´Caddie` não é empregado de clube de golfe

Julgados - Direito do Trabalho - Quinta-feira, 20 de outubro de 2005

Para a 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, o caddie – carregador de tacos de golfe – que não sofre controle de horário por parte do clube onde trabalha e é contratado e pago diretamente pelo praticante do esporte, não é empregado do clube. O entendimento da turma foi firmado no julgamento do Recurso Ordinário de um caddie, contra sentença da 2ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo (SP).

O carregador entrou com processo na Justiça do Trabalho de São Bernardo do Campo (SP), reclamando vínculo empregatício com a empresa Great Brasil Comércio e Administração de Clubes de Golfe Ltda.

Ele sustentou que, embora fosse contratado e prestasse serviço diretamente aos jogadores de golfe, a administradora do campo controlava e fixava regras para suas atividades. Para o caddie, a contratação tinha todas as características previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT): pessoalidade, subordinação, não eventualidade e remuneração.

A Great Brasil reconheceu que o reclamante prestava serviço aos golfistas do clube. A administradora alegou, contudo, que apenas permite aos caddies que trabalhem no local, que não os designa, não fixa sua remuneração e não os paga.

Como a vara negou o vínculo ao carregador, ele recorreu ao TRT-SP sustentando que a administradora, ao reconhecer que ele trabalhava em suas dependências, atraiu para si o ônus de provar que relação de emprego não existiu.

Para o juiz Eduardo de Azevedo Silva, relator do Recurso Ordinário no tribunal, a simples permissão para prestação de serviço a terceiros em suas instalações, não configura o vínculo.

De acordo com o relator, o reclamante não provou que "tenha sido contratado pela ré. Não está provado que recebia dela a contraprestação do serviço. Na está provado que era obrigado a cumprir horário ou a se apresentar nesse ou naquele dia. Não está provado que permanecia no local à disposição da ré. Nada disso está provado."

"O que se provou mesmo é que o recorrente trabalhava para os golfistas e deles recebia a remuneração, diretamente. O que se provou mesmo é que os golfistas é que escolhiam os caddies e com eles tratavam diretamente do serviço e da remuneração. O que o depoimento das testemunhas permite concluir é que a ré apenas permitia que os caddies trabalhassem no local", observou.

Para o juiz Azevedo Silva, "num tal contexto, não há mesmo elementos suficientes para se dizer que o recorrente era empregado da ré. Nem mesmo com muito esforço".

A 3ª Turma acompanhou o voto do relator, por unanimidade, negando ao caddie o vínculo empregatício com a Great Brasil.

Matérias relacionadas

Mantida indenização de empresa de transportes a vítima de acidente

Mantida a indenização por danos morais e estéticos que a empresa de transporte coletivo terá de pagar a passageiro ferido em acidente com um dos...

Auxiliar de farmácia não pode assumir responsabilidade técnica por drogaria

O auxiliar de farmácia não é habilitado para assumir a responsabilidade técnica por drogaria. O entendimento unânime é da Segunda Turma do...

Dano moral e patrimonial são cumuláveis, mesmo para fato anterior à CF/88

Três filhos de uma vítima morta em acidente de trânsito ocorrido em 1987 conseguiram reformar decisão de segunda instância da Justiça de São...

Prescrição para recusa de seguradora a pagar indenização é de um ano

Em caso de recusa de seguradora ao pagamento da indenização contratada, o prazo prescricional para entrar na Justiça contra a empresa é de um...

Espólio indenizará jurista por dano moral devido à ofensas pela imprensa

O espólio do falecido ministro Sérgio Mota terá que pagar indenização por danos morais causados ao professor e jurista Celso Antonio Bandeira de...

Estabilidade de dirigente de cooperativa é direito irrenunciável

A ausência de ressalvas por parte do trabalhador na assinatura da quitação das verbas rescisórias não implica a renúncia tácita ao direito à...

Adicional de 1/3 é devido quando as férias são pagas em dobro

A CLT prevê uma sanção ao empregador que não concede férias ou que as concede após o prazo legal. Quando isso ocorre, ele é obrigado a pagar...

Suspenso levantamento de quantia penhorada até julgamento de embargos

O Banco Bradesco S/A obteve a sustação de levantamento de quantia penhorada em execução proposta pelo Município de São Leopoldo. A sustação...

Banco condenado a indenizar por clonagem de cartão

Por unanimidade, a 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve a condenação do Banrisul a indenizar o dano material...

Cooperativa médica condenada a pagar a colocação de stent

Uma cooperativa médica de Belo Horizonte foi condenada pela 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais a cobrir uma cirurgia...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade