Acatado pedido de uniformização sobre revisão de pensão por morte

Julgados - Direito Previdenciário - Terça-feira, 30 de agosto de 2005

A Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais conheceu e deu provimento ao pedido de uniformização que pretendia obter a revisão do benefício da pensão por morte. A decisão foi proferida durante a sessão de julgamento do colegiado realizada no auditório da Corte Especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No caso concreto, a autora entrou com um pedido de uniformização contra o acórdão da Turma Recursal do Rio de Janeiro, que confirmou a sentença do juiz de primeiro grau, afastando a possibilidade de retroação da Lei nº 9.032/95 (que altera dispositivos das leis que tratam dos planos de benefícios da Previdência e plano de custeio) para majorar as alíquotas das pensões por morte concedidas em data anterior à sua edição. A decisão do colegiado defendeu a incidência da lei da data do óbito para o cálculo da renda mensal inicial, sob pena de ferir-se o ato jurídico perfeito.

Inconformada, a autora declara que o acórdão impugnado está em desacordo com a jurisprudência pacífica do Superior Tribunal de Justiça (acórdão paradigma – Resp nº 517872), com a decisão da 1ª Turma Recursal de Goiás (processo nº200435007197718), além de estar em desacordo com o entendimento da súmula de nº 15 da Turma Nacional de Uniformização, segundo a qual a alteração do percentual do benefício de pensão por morte trazida pela Lei nº 9.032/95 deve ser aplicada a todas as pensões concedidas antes de sua vigência.

O Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) alegou que a forma de cálculo da renda mensal deve ser regida pela norma jurídica em vigor no momento do fato gerador, que, no caso concreto, seria na época do óbito. A autarquia previdenciária sustentou a inaplicabilidade das alterações trazidas pela Lei nº 9.032/95 para as pensões anteriores à sua vigência, alegando a falta de previsibilidade expressa de retroatividade na referida lei.

A Turma Nacional conheceu e deu provimento ao pedido do autor, reformando a decisão do colegiado do Rio de Janeiro, permitindo a aplicação da alteração do percentual da pensão por morte de acordo com a Lei nº 9.032/95.

Matérias relacionadas

Chamada de gordinha pelo chefe é indenizada em R$ 8 mil

O nome do trabalhador está incorporado ao seu patrimônio moral. Sendo assim, o empregado não pode ser chamado pelo superior hierárquico de...

Bens do Estado ou da União não podem ser dispostos pelo Município

Por entender que o Município é incompetente para dispor sobre bens de outras entidades, como o Estado e a União, o Órgão Especial do TJRS...

Ordem judicial não gera dano moral

O cumprimento de uma ordem judicial, sem abuso, é ato lícito e, portanto, não pode gerar indenização por dano moral. Este é o entendimento da...

Município não pode parcelar títulos devidos por vereadores

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul declarou, por unanimidade, a inconstitucionalidade da Lei nº 125/02, do Município...

Tribunal aumenta indenização a rapaz atingido por bala perdida

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) majorou, por unanimidade, indenização por dano moral devida a rapaz...

Juíza nega indenização a consumidora e critica indústria do dano moral

“Para fazer jus à reparação de danos morais, não basta alegar prejuízos aleatórios ou em potencial, é necessária a comprovação do dano...

Itaucard deverá limitar cobrança de juros do cartão Visa

Foram declaradas nulas cláusulas do contrato padrão de cartão de crédito (Bandeira Visa), que estabelecem juros remuneratórios acima de 12% ao...

Banco condenado a indenizar por roubo em seu estacionamento

A instituição financeira é responsável pelos danos causados a cliente que teve dinheiro roubado dentro das dependências da agência bancária. ...

Cargo de confiança bancário não exige subalternos

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, em voto relatado pelo ministro Antonio Barros Levenhagen, acolheu recurso do Santander Meridional...

Alegações de prova falsa e má-fé contra gerente são rejeitadas

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da Companhia Jordan de Veículos, de...

Temas relacionados

Julgados

Direito Previdenciário

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade