Multa administrativa prescreve em cinco anos, e não em vinte

Julgados - Direito Ambiental - Segunda-feira, 7 de novembro de 2005

O Estado do Rio de Janeiro não conseguiu, no Superior Tribunal de Justiça, reverter a decisão do Tribunal de Justiça (TJ/RJ) daquele estado que reconheceu haver sido atingida pela prescrição a execução fiscal movida contra o Clube Central, da Praia de Icaraí. Em decisão unânime, a Segunda Turma do STJ manteve integralmente o acórdão, embora por fundamento diferente do usado pelos desembargadores, reconhecendo que o prazo para o ente estatal cobrar o débito era de cinco anos, e não de vinte, como pretendia ver assegurado.

O Estado do Rio de Janeiro entrou com recurso especial contra a posição do TJ/RJ, alegando que, por não se tratar de crédito de natureza tributária, a prescrição, na ausência de norma específica aplicável ao caso, deveria ser de 20 anos, aplicando-se ao caso, por analogia, o prazo previsto no Código Civil. Queria, por isso, o direito de prosseguir com a execução fiscal que moveu contra o Clube, para receber a multa que lhe aplicou por infringência às normas do meio ambiente.

Ao negar provimento ao recurso, a relatora do processo, ministra Eliana Calmon, argumentou que não se aplica à hipótese a prescrição constante do Código Civil, como pretendia o recorrente, porque a relação de direito material que originou o crédito em cobrança foi uma relação de Direito Público, em que o Estado, com seu poder de império, impôs ao administrado multa por infração. Também, não se aplicariam ao caso as normas do Código Tributário Nacional, uma vez que não se questiona o pagamento de crédito tributário, mas valores cobrados a título de multa, pena pecuniária de natureza eminentemente administrativa.

Para a ministra, na ausência de uma definição legal específica sobre a matéria, o prazo prescricional para a cobrança da multa, crédito de natureza administrativa, deve ser fixado em cinco anos, até porque não seria legítimo gozarem a União, o estado ou o município de tratamento diferenciado em relação ao administrado, principalmente quando não se verifica risco de prejuízo ao interesse público. A ministra lembrou os termos do artigo primeiro do Decreto 20.910, de janeiro de 1932, que fixa em cinco anos, contados da data do ato ou do fato que originou a cobrança, a prescrição das dívidas passivas tanto da União, quanto dos estados e dos municípios, bem como de todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda Federal, estadual ou municipal.

Negou, por isso, provimento ao recurso do Estado do Rio de Janeiro em voto que foi acompanhados pelos ministros João Otávio de Noronha e Castro Meira. Não participaram do julgamento os ministros Francisco Peçanha Martins e Franciulli Netto.

Matérias relacionadas

TST pune empresa por recursos protelatórios

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho determinou a incidência de duas multas sobre uma empresa...

Rejeitada prorrogação do prazo de recurso motivada por acidente

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão da segunda instância que julgou intempestivo recurso apresentado fora do prazo...

Unisul condenada por conceder férias sem pagar adiantamento

A Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) foi condenada a pagar férias em dobro a um ex-empregado que usufruiu o período de descanso mas...

Defeito em veículo determina redução no preço e dano moral

Consumidora tem direito ao abatimento proporcional do preço de veículo defeituoso e ressarcimento por dano moral. Ela comprou um Ford Focus 1.8 L...

Fabricante de cachaça ganha direito de usar a marca Havana

Fabricante de aguardente da cidade de Salinas, em Minas Gerais, conseguiu uma tutela antecipada que garante o direito de continuar a utilizar a marca...

Estado condenado por morte em blitz da polícia

A Oitava Câmara Cível do Tribunal de Justiça condenou o Estado de Minas Gerais a indenizar em R$ 30.000,00 os parentes do pedreiro M.V., morto...

Vigilante desarmado não é obrigado a trabalhar em local perigoso

Embora o risco seja inerente à atividade do vigilante, sua designação para trabalhar em local de risco sem a garantia mínima de segurança...

Hospital condenado a indenizar mãe de bebê seqüestrado

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a Santa Casa da Misericórdia de Barra Mansa a pagar indenização de R$ 15 mil a Renata...

Auxílio-combustível não se estende aos proventos de servidor inativo

O auxílio-combustível possui natureza temporária e "pro labore", sendo incabível, portanto, sua extensão aos inativos. Com esse entendimento, a...

Venda de veículo alienado a terceiro de boa-fé não pode ser anulada

Ex-proprietária de veículo alienado vendido, sem seu consentimento, a terceiro de boa-fé não conseguiu anular a transação comercial e, com...

Temas relacionados

Julgados

Direito Ambiental

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade