Rio Grande do Sul sujeito a multa por não fornecer remédio a doente renal

Julgados - Direito Civil - Quarta-feira, 10 de agosto de 2005

O Estado do Rio Grande do Sul está sujeito a multa em caso de descumprimento de decisão judicial que o obriga a fornecer o medicamento Noripurum, de uso urgente e contínuo, a um portador de insuficiência renal crônica. A decisão é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que considerou possível a aplicação de multa cominatória ao ente estatal em caso de obrigação de fazer, mesmo que se trate da Fazenda Pública.

A primeira instância gaúcha condenou o Estado a fornecer o medicamento de forma gratuita e contínua, sob pena de multa diária de R$ 500 em favor do paciente, o que foi revisto pelo Tribunal de Justiça local em apelação apresentada pelo Rio Grande do Sul. Daí o recurso especial ao STJ.

O Estado sustenta que a imposição da multa, além de onerá-lo excessivamente, causa danos a toda a sociedade. Além disso, a aplicação da multa à Fazenda Pública não atinge o agente público, mas o próprio erário, o que a tornaria inócua. O paciente afirma que a decisão do TJ violou artigos da Constituição Federal e do Código de Processo Civil que autorizariam a multa.

´A suspensão da multa, tal como ocorreu, através do provimento do recurso do apelo, só vem respaldar a conduta reiteradamente adotada pelo Estado: em total desobediência à vida e à saúde do cidadão e em total desobediência e desacato à ordem emanada do Poder Judiciário desatende a ordem judicial`, alega a defesa do paciente.

O relator, ministro Luiz Fux, esclareceu que a função da multa cominatória, chamada ´astreinte`, ´é vencer a obstinação do devedor ao cumprimento da obrigação de fazer ou de não fazer, incidindo a partir da ciência do obrigado e de sua recalcitrância`. No caso, afirma o ministro, a imposição de multa na obrigação de fazer, consubstanciada no fornecimento de medicamento a pessoa portadora de insuficiência renal crônica, objetiva assegurar o cumprimento da decisão judicial e resguardar o direito à saúde.

O ministro destacou também o entendimento do STJ no sentido de admitir a imposição de ´astreintes`, de ofício ou a requerimento da parte, para que o devedor cumpra a obrigação de fazer, mesmo que se trate da Fazenda Pública. A decisão da Turma foi unânime.

Matérias relacionadas

Consumidor indenizado por inclusão indevida em cadastro de devedores

A inscrição indevida do nome de devedor em cadastros de proteção ao crédito, sem prévia comunicação por escrito, caracteriza danos morais que...

Estado não pode suspender sentença em ação contra empresa privada

O estado não pode pedir suspensão de liminar ou sentença em ação movida contra empresa privada, mesmo que haja suposta ameaça à ordem e...

Recurso sem assinatura do advogado é considerado inexistente

A falta de assinatura do advogado em recurso na instância especial torna-o inexistente. Além disso, a decisão, da Quarta Turma do Superior...

Se banco fecha antes do protocolo, prazo para recurso pode ser prorrogado

O prazo de preparo para a interposição de recurso pode ser prorrogado para o dia subseqüente ao do término, quando o expediente bancário for...

Concedido habeas-corpus a acusado de desmatamento

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, revogou o decreto de prisão preventiva do fazendeiro Antenor Duarte do...

Determinada reintegração de bancária com LER em sede de liminar

O trabalhador que é vítima de Lesão por Esforço Repetitivo – LER e é demitido, pode pedir à Justiça do Trabalho seu retorno imediato ao...

Estado é condenado a indenizar por inoperância do sistema carcerário

Quando comprovada a negligência do Estado em fiscalizar o retorno de apenados ao convívio social, torna-se manifesta sua responsabilidade em...

Portadora de HIV, mesmo na maioridade, deve receber pensão alimentícia

O fato de não poder arcar com o próprio sustento é elemento suficiente para, mesmo na maioridade, filho continuar recebendo o benefício de...

Nome pode ser trocado caso traga constrangimento ao seu titular

Verdadeira é a necessidade da continuidade dos registros públicos, no entanto o nome não pode trazer constrangimento ao seu titular, pois...

Invalidada lei que reorganizou servidores do Legislativo de Novo Hamburgo

Por maioria de votos, o Órgão Especial do TJRS decidiu que a Lei nº 1.040/04, do Município de Novo Hamburgo, que reorganiza e reclassifica os...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade