Suposta embriaguez não exime seguradora de indenizar os danos

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 26 de setembro de 2005

O simples fato de o segurado apresentar-se supostamente embriagado, sem a prova inequívoca da quantidade de álcool em seu sangue, não afasta a obrigação da seguradora de ressarcir os prejuízos, principalmente quando não ficou demonstrado, peremptoriamente, ter sido a embriaguez a causa do acidente. Com esse entendimento, em decisão unânime, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça acolheu recurso do motorista profissional Pedro Canisio Christ, da cidade de São José do Hortêncio, no interior do Rio Grande do Sul, contra a Novo Hamburgo Companhia de Seguros Gerais.

Pedro Christ entrou na Justiça com ação de indenização, alegando que, na noite do Ano-Novo de 1997, ofuscado pelo farol de um carro que vinha com luz alta em sentido contrário, chocou-se contra a traseira de um caminhão estacionado na rua, danificando seriamente seu veículo Gol 1000, ano 1995. Ao procurar a seguradora para pedir ressarcimento dos prejuízos, tendo em vista apólice que o segurava contra colisões, incêndio ou roubo até o limite de R$ 10.500,00, foi informado de que a empresa não pagaria o seguro em razão de haver transgredido norma contratual. Segundo a Novo Hamburgo, havia a informação colhida no hospital que o atendera na noite do acidente de que ele se apresentava alcoolizado, depois de passar a noite inteira do reveillon tomando cerveja numa pizzaria da cidade.

Tanto a sentença da juíza de direito da comarca de Novo Hamburgo quanto o acórdão da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado rejeitaram o pedido de Pedro Christ, por entenderem que a embriaguez do segurado exclui a cobertura pela seguradora dos danos sofridos em razão do acidente. Para a Justiça gaúcha, restou evidente no processo que foi o estado de alcoolismo do motorista que ocasionou o acidente, ficando caracterizada a culpa grave do segurado, causa suficiente para afastar qualquer obrigação de indenizar por parte da seguradora.

Daí o recurso especial de Pedro Christ para o STJ, alegando que alcoolizado é diferente de embriagado, sendo que o primeiro estado não constitui motivo para o não-pagamento do seguro, porque a ingestão de bebida alcoólica não implica necessariamente agravamento do risco. Argumentou que não foi feito qualquer exame sangüíneo e o diagnóstico decorreu apenas da aparência do autor, que, após a batida, apresentava tonturas e outras seqüelas decorrentes do acidente em si.

Ao acolher o recurso do segurado do Rio Grande do Sul, o relator do processo, ministro Aldir Passarinho Junior, argumentou que apenas o fato da ingestão de bebida alcoólica não conduz automaticamente ao afastamento da obrigação de indenizar, até porque a cobertura securitária destina-se, precisamente, a cobrir os danos advindos de um possível acidente, e não se espera que tais sinistros sejam sempre causados por terceiros. Na verdade, afirmou o ministro Aldir Passarinho Junior, os acidentes são provocados, na maioria das vezes, pelos próprios segurados, que, agindo com cautela e prudência, pagam um oneroso prêmio para se verem cobertos na eventualidade de um acidente.

Assim, considerando que, embora tenha constado do laudo de atendimento hospitalar que o segurado se apresentava alcoolizado e com escoriações, não foi feita a prova da quantidade de álcool que portava no sangue nem se afirmou, peremptoriamente, que a causa exclusiva do acidente foi a embriaguez do motorista. Acompanharam o entendimento do relator os ministros Jorge Scartezzini, Barros Monteiro, Cesar Asfor Rocha e Fernando Gonçalves, na ordem de votação.

Matérias relacionadas

Indeferida nova perícia em fita com provas de tentativa de homicídio

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) indeferiu o recurso em habeas-corpus em favor de Elineuza Josefa da Conceição, acusada de...

Pessoa física não pode pleitear reparação de danos sofridos pela jurídica

Por unanimidade, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) restabeleceu sentença que extinguiu uma ação reparatória movida por...

Cancelamento de contrato de previdência privada não gera danos morais

A empresa Bradesco Vida e Previdência Seguros S/A não vai ter de pagar indenização por danos morais a cliente cujo contrato de previdência...

Fiança bancária pode substituir penhora sobre faturamento

A empresa Texaco Brasil S/A Produtos de Petróleo conseguiu na Justiça o direito de substituir penhora de 30% do seu faturamento diário por fiança...

Banco que protesta duplicata indevidamente está sujeito a pagar dano moral

A instituição financeira que recebe duplicata por meio de endosso em garantia responde pelos danos decorrentes do protesto indevido, já que...

Moinho de trigo não consegue livrar-se de pagar insalubridade

A defesa do M.T.A. Ltda., do Paraná, não conseguiu reverter no Tribunal Superior do Trabalho a condenação imposta pela segunda instância quanto...

Empresa que instalou câmera em WC é condenada em danos morais

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a agravo apresentado pela empresa Peixoto Comércio, Indústria, Serviços e...

Justiça nega-se a obrigar mulher a fazer exame do vírus HIV

Uma secretária de Belo Horizonte teve negado seu pedido à Justiça para que obrigasse uma paciente da médica para a qual trabalha a fazer o exame...

Vítima de disparos de arma de fogo é indenizada pelo agressor

Um vigilante que recebeu, por motivo fútil, três tiros em sua perna, vai receber indenização do agressor, por danos morais e estéticos, além de...

Justiça nega indenização a empresário contra uma advogada

O juiz da 4ª Vara Cível de Belo Horizonte, Jaubert Carneiro Jaques, negou pedido de indenização por dano moral de um empresário contra uma...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade