Pessoa física não pode pleitear reparação de danos sofridos pela jurídica

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Por unanimidade, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) restabeleceu sentença que extinguiu uma ação reparatória movida por sócia de uma loja que sofreu danos materiais decorrentes de inundação. Os ministros entenderam que ela não teria legitimidade para promover a demanda.

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) havia entendido que o erro material era passível de reparação, e o formalismo da sentença que extinguia o processo era excessivo. Para o tribunal local, o juiz deveria ter dado, de ofício, a oportunidade de a autora sanear o processo.

O ministro Castro Filho, relator do recurso especial, considerou, no entanto, que o reconhecimento da ilegitimidade ativa não pode ser concebido como mero erro material na petição inicial, passível de correção. "Com efeito", afirma o ministro, "iniciado o processo sob uma titularidade, a alteração no pólo ativo ou passivo, por meio de emenda, corresponderia a uma substituição processual, mormente quando é determinada após a citação, hipótese expressamente vedada, salvo exceções não presentes no caso, a teor do artigo 264 do Código de Processo Civil."

No caso, a sócia proprietária da Luz Lite Bazar e Utilidade Ltda. havia proposto ação contra o Condomínio Civil do Shopping Center Iguatemi em razão de prejuízos ocorridos no estabelecimento decorrentes de inundações. Citado, o shopping contestou o pedido. Na audiência de instrução e julgamento, o processo foi extinto sem julgamento do mérito, por ilegitimidade da proprietária para propor a ação.

Se o patrimônio atingido fora o da pessoa jurídica, entendeu o juiz da causa, cabia a ela a legitimidade para buscar sua reparação, não se estendendo tal direito a uma de suas sócias, em razão da falta de previsão legal de substituição processual para tal hipótese.

"O Código de Processo Civil, inspirado na doutrina da Liebman, adotou a teoria eclética, segundo a qual a legitimidade das partes constituiria uma das condições de admissibilidade da ação, ao lado da possibilidade jurídica do pedido e do interesse processual. Ausente uma delas, há a extinção do processo sem julgamento do mérito", explicou o ministro Castro Filho.

Matérias relacionadas

Cancelamento de contrato de previdência privada não gera danos morais

A empresa Bradesco Vida e Previdência Seguros S/A não vai ter de pagar indenização por danos morais a cliente cujo contrato de previdência...

Fiança bancária pode substituir penhora sobre faturamento

A empresa Texaco Brasil S/A Produtos de Petróleo conseguiu na Justiça o direito de substituir penhora de 30% do seu faturamento diário por fiança...

Banco que protesta duplicata indevidamente está sujeito a pagar dano moral

A instituição financeira que recebe duplicata por meio de endosso em garantia responde pelos danos decorrentes do protesto indevido, já que...

Moinho de trigo não consegue livrar-se de pagar insalubridade

A defesa do M.T.A. Ltda., do Paraná, não conseguiu reverter no Tribunal Superior do Trabalho a condenação imposta pela segunda instância quanto...

Empresa que instalou câmera em WC é condenada em danos morais

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a agravo apresentado pela empresa Peixoto Comércio, Indústria, Serviços e...

Justiça nega-se a obrigar mulher a fazer exame do vírus HIV

Uma secretária de Belo Horizonte teve negado seu pedido à Justiça para que obrigasse uma paciente da médica para a qual trabalha a fazer o exame...

Vítima de disparos de arma de fogo é indenizada pelo agressor

Um vigilante que recebeu, por motivo fútil, três tiros em sua perna, vai receber indenização do agressor, por danos morais e estéticos, além de...

Justiça nega indenização a empresário contra uma advogada

O juiz da 4ª Vara Cível de Belo Horizonte, Jaubert Carneiro Jaques, negou pedido de indenização por dano moral de um empresário contra uma...

Apart-hotel condenado a indenizar hóspede por furto em apartamento

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um apart-hotel, da cidade de Viçosa, Zona da Mata, a indenizar uma engenheira...

Advogado bancário não tem jornada de advogado, nem de bancário

Para os juízes da 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o advogado contratado para trabalhar 40 horas por semana para...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade