Diciona

Registro público de gravidez poderá ser obrigatório

Notícias - Direito Civil - Segunda-feira, 30 de Maio de 2005

O profissional de saúde ou o hospital que atender a uma gestante será responsável pela emissão obrigatória de um registro público da gravidez, caso seja aprovado o Projeto de Lei 5044/05.

De autoria do deputado Milton Cardias (PTB-RS), a proposta modifica o Código Civil (Lei 10406/02), com o objetivo de proporcionar o controle e a salvaguarda da vida desde a concepção.

O parlamentar ressalta que o registro será útil para a punição da prática ilegal de aborto. São raros os casos de aborto julgados pela Justiça de nosso País. Tudo se dá em ambiente a tornar impossível tanto o conhecimento do fato quanto a coleta de provas, declara.

O estabelecimento que não emitir o atestado de gravidez estará sujeito à multa, se aprovado o projeto.

De acordo com Milton Cardias, apesar de o Código Civil estabelecer que a personalidade civil começa com o nascimento, a lei protege, desde a concepção, os direitos do nascituro.

O deputado questiona qual seria a razão para o legislador ter omitido a obrigatoriedade de registrar a gravidez se nossa lei manda registrar e averbar, sob pena de não produzir efeitos, escrituras, emancipações, interdições, separações, divórcios e nascimentos.

O projeto, que tramita em caráter conclusivo, está sendo analisado pela Comissão de Seguridade Social e Família, tendo como relator o deputado Nilton Baiano (PP-ES).






Todos os direitos reservados

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização

Política de Privacidade | Editorial | Contato