Taxa do Ecad pode ser extinta para música ambiente

Notícias - Direito Civil - Sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5943/05, do deputado Antônio Cambraia (PSDB-CE), que dispensa hotéis, motéis, restaurantes, bares e similares do pagamento de direitos autorais ao Escritório Central de Arrecadação (Ecad) sobre execução de música ambiente.

Os estabelecimentos que tornam disponíveis aos clientes equipamentos sonoros ou audiovisuais, nos quartos ou apartamento de hotéis, hospedagens ou similares também estão isentos do pagamento, segundo a proposta.

Cambraia argumenta que a Lei 9610/98, que regulamenta a cobrança de direitos autorais por execução de obras musicais e audiovisuais, não deixa claro se hotéis, motéis, restaurantes, bares e similares devem pagar ao Ecad pelas músicas, filmes e outras obras que veiculam. A incerteza, afirma, acaba inibindo investidores que desejam aplicar no setor.

O projeto de Cambraia prevê que hotéis, motéis, restaurantes, bares e similares só pagarão direitos autorais ao Ecad no caso da realização de eventos fechados. Se não houver cobrança de entrada, o valor a ser pago terá como base a metragem do local onde houver veiculação musical ou audiovisual. Se houver cobrança de entrada, o valor dos direitos autorais será calculado com base no número de pessoas que comparecerem.

Cambraia afirma que a aprovação do PL 5943/05 é importante "para que as empresas possam ter a certeza do quanto devem, a fim de poder investir, gerando assim mais renda e emprego para o País". Segundo o deputado, o projeto igualmente terá impacto positivo no desenvolvimento do turismo, "o que traz divisas externas para o Brasil", ressalta.

Para o deputado, a cobrança de direitos autorais, dessa forma, prejudica o interesse social, pois impede a "geração de empregos em um país de desempregados". Ele discorda do argumento de que a medida provocaria prejuízo financeiro para os titulares dos direitos autorais, já que são remunerados por emissoras de rádio e canais de televisão e pela venda de suas composições.

O texto foi apensado ao PL 3968/97, do ex-deputado Serafim Venzon, que desobriga os órgãos públicos e as entidades filantrópicas do pagamento de direitos autorais pelo uso de obras musicais e lítero-musicais nos eventos que promoverem. Ambos serão examinados pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, e estão sujeitos à deliberação do Plenário.

Matérias relacionadas

Benefício a deficiente empregado pode ter extinção gradual

A Câmara analisa a revisão do benefício pago pela Previdência Social aos portadores de deficiência, no caso de ingresso da pessoa no mercado de...

Cobrança de diferenças em conta telefônica pode ser proibida

As prestadoras de serviços de telefonia fixa ou móvel poderão ser proibidas de cobrar, em suas contas mensais, diferenças referentes a faturas...

Equipamento de som pode ter advertência sobre riscos à saúde

A Câmara aprovou o Projeto de Lei 1640/99, do Senado, que obriga o fabricante ou importador de equipamento de som a incluir aviso de advertência...

Servidor que adiar aposentadoria pode ficar isento do Imposto de Renda

Os servidores públicos efetivos que optarem por permanecer em atividade, após terem preenchido as condições para aposentadoria com proventos...

Projeto restringe cenas de nudez na televisão

A Câmara analisa restrições à difusão de imagens de nudez na programação e nas inserções publicitárias na televisão. A proposta (Projeto...

Emenda Constitucional acaba com foro privilegiado para deputado e senador

A Proposta de Emenda à Constituição 470/05, do deputado Anselmo (PT-RO), acaba com o foro privilegiado para deputados e senadores, que atualmente...

Venda casada em licitação de informática pode acabar

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou a desvinculação das licitações públicas para compra de hardware...

Dívidas com INSS poderão ser parceladas

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio aprovou o parcelamento dos débitos das micro e pequenas empresas relativos às...

Tribunais poderão decidir sobre recesso forense

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou o texto final de sua Resolução nº 08, que autoriza os Tribunais de Justiça estaduais a suspender,...

OAB tenta evitar greve no Judiciário de Mato Grosso

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso, Francisco Faiad, se manifestou contrário a possibilidade de deflagração de greve no...

Temas relacionados

Notícias

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade