Sucessão entre entes públicos permite continuidade de vínculo

Julgados - Direito do Trabalho - Terça-feira, 25 de outubro de 2005

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve o reconhecimento da unicidade contratual de uma ex-funcionária da Companhia de Construções Escolares de São Paulo (Conesp), que, após sua extinção, foi sucedida pela Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE). A continuação do vínculo empregatício garantiu à ex-empregada a estabilidade prevista no art. 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para os funcionários públicos que, na promulgação da Constituição Federal, em 1988, contassem com no mínimo cinco anos de serviço público.

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (2ª Região) havia, em julgamento de recurso ordinário, reconhecido a existência de sucessão entre a FDE e a Conesp, declarando a nulidade da dispensa da funcionária e condenando a Fundação ao pagamento de verbas referentes a salários vencidos e vincendos, anuênios, 13º salários, licença-prêmio e FGTS desde a data da demissão até a efetiva reintegração.

O Ministério Público do Trabalho, porém, recorreu ao TST alegando que a funcionária havia trabalhado para a Conesp de julho de 1983 a fevereiro de 1988, e para a FDE de fevereiro de 1988 a junho de 1999 – e que durante o curso do contrato firmado com a Fundação ela teria levantado os valores referentes ao FGTS. No recurso ordinário, o TRT havia adotado a tese de que o fato de a funcionária ser servidora celetista, regida pelo FGTS, não impediria o reconhecimento de sua estabilidade.

O relator do recurso de revista do Ministério Público no TST, ministro Carlos Alberto Reis de Paula, observou que, “antes da Constituição de 1988, a Administração direta e indireta podia admitir servidores regidos pela CLT ou pelo FGTS. O art. 19 do ADCT, ao reconhecer a estabilidade especial aos servidores civis, não fez distinção entre o servidor regido pela CLT e o regido pelo FGTS.”

O relator ressaltou que o único pressuposto para o reconhecimento da estabilidade “era a prestação continuada de pelo menos cinco anos de serviço público”. De acordo com seu voto, “isso ficou incontroverso porque o Regional foi enfático no sentido de que a reclamante firmou contrato com a Conesp – de cujo exame da lei de criação se depreende que a Fazenda Nacional figurava como acionista majoritária, estatal, portanto, o seu capital -, que foi sucedida pela FDE, cujas atribuições incluíram também as da Conesp, o que permite concluir pela existência de sucessão entre a Conesp e a FDE, sendo irrelevante se a funcionária preencheu proposta de emprego da FDE e levantou os valores da conta vinculada.”

Matérias relacionadas

Correção de FGTS de contas ativas não exige execução autônoma

A correção de contas vinculadas ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) pela Caixa Econômica Federal (CEF) é obrigação de fazer e...

Permitida a devolução de bens apreendidos de Editora

Está mantida a decisão que anulou a apreensão e determinou a devolução de bens e material didático à editora do Paraná, em ação que...

Acusado de matar por causa de comentário no Orkut obtém liberdade

Por falta de fundamentação no decreto de prisão, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas-corpus a Luiz Jorge Júnior,...

Débito de ICMS pode ser quitado com precatórios devidos pelo Estado

A Vinícola Monte Lemos Ltda. obteve reconhecida pela 21ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul a possibilidade de ofertar ao...

Anulada decisão que determinava desconto de contribuição sindical

O Juiz de Direito Niwton Carpes da Silva, da 3ª Vara da Fazenda Pública da Capital, tornou sem efeito a sua decisão liminar em que determinava ao...

Salineira terá de pagar R$150 mil à família de vítima de atropelamento

O juiz Luiz Fernando de Andrade Pinto, da 10ª Vara Cível do Rio de Janeiro, condenou a empresa de ônibus Auto Viação Salineira, que atua na...

Empresa de ônibus punida por não socorrer passageiro agredido em assalto

A 46ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a Viação Ideal a pagar R$ 12 mil de indenização por danos morais a Hilmar de Almeida Santos,...

Mandado de segurança não é substitutivo de ação de cobrança

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento ao recurso de Maria Berenice Pinho da Silva interposto contra decisão do...

Garantida indenização a judoca que ficou tetraplégico durante treino

Ficou mantida a decisão que garantiu indenização ao judoca angolano Rui Nuno Fernandes. O ex-atleta, residente no Rio de Janeiro, ganhou o direito...

Bem de família é penhorável por débitos previdenciários com doméstico

Na exceção legal da "penhorabilidade" do bem de família não se incluem os débitos previdenciários que o proprietário do imóvel possa ter em...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade