Mantida condenação de policial civil que se apropriou de cocaína de traficantes

Julgados - Direito Penal - Quarta-feira, 24 de agosto de 2005

O policial civil Ricardo Grécio de Souza não obteve a nulidade da sentença que o condenou, pelo crime de extorsão, a seis anos e oito meses de reclusão, mais multa. O recurso do policial foi negado por unanimidade pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Souza invadiu uma casa onde se refinava cocaína e apropriou-se, com uso de arma de fogo, de determinada quantidade da droga, com o suposto fim de distribuí-la, e deixou livres os traficantes. Por isso, foi denunciado pelos crimes de tráfico de drogas e prevaricação.

Ao fim da instrução criminal, a primeira instância da Justiça Estadual de Macapá (AP) condenou Souza por extorsão, absolveu-o do crime de tráfico e desconsiderou o enquadramento jurídico inicial de prevaricação.

Contra a decisão, a defesa apelou ao Tribunal de Justiça do Amapá sustentando a nulidade da decisão, já que o juiz não poderia condenar o policial por extorsão, resultando em sentença "extra petita" ou "ultra petita", o que teria ferido o princípio da correlação e cerceado sua defesa.

A apelação foi negada pelo TJ sob o argumento de que o réu defende-se da descrição dos fatos narrados na denúncia, e não de sua capitulação legal. Se o fato trazido na denúncia se enquadra no elemento penal do crime de extorsão, afirmou o TJ, não se fala em "mutatio libelli", mas em "emendatio libelli", o que é possível segundo o Código de Processo Penal.

No recurso especial ao STJ, a defesa alega que há divergência entre decisões sobre o mesmo tema, que a denúncia não descreve conduta adequada ao tipo penal da extorsão e que o juízo não determinou a manifestação da defesa sobre a alteração, nem abriu prazo para a produção de novas provas. Por tudo isso, sustenta, a condenação seria nula.

A ministra Laurita Vaz, relatora do recurso na Quinta Turma, afirmou que não é possível verificar a existência do crime de extorsão ou analisar se a tipificação descrita na denúncia é justa, porque exigiria o reexame dos fatos e provas dos autos. A defesa afirmava que o "crime de extorsão nunca existiu, e ainda que se aceite uma pseudodescrição de tal crime, o que não ocorre, a sentença continua eivada de nulidade".

A relatora, concluindo por negar o provimento ao recurso, esclareceu que "o réu, em nosso sistema processual penal, defende-se da imputação fática e não da ‘imputatio iuris’ [imputação criminal]". No caso, o juiz teria entendido que a conduta descrita na denúncia seria o crime de extorsão e não de prevaricação, já que presentes o ato de constranger alguém, mediante grave ameaça e com o intuito de obter vantagem econômica indevida, a fazer algo, restando caracterizada a mera emenda da denúncia ("emendatio libelli") e não a reconfiguração do fato descrito ("mutatio libelli").

Matérias relacionadas

Obreiro obtém reparação após ter perdido dois dedos em acidente

Concessionária de transporte ferroviário deve pagar indenização a obreiro que, devido a uma queda, perdeu dois dedos da mão esquerda enquanto...

É possível alteração de regime de bens em casamento anterior ao novo CC

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, julgou possível a alteração do regime de bens de casamentos...

Suspenso segredo de justiça em processo de soropositivo

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho suspendeu a tramitação em segredo de justiça de um processo em que um empregado portador do vírus...

Mantida decisão do TST que mandou recalcular precatório milionário

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve, por unanimidade de votos, a decisão que determinou a realização de novos cálculos para a...

Deferido pedido de prioridade para transplante de fígado

O Desembargador Irineu Mariani, da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), deferiu pedido para que o retransplante de...

Empresa que substitui aeronave em tempo hábil não deve indenização

No caso de aeronave da Companhia Gol estar sem condições de voar, a disponibilização de vôo em avião de empresa congênere, a BRA, não enseja...

Locatário é responsável pela adequação do imóvel para fins comerciais

O locatário deve buscar a rescisão contratual diante da impossibilidade de explorar atividade comercial em virtude da não-adequação do imóvel...

Partilha de bens não inclui créditos trabalhistas

Eventuais créditos advindos de indenização trabalhista, ainda que tenham sido originados durante o casamento, não devem ser incluídos na...

Inconstitucional lei que dispensava autorização para corte de árvores públicas

A Lei que suprimiu o dispositivo legal que proibia cortes e podas de árvores públicas, sem autorização do Município, é inconstitucional. Esta...

Servidores públicos estão sujeitos a punições de sindicâncias

Sindicância é considerada instrumento legal para basear aplicação de sanções disciplinares a servidores públicos municipais de Porto Alegre....

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade