Há periculosidade em caso de radiação ionizante

Julgados - Direito do Trabalho - Quarta-feira, 15 de junho de 2005

O Tribunal Superior do Trabalho confirmou a condenação imposta pela segunda instância à Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (RS), mantenedora do Hospital Santo Antônio, a pagar adicional de periculosidade a uma auxiliar de enfermagem que trabalhava exposta a radiações ionizantes.

A radiação ionizante é liberada durante atividades de operação de aparelhos de raio-x médicos e odontológicos e, de acordo com recente decisão do TST, o trabalhador exposto a esse tipo de agente tem direito ao adicional de periculosidade.

A decisão ocorre depois que o TST unificou o entendimento sobre a questão. Em função das normas do Ministério do Trabalho sobre o assunto, havia uma divergência entre as Turmas do Tribunal sobre qual tipo de adicional seria devido ao trabalhador exposto a esse tipo de agente nocivo: se o de periculosidade ou o de insalubridade.


Após decidir que o adicional devido é o de periculosidade, o TST aprovou a Orientação Jurisprudencial nº 345 nesse sentido.

A Santa Casa de Misercórdia de Porto Alegre recorreu ao TST contra decisão do TRT do Rio Grande do Sul (4ª Região) que garantiu a uma auxiliar de enfermagem o direito ao adicional de periculosidade.

A moça exercia suas atividades na sala de pneumologia do Hospital Santo Antonio. Ela auxiliava no posicionamento das crianças submetidas aos exames de raio-x.

Ao deferir o adicional de periculosidade, o TRT/RS baseou-se na Portaria 3.393/87 do Ministério do Trabalho, que incluiu entre as atividades de risco potencial aquelas que expõem o trabalhador a radiações ionizantes ou a substâncias radioativas.

O entendimento do TST é o de que a regulamentação do Ministério do Trabalho, por meio da Portaria que inseriu a atividade como perigosa, reveste-se de plena eficácia, visto que foi expedida por força de delegação legislativa contida no artigo 200 da Consolidação das Leis do Trabalho.

Esse dispositivo da CLT transferiu ao Ministério do Trabalho a edição de normas sobre proteção do trabalhador exposto a substâncias químicas nocivas, radiações ionizantes e não-ionizantes, ruídos, vibrações e trepidações ou pressões anormais ao ambiente de trabalho, com especificação das medidas cabíveis para eliminação ou atenuação desses efeitos, limites máximos quanto ao tempo de exposição, à intensidade da ação ou de seus efeitos sobre o organismo do trabalhador.

A exposição às radiações ionizantes ou substâncias radioativas foi considerada inicialmente como atividade de risco potencial, conforme a Portaria nº 3.393 de dezembro de 1987.

Em dezembro de 2002, contudo, o Ministério do Trabalho baixou nova norma (Portaria nº 496) prevendo o adicional de insalubridade. Uma terceira alteração sobreveio e restabeleceu a diretriz inicial, assegurando, com a Portaria nº 518 (07.04.2003), a percepção do adicional de periculosidade.

A Portaria atual, segundo o ministro Dalazen, afastou a tese de que não há respaldo legal para a concessão do adicional de periculosidade ao trabalhador em contato com radiações.

Matérias relacionadas

É válida a demissão de empregado em disponibilidade

A Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho admitiu a possibilidade de demissão de empregado não-...

Mãe adotiva é equiparada à biológica para assegurar licença

O Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito da mãe adotiva à licença-maternidade, ainda que à época da adoção não houvesse essa...

Excluídos juros de mora em precatório de atualização do débito

O Tribunal Superior do Trabalho julgou indevida a incidência de juros de mora sobre o valor referente à atualização monetária de débito...

TST adequa Orientação Jurisprudencial nº 79 à Súmula do STF

O Tribunal Superior do Trabalho decidiu modificar a redação da Orientação Jurisprudencial nº 79 da Subseção de Dissídios Individuais-1...

Deve haver manifestação expressa em caso de renúncia a direitos

A Seção Especializada em Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que, quando se trata de renúncia do empregado a...

Validado acordo que desistiu de reajuste fixado em sentença

A Seção de Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho julgou válido acordo coletivo em que o sindicato desiste de reajuste...

Delegado sindical não tem direito à estabilidade provisória

O delegado sindical não é beneficiário da estabilidade provisória comum aos dirigentes sindicais, uma vez que não está submetido a processo...

Garantido trâmite de ação sobre dano moral em concurso público

O Tribunal Superior do Trabalho declarou a competência da Justiça do Trabalho para o exame de indenização por dano moral envolvendo aprovados em...

Dispensa de ação de execução impede embargos do executado

A dispensa da ação de execução autônoma impede a admissão de embargos apresentados pelo executado. É a segunda decisão do Superior Tribunal...

Permanece a pena restritiva de direitos havendo motivo justificado

Se um acusado descumprir a pena de pagamento de multa por motivo justificado, não é possível converter a pena restritiva de direitos em uma...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade