Permitido levantar FGTS por rescisão sem justa causa em sentença arbitral

Julgados - Direito do Trabalho - Segunda-feira, 13 de junho de 2005

O Superior Tribunal de Justiça entendeu que, configurada a demissão sem justa causa, não há como negar o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) sob o fundamento de que o ajuste arbitral celebrado entre as partes é nulo por versar sobre direito indisponível.

Dessa forma, os ministros indeferiram o pedido da Caixa Econômica Federal (CEF) para reformar decisão que permitiu o pagamento do FGTS a Pedro Eleutério dos Santos.

Santos, juntamente com o seu ex-empregador, Construtora Sol Empreendimento Imobiliário Ltda, elegeram o procedimento arbitral para solucionar o litígio trabalhista entre ambas, referente à rescisão contratual sem justa causa, conforme compromisso arbitral firmado entre ambas.

Dentre as determinações constantes da sentença estava o pagamento do FGTS a Santos, a ser efetuado a partir da entrega da guia do termo de rescisão do contrato de trabalho. Entretanto, a CEF entendeu que a sentença arbitral não constitui documento hábil a determinar a liberação do Fundo.

Dessa forma, a CEF apelou, e o Tribunal Regional Federal da 1ª Região confirmou a sentença considerando que, verificada a rescisão contratual sem justa causa, comprovada nos autos por sentença arbitral, cabível é o levantamento do saldo existente na conta vinculada ao FGTS do empregado.

No STJ, a CEF sustentou que a decisão do Tribunal Regional, ao firmar o entendimento de que o empregado teria implementado direito ao saque por restar configurada a despedida sem juta causa, teria negado vigência ao artigo 20, inciso I, da Lei nº 8.036/90.

Para o relator, revela-se inaceitável a postura da CEF consistente na recusa em liberar o levantamento do saldo do FGTS ao trabalhador despedido sem justa causa. O princípio da indisponibilidade dos direitos trabalhistas milita em favor do empregado e não pode ser interpretado de forma a prejudicá-lo, como pretende a recorrente, disse.

O ministro afirmou, ainda, que também é desnecessária a homologação da demissão por parte do respectivo sindicato ou de representante do Ministério do Trabalho e, assim, não resta configurada violação do artigo 477 da CLT.

Matérias relacionadas

Aluno em atraso há mais de 90 dias não tem direito à renovar matrícula

O atraso no pagamento de mensalidades escolares por período superior a 90 dias, mesmo que de uma única parcela, autoriza a entidade de ensino a...

Tempo de serviço rural reconhecido mesmo tendo havido atividade urbana

A Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais fixou entendimento que reconhece a possibilidade de concessão...

Cláusula que autoriza desconto em folha relativo a empréstimo é legal

O Superior Tribunal de Justiça decidiu ser legal a cláusula contratual que autoriza o desconto em folha de débito relativo a empréstimo...

Confirmada prevalência de acordo sobre convenção coletiva

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a prevalência de um acordo coletivo - pacto entre sindicato dos trabalhadores e empresa - sobre uma...

Há periculosidade em caso de radiação ionizante

O Tribunal Superior do Trabalho confirmou a condenação imposta pela segunda instância à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre...

É válida a demissão de empregado em disponibilidade

A Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho admitiu a possibilidade de demissão de empregado não-...

Mãe adotiva é equiparada à biológica para assegurar licença

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito da mãe adotiva à licença-maternidade, ainda que à época da adoção não houvesse essa...

Excluídos juros de mora em precatório de atualização do débito

O Tribunal Superior do Trabalho julgou indevida a incidência de juros de mora sobre o valor referente à atualização monetária de débito...

TST adequa Orientação Jurisprudencial nº 79 à Súmula do STF

O Tribunal Superior do Trabalho decidiu modificar a redação da Orientação Jurisprudencial nº 79 da Subseção de Dissídios Individuais-1...

Deve haver manifestação expressa em caso de renúncia a direitos

A Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que, quando se trata de renúncia do empregado a...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade