ, o consumidor alegou que a decisão negou vigência ao artigo 6º, VIII, do CDC, ao firmar a competência da 9ª Vara Cível da Comarca de João Pessoa em detrimento do foro de eleição, comarca do Recife, ou do foro de domicílio do réu, Comarca de Quixeramobim.

O recurso foi conhecido e provido pela Quarta Turma, por unanimidade. "Em se tratando da Lei nº 8.078/90, a competência do foro é absoluta, portanto pode e deve ser suscitada a qualquer tempo, não havendo possibilidade de prorrogação de competência, pelo que cabia às instâncias ordinárias apreciar a questão devidamente", considerou o ministro Aldir Passarinho Junior, relator do caso, ao votar.

Ao dar provimento ao recurso para afastar a competência do foro de João Pessoa, o ministro determinou, ainda, a anulação da sentença e o envio do processo à Comarca de Quixeramobim. "Parece claro que alguém que reside em Quixeramobim, Ceará, terá dificuldades em se defender em uma ação de busca e apreensão intentada, aleatoriamente, em João Pessoa, Paraíba, que nem é o foro eleito contratualmente", concluiu o ministro Aldir Passarinho Junior.

Matérias relacionadas

Afastada alegação de fraude em contratos descontínuos

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso de um ex-empregado da Indústria...

Recusar mudança de horário não caracteriza indisciplina

O direito do empregador de promover alterações no contrato de trabalho (o chamado jus variandi) só é legítimo quando não causa prejuízo ao...

TST examina atuação do Ministério Público na defesa do erário

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, por maioria, confirmar decisão de segunda instância que rejeitou a atuação do...

A expressão ´negrão`, sem conotação pejorativa, não configura racismo

Não se pode admitir, em momento algum, sendo crime inafiançável e imprescritível, a prática de racismo, atitude repugnante que deve ser...

Empresa de telefone deve indenizar por instalar linha sem solicitação

O juiz auxiliar Eduardo Veloso Lago condenou uma empresa de telefone que instalou uma linha em nome de um músico sem que ele tenha feito o pedido....

Seguradora terá que indenizar por carro roubado em test drive

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma seguradora a indenizar uma concessionária de Uberaba, pelo furto de um...

Bar condenado por poluição sonora

O sossego público é um direito natural e sua proteção tem sido preocupação do mundo civilizado. A liberdade de causar barulho deve cessar...

Radiodifusora que caluniou vereadora é condenada

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um conselho comunitário, proprietário de uma rádio em São Gonçalo do...

Seguradora culpada por falta de assistência médica em viagem ao exterior

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a American Express do Brasil Turismo e Corretagem de Seguros Ltda a pagar indenização...

Justiça do Rio conclui que remédio não prejudicou consumidora

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio negou provimento ao recurso de uma consumidora que pedia indenização por dano material e moral...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade