Negada no TST justiça gratuita a engenheiro que ganhava R$ 18 mil

Julgados - Direito Processual Trabalhista - Quarta-feira, 3 de agosto de 2005

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou (não conheceu) recurso de revista em que um engenheiro agrônomo, em ação trabalhista movida contra o Banco do Estado de São Paulo (Banespa), pleiteava os benefícios da justiça gratuita. A Turma entendeu que as condições do ex-empregado constatadas nos autos do processo não eram compatíveis com a concessão da assistência judiciária gratuita.

O engenheiro agrônomo trabalhou para o Banespa entre 1985 e 1995, em estudos de viabilização de empréstimos a agricultores. Ao ser demitido, ajuizou reclamação trabalhista contra o Banco alegando irregularidades na sua contratação e na demissão. A reclamação foi considerada improcedente, levando o engenheiro a pedir os benefícios da justiça gratuita – concedidos àqueles que não podem arcar com os custos de uma ação judicial. O benefício foi negado.

A Vara do Trabalho da cidade de Registro (SP) e o Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (15ª Região), ao decidirem pela não concessão da justiça gratuita, observaram que o ex-empregado do Banespa era representado na ação por um escritório particular de advocacia. ´Ora, se o reclamante é pobre na acepção da palavra, como alega, por certo deveria ter se socorrido dos sindicatos representativos de classe`, afirmou a decisão regional. Além disso, ambos ressaltaram a alta remuneração mensal atribuída ao ex-empregado. ´O valor astronômico (superior a R$ 18 mil) torna injustificável e até agressiva a tese de que este não possa arcar com despesas processuais`.

No recurso de revista trazido ao TST, o engenheiro sustenta que a Lei nº 1.060/50, que instituiu a assistência judiciária gratuita, prevê que, para gozar de seus benefícios, basta a ´simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua família`.

O relator do recurso, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, registrou em seu voto que ´o empregado pobre, na acepção da palavra, tem a assistência judiciária do Estado. É direito de cidadania. No processo do trabalho, a assistência judiciária é prestada pelo sindicato da categoria profissional correspondente`. Mesmo que a contratação de advogado particular não inviabilize o deferimento da assistência judiciária gratuita, porém, é necessário que a representação seja gratuita.

Com base nos autos do processo, o relator afirmou que ´não há como se aceitar a declaração de pobreza quando o empregado está assistido por advogado particular, que contrata com o seu cliente honorários com fundamento no êxito da pretensão, e não na recuperação econômica de seu cliente` – fato confirmado pelo advogado da tribuna, na sessão de julgamento do processo. ´Se existente cláusula para pagamento de honorários advocatícios, não há como se admitir a gratuidade de justiça pretendida`, concluiu.

Matérias relacionadas

Honorários de sucumbência têm caráter alimentar

Em recurso especial proposto por um advogado contra uma distribuidora de bebidas do Mato Grosso do Sul, a Terceira Turma do Superior Tribunal de...

Condenado por tráfico de drogas não tem direito à progressão de regime

O condenado por crime hediondo ou delito equiparado não tem direito ao regime semi-aberto, apenas ao regime fechado e ao livramento condicional...

Não é crime ambiental a destoca realizada para limpar área de pastagem

A destoca – limpeza da área, terreno – praticada por proprietário rural para desobstruir a área de pastagem em sua fazenda não é compatível...

Aposentadoria alterada pela Administração não impõe devolução de valores

A servidora pública aposentada Avani Lima da Silva não terá que devolver o correspondente a cerca de R$ 47 mil recebidos em razão de...

Senhora não poderia ser despejada, por força do Estatuto do Idoso

Decisão inédita da 21ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul encontrou amparo no Estatuto do Idoso, relativo ao despejo de...

Correntista indenizada por quebra de sigilo bancário sem autorização judicial

Nenhuma instituição financeira tem competência para quebrar o sigilo bancário de seus correntistas sem prévia intervenção do Judiciário....

Pensão alimentícia também incide sobre a restituição do imposto renda

Os alimentos fixados sobre os rendimentos líquidos do alimentante também incidem sobre a restituição do imposto de renda. O entendimento é da...

Flagrado por atropelamento com morte tem prisão preventiva decretada

Foi negado o pedido de liberdade provisória e decretada a prisão preventiva de motorista preso em flagrante por atropelamento, resultando na morte...

Título indevidamente protestado gera dano moral a empresa

Empresa que teve título protestado indevidamente, fazendo com que perdesse contrato de licitação, será indenizada por dano moral. A decisão,...

Cliente obtém direito a detalhamento de chamadas locais na conta telefônica

A Brasil Telecom terá de fornecer à cliente, insatisfeita com valores cobrados, demonstrativo de conta telefônica com informações discriminadas...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Trabalhista

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade