Ex-noiva recupera investimento feito em moradia

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 30 de maio de 2005

A 1ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina confirmou sentença da Comarca de Tubarão e manteve decisão de condenar um jovem a indenizar sua ex-noiva pelo auxílio prestado por ela na construção do que viria a ser o novo lar do casal.

Segundo os autos, F.J.D.N e M.P foram noivos por quatro anos, entre 1993 e 1996, na cidade de Tubarão. Neste período, F. estava construindo uma residência que serviria de morada aos noivos após o planejado casamento.

Como atravessava dificuldades financeiras, o rapaz recebeu auxílio da noiva, que garante ter contribuído com aproximadamente R$ 5 mil para a conclusão da obra. Este dinheiro teria sido utilizado na compra de telas, pagamento de mão de obra e material para reboco externo e interno, além de aquisição de janelas, fechaduras e portas.

Ela relatou em juízo que para custear os gastos com a obra entregava ao noivo cheques e também dinheiro em espécie, além de efetuar depósitos em sua conta bancária.

Quando houve o rompimento do relacionamento, F. teria se comprometido a vender o imóvel para, em seguida, ressarcir sua ex-noiva dos valores investidos na construção da casa. A transação comercial, aliás, chegou a ocorrer, com a venda da residência por R$ 40 mil. O repasse dos valores à noiva, contudo, ficou na promessa.

Em seu depoimento, F. admitiu o relacionamento com M. e também a construção de seu imóvel em igual período. Negou, entretanto, ter recebido qualquer auxílio, afiançando ter erguido o imóvel tão somente com recursos próprios.

Testemunhas ouvidas, contudo, confirmaram a colaboração da noiva na edificação da casa. O pleito indenizatório foi atendido pelo juiz Jairo Fernandes Gonçalves.

Descontente com a sentença, F. interpôs apelação cível junto ao TJ, onde ficou reconhecido que a ex-noiva trouxe aos autos documentos atestando depósitos efetuados na conta de F, assim como recibos e cheques, em valor aproximado de R$ 2 mil.

Embora tenha impugnado estes documentos, sob argumento de que não atingiam o valor postulado, o noivo não fez o mesmo em relação ao total pleiteado (R$ 5 mil) e tampouco àquele recebido pela venda do seu imóvel (R$ 40 mil).

Foi acolhida então a alegação da autora, de que teria efetivamente gasto a importância de R$ 5 mil no imóvel, valor que deve receber da parte ré, sob pena de enriquecimento ilícito desta.

Matérias relacionadas

Professora denegrida por prefeito ganha indenização

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em apelação cível relatada pelo Desembargador Wilson Augusto do Nascimento, confirmou decisão proferida...

Financeira deve indenizar titular de cheques furtados

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul proveu a apelação de um casal de correntistas da Caixa Econômica Federal contra a sentença que negou...

Rejeitada pré-contratação de horas extras de bancário

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou a pretensão do Banco Bozano Simonsen S.A. de validar a pré-contratação de horas extras...

Ônus da prova para obtenção do vale-transporte é do empregado

O Tribunal Superior do Trabalho isentou uma empregadora a pagar vale-transporte a uma empregada doméstica por esta não ter comprovado a necessidade...

Empregada que engravida durante aviso prévio trabalhado é estável

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito da trabalhadora à estabilidade provisória quando a gravidez tem início durante o aviso...

Afastada caraterização de confiança em cargo de editor-chefe

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI 1) do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação imposta à TV RBS, de...

Exame das Comissões de Conciliação Prévia é obrigatório

Os trabalhadores têm de submeter suas controvérsias às Comissões de Conciliação Prévia, quando existentes na empresa ou no sindicato da...

Referência funcional negativa leva motorista a pedir indenização

O Tribunal Superior do Trabalho determinou que o TRT da Bahia (5ª Região) julgue o mérito da ação trabalhista na qual um motorista de ônibus...

Justiça do Trabalho diz que carro alienado pode ser bloqueado

O veículo adquirido a prestação não pode ser penhorado, pois ainda não está incorporado definitivamente ao patrimônio do executado....

Trabalhador avulso tem direito a vale-transporte

Os trabalhadores avulsos têm direito a vale-transporte, mesmo que o benefício não conste da relação de seus direitos constitucionais ou em lei,...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade