OAB defende manutenção de recesso forense nos tribunais

Notícias - Advocacia - Segunda-feira, 17 de outubro de 2005

O Pleno do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) decidiu em sua sessão de hoje (17) que o recesso forense na Justiça Federal, previsto como feriado no artigo 62 da lei 5.010/66, não se confunde com as férias coletivas dos tribunais (suspensas pelo artigo 93, XII, da Constituição), devendo ser mantido por ser uma necessidade dos advogados. A decisão, que foi tomada à unanimidade, será apresentada amanhã pelo presidente nacional da OAB, Roberto Busato, ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão encarregado do controle externo do Judiciário.

A OAB apreciou a questão por solicitação do CNJ, que em setembro último enviou ofício a Roberto Busato pedindo que a entidade se manifestasse sobre a matéria. O pedido foi feito tomando como base decisão do próprio CNJ, tomada em junho deste ano, de que o inciso XII do artigo 93 da Constituição Federal - que pôs fim às férias coletivas de janeiro e julho nos tribunais - tinha aplicação imediata e deveria valer já para as férias coletivas que seriam gozadas em julho último.

Para responder ao pedido, o presidente nacional da OAB colheu opiniões junto às Seccionais da entidade e abriu processo no Conselho Pleno, de nº 012/06, que foi votado na sessão de hoje tendo como relator o conselheiro federal pelo Maranhão, Ulisses César Martins de Sousa.

Com o fim das férias coletivas, os prazos processuais, que antes eram suspensos por ocasião das férias forenses, passaram a correr de forma ininterrupta, ficando os advogados, principalmente os que trabalham sozinhos ou em pequenos escritórios, impossibilitados de gozar alguns dias de descanso. Diante dessa realidade, o relator opinou pela necessidade da manutenção do recesso forense nos moldes do que ocorre na Justiça Federal - compreendido entre os dias 20 de dezembro e 6 de janeiro -, estendendo-o, no mesmo período, para a Justiça Estadual.

No entendimento do relator, que foi seguido à unanimidade, nada impede a adoção do recesso forense, recesso este que de forma alguma deve ser confundido com as férias coletivas (agora vedadas pela Constituição). Ainda para Ulisses César, a adoção e uniformização do recesso forense em nada afetarão a prestação jurisdicional, bastando para tanto que o Judiciário se utilize do sistema de plantões, conforme previsto no artigo 93, XII, da Constituição Federal.

A uniformização do período do recesso forense permitirá, conforme o relator, alguns dias de descanso aos advogados que militam na Justiça Federal e na Justiça Estadual. “E nem se diga que isso implicará em prejuízo para os jurisdicionados, pois a realidade tem demonstrado que, nesse período, o Judiciário funciona de forma precária”, afirmou o conselheiro federal pelo Maranhão, acrescentando que não serão esses poucos dias que motivarão o retardamento da prestação jurisdicional. “As medidas urgentes poderão ser apreciadas. O que se pretende apenas é a suspensão dos prazos processuais, da realização de audiências e das intimações de atos processuais”, acrescentou Ulisses César Martins de Sousa.

Ainda durante a sessão, Roberto Busato designou a criação de uma comissão para discutir e apresentar posicionamento quanto à questão das férias forenses nos tribunais.

Matérias relacionadas

OAB da Bahia pune mais de 150 advogados

O Tribunal de Ética da OAB da Bahia julgou mais de 150 processos disciplinares contra advogados este ano, sendo que a maioria dos casos diz respeito...

Nova lei vai abrir fronteiras do Brasil aos estrangeiros

O secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Ferreira Barreto, coordenador da comissão responsável pela elaboração do...

Forma de entrevistas e notícias sobre candidatos em campanha pode mudar

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) analisa o Projeto de Lei 3798/04, do deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), que altera a...

Emenda Constitucional amplia idade para aposentadoria compulsória

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 457/05, que amplia de 70 para 75...

Assinatura básica telefônica pode ser reduzida em até 75%

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática aprovou o texto substitutivo ao Projeto de Lei 6865/02, que reduz em até 75% o...

Deputados discutirão proposta de plebiscito sobre a legalização do aborto

A Comissão de Seguridade Social e Família vai analisar, nas próximas reuniões, a proposta de realização de um plebiscito sobre a legalização...

Construção de presídios municipais é defendida na Câmara

O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), que solicitou audiência promovida pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado para...

Recompensa para denúncia de crimes é criticada por sindicalista

O presidente do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores do Rio Grande do Sul, Isaac Delivan Lopes Ortiz, criticou a iniciativa do...

Projeto amplia penalidades e combate a exploração sexual

A Comissão de Seguridade Social e Família analisa o Projeto de Lei 4018/04, que aumenta de 15 para 30 dias o período de suspensão das atividades...

Desconto para gás que sobra no botijão está sendo analisado

A Comissão de Minas e Energia vai realizar uma audiência pública para discutir o Projeto de Lei 5120/05. Pela proposta, os revendedores de gás de...

Temas relacionados

Notícias

Advocacia

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade