Juíza determina suspensão da anulação de 11 partidas do Brasileirão

Julgados - Direito Civil - Domingo, 20 de novembro de 2005

A Juíza de Direito Munira Hanna, do 1º Juizado da 1ª Vara Cível, do Foro Central de Porto Alegre, determinou nesta sexta-feira (18/11) a suspensão dos efeitos da decisão que anulou 11 partidas realizadas pelo Brasileirão – Campeonato Brasileiro de Futebol – Série ´A´ - proferida pelo Presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Luiz Zveiter. A decisão restabelece a situação existente no campeonato antes da decisão liminar do STJD.

A liminar da magistrada atendeu, em parte, a pedido postulado por torcedor do Sport Club Internacional, Leandro Konrad Konflanz, em ação ordinária protocolada nesta quinta-feira, 17/11, no Foro Central de Porto Alegre. O autor alegou que a decisão do Dr. Luiz Zveiter, por provocação da Procuradoria de Justiça Desportiva, incorreu em ilegalidades e inconstitucionalidades.

Pediu Konflanz que fossem suspensos os efeitos da decisão do STJD e que a CBF se abstivesse de computar, para todos os clubes envolvidos, os pontos obtidos nas onze partidas, outra vez realizadas em decorrência da decisão, até que restem efetivamente comprovados os efeitos da atuação do árbitro Edílson Pereira de Carvalho em cada jogo.

Entendeu a Juíza Hanna que não pode a decisão proferida pelo STJD ser mantida, enquanto não provado, de forma efetiva, a prática do ilícito por parte do árbitro de futebol. Afirmou que houve afronta à Constituição Federal e a dispositivos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Observou a magistrada que a apuração dos fatos no âmbito da Justiça Desportiva ocorreu em uma semana, sem que fosse possibilitada a produção de prova da prática do ato ilícito.

Destacou que o “comportamento técnico do árbitro é analisado, após cada jogo, pela Comissão de Arbitragem da CBF, para fins de escalações futuras – no entanto, nenhuma vedação ocorreu posteriormente aos jogos anulados, o que leva a concluir que a Comissão não flagrou nenhuma irregularidade técnica”. “O que leva a concluir, novamente, pela necessidade da produção de prova, pois não houve a formação do contraditório”, afirmou.

Para a Juíza de Direito Munira Hanna, há violação ao princípio da proporcionalidade na arbitrária decisão liminar concedida pelo Presidente do STJD, quanto à anulação de onze jogos do Campeonato Brasileiro de Futebol, “quando sequer houve vedação de escalação futura do árbitro Edison Pereira de Carvalho”.

A magistrada oficiou ao Departamento Técnico da CBF para que cumpra a liminar, sob pena de multa diária R$ 100 mil.

Matérias relacionadas

Basta ao trabalhador afirmar que precisa de Justiça Gratuita

Para os juízes da Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), mesmo assistido...

OAB-ES ganha liminar que isenta advogados do ISS

A Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo) obteve liminar na Justiça estadual suspendendo a cobrança de ISS (Imposto Sobre...

Bridgestone Firestone obtém isenção de multa por litigância de má-fé

A Bridgestone Firestone do Brasil Indústria e Comércio Ltda não terá que pagar multa por litigância de má-fé a G&C Comercial Ltda. A decisão...

Interrupção de sustentação oral para almoço é cerceamento de defesa

A interrupção da sustentação oral da defesa diante do Tribunal do Júri configura constrangimento ilegal e leva à anulação do julgamento. A...

Corte de energia é ilegal se a dívida está sendo contestada judicialmente

Um consumidor de São Paulo garantiu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o direito ao fornecimento de energia elétrica enquanto contesta...

Empregado que entrou em frigorífico 30x por dia ganha insalubridade

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso do Grupo Pão de Açúcar (Companhia Brasileira de Distribuição) e manteve a...

TST reconhece validade de PDV do Banco de Santa Catarina (Besc)

A Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu como válido o plano de incentivo à demissão voluntária instituído...

Montadora é obrigada a vender veículo conforme propaganda

O Código de Defesa do Consumidor deu à propaganda a natureza jurídica de um contrato. Com esse entendimento, a 11ª Câmara Cível do Tribunal de...

Universidade deve indenizar dona de carro furtado em seu estacionamento

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma universidade localizada em Alfenas, sul de Minas, a indenizar, por danos...

Menor atropelado será indenizado por empresa de ônibus

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma empresa de ônibus a indenizar um menor atropelado. O motorista fugiu sem...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade